Publicidade

Estado de Minas

Bruno nega em audiência que ameaçou detentos na Penitenciária Nelson Hungria

Caso fique comprovado a falta grave, o goleiro pode perder benefícios dados a presos com bom comportamento, como a remissão de pena


postado em 01/08/2013 17:01 / atualizado em 01/08/2013 19:20

O goleiro Bruno Fernandes voltou a ficar frente à frente com um juiz na tarde desta quinta-feira na Vara de Execuções Criminais em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Ele foi ouvido pelo magistrado Wagner Cavalieri sobre uma confusão com outro detento e um agente penitenciário na Nelson Hungria. De acordo com o advogado Francisco Simin, que defende o atleta, Bruno afirmou que as acusações são infundadas e negou ter ameaçado presos.

A audiência começou às 13h e terminou às 15h. O juiz ouviu dois agentes penitenciários, que fizeram a comunicação das ameaças do atleta. O teor dos depoimentos deles não foram divulgados pelo Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG). Em seguida, o goleiro foi ouvido e negou todas as acusações contra ele. “São infundadas as acusações e ele falou que não tem nada a ver com isso. Quem falou sobre as ameaças foi um outro preso, que quer aparecer. Bruno é um preso que não dá problema na cadeia. Ele só quer cumprir a pena com tranquilidade”, afirmou Francisco Simin.

O ex-atleta ficou sem o direito a banho de sol por 30 dias depois que se desentendeu com presos na lavanderia do presídio. Pela indisciplina, ele foi proibido de receber visitas, sair da cela e trabalhar.

O juiz abriu vistas do processo para o Ministério Público, que terá cinco dias para fazer as argumentações, e depois o mesmo período será dado a defesa do acusado. Em seguida o processo volta para as mãos do magistrado, que vai decidir se a atitude do goleiro configura pena grave. Caso isso aconteça, o atleta poderá perder alguns benefícios dados aos presos com bom comportamento, como a de remissão de pena.

Bruno e outras cinco pessoas respondem pela trama de sequestro e morte de Eliza Samudio, ex-amante do goleiro, com quem teve um filho. No dia 8 de março, ele foi condenado por homicídio qualificado e ocultação de cadáver de Eliza, além de sequestro do filho do casal, com pena total de 22 anos e 3 meses. Para ter direito à progressão do regime fechado para o semiaberto, em que poderia sair diariamente para trabalhar, Bruno tem que cumprir 7 anos, 9 meses e 15 dias de prisão da pena. O trabalho na penitenciária e o benefício de estudar são fundamentais para que ele reduza esse período atrás das grades, com a remição de pena.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade