Publicidade

Estado de Minas

Ex-mulher do goleiro conta como recebeu Eliza Samudio no sítio de Bruno


postado em 04/04/2011 06:54

A ex-mulher do goleiro conta que recebeu Eliza Samudio no sítio dele, em Esmeraldas, na Grande BH, e que a tratou como hóspede, mesmo sabendo que ela teve um caso com o ex-marido. “Na época (dias antes do sumiço de Eliza, em junho do ano passado), eles disseram que não tinham mais nada. Eu a recebi, não a tratei mal, não a expulsei. Outra pessoa, no meu lugar, a teria expulsado. Quem tinha que saber que era casado, e que tinha uma família, que tinha filhos, era o Bruno. Não culpo as mulheres que ele arruma. Isso tinha que vir do caráter dele”, disse Dayanne, dizendo não guardar mágoas. “Só guardo mágoa quando tentam atingir minhas filhas. Muitas vezes, mulheres tentaram afastar minhas filhas do Bruno por ciúmes. Isso eu não admito. Sou ex-mulher, mas não existem ex-filhos.”

Para Dayanne, é difícil apontar culpados quando se trata do sumiço de Eliza Samudio. “Hoje é muito fácil apontar o dedo para os outros. Essa história, para mim, tem muita incógnita. Quem vê de fora acha que a gente sabia que aquilo tudo foi armado, mas tem coisas que aconteceram que até hoje eu não sei”, disse Dayanne. “O fato de ela (Eliza) estar viva ou morta é um ponto de interrogação. Se eu a tivesse visto morta, ou escutado alguém dizer que iria matá-la, eu poderia afirmar que ela está realmente morta”, disse.

Quando conversa com Bruno por telefone, Dayanne conta que ele chora muito com saudade das filhas. Também reclama da comida servida no presídio. “Eu, que estive dentro de uma penitenciária, sei que é um inferno. Antes, quando Bruno jogava, ele tinha uma alimentação balanceada. Comia muito carboidrato, macarrão, salada, peixe, carne vermelha e bastante suco natural. Hoje, ele come quando a avó leva”, disse Dayanne.

Ainda de acordo com ela, o goleiro se sente bem tendo Macarrão por perto, dividindo a cela. “Agora, se isso é bom para ele ou se não é, sabe Deus”, disse ela, lembrando que Bruno tinha 9 anos quando se tornou amigo de Macarrão. O maior sonho de Bruno, segundo Dayanne, além de ser inocentado e solto, é de voltar para os campos. “Se ele fosse uma outra pessoa, se não fosse o Bruno goleiro do Flamengo, ele não estaria nesta situação”, arrisca a ex-mulher, inconformada com a prisão. Questionada se tem esperanças de reatar o relacionamento algum dia, ela responde: “Isso aí a gente deixa para o tempo e a vontade de Deus. Se Ele quiser, e permitir, assim será. Que essa história sirva pelo menos para o amadurecimento de ambos os lados”.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade