Publicidade

Estado de Minas CARREIRA

Como fazer uma transição de carreira com sucesso

Sair da zona de conforto significa se abrir para novas possibilidades e experiências. Conheça cinco passos para agir com segurança


postado em 29/08/2019 12:27 / atualizado em 29/08/2019 12:33

Transição de carreira requer habilidades distintas (foto: Werner Heiber/Pixabay )
Transição de carreira requer habilidades distintas (foto: Werner Heiber/Pixabay )


O número de profissionais dispostos a fazer transição de carreira ou de negócio aumenta a cada dia. Lilian Carmo, coach e diretora da Febracis Campinas, instituição de coaching, destaca uma pesquisa de 2018, que apontou que 90% dos brasileiros estão infelizes com seus trabalhos e, desses, 64,24% gostariam de fazer algo diferente do que fazem para serem mais felizes.

Mas afinal, como saber (e fazer) uma transição de carreira com sucesso?

Em suas consultorias, Lilian Carmo aborda cinco passos para essa ação. Entretanto, antes de tudo, é preciso entender como você enxerga a mudança. "Sair da zona de conforto é navegar por águas desconhecidas, mas, por outro lado, também significa se abrir para novas possibilidades e, sobretudo, novas experiências."

Lilian Carmo alerta sobre algumas questões que precisam ser respondidas quando se trata de transição de carreira: Há disposição para isso? Existe desconforto grande o suficiente para lhe fazer mudar de carreira? Isso o entusiasma, causa aquele frio na barriga? Se respondeu sim, então é a hora.

Abaixo os cinco passos propostos por Lilian Carmo:


O primeiro passo é identificar o propósito, aquilo que te motiva, que causa um legítimo frio na barriga. "O propósito é a engrenagem que move qualquer atividade que fazemos. É ele que vai substanciar os momentos tempestuosos e de dificuldade durante o processo de transição. Além disso, seguir seu propósito reduz categoricamente a chance de erro. Afinal, fazer transição de carreira para algo que não te fará feliz em alguns anos seria traumático."

O segundo passo é planejar. Nem uma corrida no parque é feita sem planejamento, checagem de materiais e necessidades. "Falamos de uma carreira nova, portanto, vale se debruçar com calma e muita atenção quanto aos objetivos (intangíveis) e metas (tangíveis, inclua prazos) que você almeja para esse novo cenário. Inclua neste plano todas as habilidades que você precisa desenvolver para a nova função e lembre-se das competências técnicas e das comportamentais – as soft skills que são tão requisitadas quanto seu diploma."

Lilian Carmo, diretora da Febracis Campinas, avisa que o primeiro passo é identificar o propósito(foto: Arquivo Pessoal)
Lilian Carmo, diretora da Febracis Campinas, avisa que o primeiro passo é identificar o propósito (foto: Arquivo Pessoal)
No terceiro passo, é quando se alcança o degrau dos riscos e da capacidade inata que todos têm de superação diante de adversidades. "Desse escopo, muitas habilidades podem surgir e agregar valor ao seu 'novo' eu profissional. No entanto, assumir riscos está diretamente associado ao medo e, nesse contexto, esbarramos em circunstâncias que vão além do profissional e atingem aspectos pessoais. Saiba isolar esses medos e busque ajuda para trabalhá-los."

Buscar conhecimento é primordial para quem está em transição, é o quarto passo. Mesmo depois de anos na área de negócios, quando fez sua transição de carreira, Lilian Carmo conta que buscou conhecimento a fim de ampliar sua capacidade de gerir o novo desafio. "A princípio, a leitura é sua melhor aliada. Busque artigos acadêmicos, revistas especializadas e se debruce sobre livros com sinergia aos seus desafios. Aqui não falo apenas de conhecimentos técnicos, mas de autoconhecimento também. Você sabe, de fato, quais são suas expertises de maior destaque? Sabe como usá-las ao seu favor?"

Lilian Carmo destaca que hoje há no mercado um movimento que demanda por microespecializações e inúmeras instituições estão surgindo neste sentido. "As edtechs, como são chamadas, exploram segmentos de mercado com capacitação mais focada e em menos tempo que uma pós-graduação de dois anos, por exemplo."

Já no quinto passo, Lilian Carmo chama a atenção para a ação em si, etapa divisora de águas para sair da inércia. "Colocar em prática o planejamento desenhado lá atrás e lidar com os resultados de cada etapa, sejam positivos ou negativos. Aprenda nos tropeços e sedimente experiência. Celebre os acertos e avanços, por menores que sejam. Nesta etapa, use seu networking e engaje sua rede com o desenrolar da sua nova trajetória."

A transição de carreira rompe com paradigmas que trazemos no inconsciente coletivo quanto à segurança de ter um emprego fixo, estabilidade financeira e o eterno duelo com o tempo. "Essas crenças limitam seu desenvolvimento e podem colocar em risco sua mudança, portanto, busque apoio profissional para cada etapa aqui proposta. Um coach de carreira é uma alternativa viável. Informe-se sobre profissionais sérios e use de referências e indicações. Lembre-se: sua experiência sempre vai contar, afinal, o mercado recebe de bom grado os profissionais multidisciplinares", enfatiza a especialista, que também é sócia da Optimize Consulting e palestrante nas áreas de liderança, gestão, carreira e desenvolvimento pessoal.
 
Mais informações https://www.febracis.com.br/ .



Publicidade