Publicidade

Estado de Minas

Time de Montes Claros insiste que goleiro Bruno tem contrato e mostra documento

O presidente do Montes Claros Futebol Clube, Vile Mocellin, disse que os representantes do jogador terão que procurar o clube antes de qualquer negociação


postado em 02/03/2017 19:02 / atualizado em 02/03/2017 21:56

Clique na imagem para ampliar(foto: Reprodução)
Clique na imagem para ampliar (foto: Reprodução)
O retorno aos gramados do goleiro Bruno Fernandes das Dores de Souza, de 32 anos, pode virar uma novela. Ao chegar ao Fórum de Santa Luzia, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, para apresentar garantias para liberdade do cliente, o advogado Lúcio Adolfo afirmou que em 10 dias anunciará qual clube o ex-jogador do Atlético e Flamengo defenderá. Porém, o presidente do Montes Claros Futebol Clube, Vile Mocellin, com quem Bruno tem contrato, disse nesta quinta-feira que os representantes do jogador terão que procurar o clube do Norte de Minas antes de qualquer negociação.

O contrato com o time de Montes Claros foi assinado dentro da prisão, em 28 de fevereiro de 2014. Mas, segundo o advogado de Bruno, o clube descumpriu normas contratuais e não fez nenhum pagamento ao goleiro até hoje. Por esse motivo, ele considera que o contrato não tem validade. “O Montes Claros não cumpriu as cláusulas contratuais. Não pagou nenhum salário ao Bruno, não pagou nenhuma taxa e sequer o envio de uma correspondência”, disse o defensor, lembrando que existe cláusula no contrato que estabelece que, quando uma das partes não cumpre suas obrigações, o acordo torna-se nulo.

Na tarde desta quinta-feira, em frente ao Fórum de Santa Luzia, o advogado afirmou que dentro de oito a 10 dias, deve ser divulgado o clube que o jogador vai defender. Seriam pelo menos 10 times interessados no goleiro, ainda de acordo com o defensor. Entre eles, há três propostas do Rio de Janeiro, sendo um clube da série A e dois de séries inferiores, clubes de Brasília, de Minas Gerais e de São Paulo.

A carreira de Bruno teve início no Galo. Ele chegou ainda na base e foi integrado ao elenco principal em 2004. Estreou pelo profissional apenas no ano seguinte, permanecendo no clube até 2006. Com a camisa alvinegra, fez 59 jogos e sofreu 67 gols. Depois, passou pelo Corinthians e foi para o Flamengo. Quando passava pelo melhor momento da carreira, se envolveu no assassinato de Eliza Samúdio. Ele foi condenado a 22 anos e três meses pelo crime.

 

(RG) 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade