Publicidade

Estado de Minas

TJ avalia anulação do júri do Caso Bruno

Tribunal de Justiça julga nesta quarta-feira pedido de defesa para rever júri que condenou réus em Contagem


postado em 15/01/2013 06:00 / atualizado em 15/01/2013 06:51

Advogados de Bola alegam que tiveram palavra cassada durante julgamento de Macarrão e Fernanda em novembro(foto: Vagner Antônio/TJMG - 23/11/12)
Advogados de Bola alegam que tiveram palavra cassada durante julgamento de Macarrão e Fernanda em novembro (foto: Vagner Antônio/TJMG - 23/11/12)



O Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) confirmou para as 13h30 de amanhã o julgamento do pedido de anulação do julgamento de dois envolvidos no desaparecimento e morte de Eliza Samúdio, condenados em novembro em júri no fórum de Contagem, na Grande BH. Luiz Henrique Ferreira Romão, o Macarrão, pegou 12 anos de prisão em regime fechado, por homicídio triplamente qualificado, e mais três, em regime aberto, por sequestro e cárcere privado. Fernanda Gomes de Castro, ex-namorada do goleiro Bruno Fernandes, foi condenada por sequestro e cárcere privado de Eliza e do bebê a cinco anos de prisão, em regime aberto. Participam da sessão de amanhã os desembargadores Doorgal Andrada (relator), Herbert Carneiro e Delmival de Almeida Campos.

O pedido de anulação do julgamento partiu dos advogados de outro réu, o ex-policial Marcos Aparecido dos Santos. Ércio Quaresma, Zanoni Manuel de Oliveira Júnior e Fernando Costa Oliveira Magalhães entraram com habeas corpus no TJMG contra a decisão da juíza Marixa Fabiane Lopes. Os defensores alegam que na sessão a juíza cassou a palavra dos defensores, quando eles pretendiam expor as questões preliminares levantadas durante a instrução do processo.

Os advogados informaram na época que se tratava de 38 pontos a serem discutidos e a juíza concedeu apenas 20 minutos para análise e exposição de todas as questões. Por causa disso, os advogados deixaram o plenário e entraram com o recurso. Os defensores pediram que seja garantido a eles livre acesso, acompanhamento e participação nas sessões do Tribunal do Júri, iniciadas em novembro, podendo ouvir, se necessário, outros réus.

Multa

Os defensores pediram ainda que o tribunal torne sem efeito todos os atos que foram praticados sem a presença deles no julgamento de Macarrão e Fernanda. Na sessão, a juíza multou os três advogados em R$ 18.660 cada um, por terem abandonado o plenário do júri. Os advogados alegam que deixaram o local para resguardar interesses de Bola.

Por causa, o processo foi desmembrado e marcado para 4 de março o julgamento do goleiro Bruno, da ex-mulher dele, Dayanne Rodrigues do Carmo Souza, e de Marcos Aparecido dos Santos. O julgamento dos outros dois réus, Elenilson Vitor da Silva e Wemerson Marques de Souza, ainda não têm data marcada.

O Diário Oficial do estado deve publicar hoje a decisão da juíza Marixa de permitir o retorno dos advogados de Bola ao processo e de manter a multa aplicada.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade