Publicidade

Estado de Minas

TJMG julga recurso de defesa para réus do Caso Bruno não irem a júri popular

TJMG também vai julgar a apelação do Ministério Público Estadual que tenta incriminar os acusados de participação no crime em outros artigo


postado em 04/08/2011 15:41 / atualizado em 04/08/2011 16:42

Está marcada para a tarde do próximo dia 10, quarta-feira, mais uma audiência sobre o caso do desaparecimento e morte de Elisa Samudio. O pedido de realização da audiência foi aceito pelos desembargadores Doorgal Andrada, Herbert Carneiro e Delmival de Almeida Campos.

De acordo com o Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), a 4ª Câmara Criminal vai julgar o recurso da defesa do goleiro Bruno Fernandes, Luiz Henrique Romão, o Macarrão, Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, e Sérgio Rosa Sales, o primo do goleiro, para que eles não irem a júri popular.

O Tribunal também vai julgar a apelação do Ministério Público Estadual que tenta incriminar os acusados de participação no crime em outros artigos. Em dezembro do ano passado, a Justiça decidiu pela soltura da ex-mulher do goleiro Bruno, Dayanne Rodrigues, a ex-namorada dele, Fernanda Gomes de Castro, o caseiro do sítio, Elenílson Vítor da Silva, e Wemerson Marques, o Coxinha.

Relembre o caso

De acordo com o inquérito, Eliza e o bebê, suposto filho do goleiro, foram sequestrados por Luiz Henrique Romão e Sérgio Rosa Sales, primo de Bruno, no Rio de Janeiro, e trazidos para o sítio do atleta, em Esmeraldas, na Grande BH, em 4 de junho. A vítima teria sido mantida em cárcere privado até o dia 10, quando teria sido morta fora dali. O ex-policial Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, é apontado como o executor. A criança foi entregue à ex-mulher, Dayanne de Souza.

Bruno, Macarrão e Sérgio respondem por sequestro e cárcere privado (pena de 1 a 3 anos), homicídio qualificado ( 12 a 30 anos) e ocultação de cadáver (1 a 3 anos). Bola é acusado de homicídio qualificado e ocultação de cadáver. Em liberdade, Fernanda Gomes de Castro responde por sequestro e cárcere privado de Eliza e do bebê. Dayanne, Wemerson Marques de Souza e o caseiro do sítio, Elenilson Vitor da Silva, são acusados de sequestro e cárcere privado do menor.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade