Publicidade

Estado de Minas NEGóCIOS

Conheça designer que abandonou mercado de joias e hoje produz arte na Serra do Cipó

Artista plástica Wânia Lage deixou tudo para trás para se dedicar à arte de criar e produzir mimos artesanais a partir de elementos da natureza


postado em 11/01/2018 14:20 / atualizado em 11/01/2018 16:39

Artista plástica optou por criar junto à natureza(foto: Arquivo Pessoal)
Artista plástica optou por criar junto à natureza (foto: Arquivo Pessoal)

São pássaros, flores, folhas, frutos e insetos do cerrado estampados nas toalhas de mesa, panos de prato, almofadas, bolsas, pratos, xícaras, roupas de cama, vestidos e cartões. A artista plástica Wânia Lage, de 54 anos, transforma tudo o que toca em arte e poesia. Com carimbos também confeccionados artesanalmente por ela, os desenhos vão saindo e enfeitando tudo o que Wânia produz, que pode ser adquirido por meio das redes sociais de que participa ou por telefone. “Gosto de fazer os carimbos com desenhos que capturo com minha máquina fotográfica, principalmente no alto da serra”, conta a artesã, que não sossegou enquanto não aprendeu a fazer os próprios carimbos, garantindo, assim, a qualidade e a exclusividade das estampas e das peças.

"Liberdade de voar num horizonte qualquer e de pousar onde o coração quiser"

Wânia Lage

 


Há 11 anos, ela se mudou para a Serra do Cipó, cenário perfeito para quem vive em sintonia com a natureza. E não poderia escolher um outro local para morar: sua casa é cercada por árvores, plantas, flores, vasos, enfim, em meio à natureza. Era a inspiração de que Waninha – como é carinhosamente chamada pelos admiradores de sua arte – precisava.

Tecido, tinta e carimbo da execução dos trabalhos(foto: Arquivo Pessoal)
Tecido, tinta e carimbo da execução dos trabalhos (foto: Arquivo Pessoal)

O processo de criação lhe toma o dia inteiro no ateliê ao ar livre, no quintal de sua casa. Ligada na música e no silêncio da natureza, ela vai fazendo carimbos e descobrindo frases assim: “Felicidade se encontra nas horinhas de descuido”, de Guimarães Rosa. Nos panos de prato, podem surgir pitangas e trepadeiras acompanhadas de frases das composições do Clube da Esquina. Agora, Waninha quer resgatar o afeto perdido com tanta tecnologia. Quer que as pessoas voltem a escrever cartas e cartões. Há data melhor do que o Natal para mandar mensagens escritas a mão? Pois é: os carimbos artesanais de Wânia Lage estão também nos cartões e ímãs de geladeira.

Tem frases de Carlos Drummond de Andrade, Cecília Meireles, Clarice Lispector e Manoel de Barros nos aventais e toalhas: “Liberdade de voar num horizonte qualquer e de pousar onde o coração quiser”. É assim que a arte de Wânia Lage participa da alquimia na cozinha, junto com formigas, abelhas e florações rupestres. O trabalho dela é o ingrediente secreto, o tempero que vai seduzir os convidados para a festa.

TRANSFORMAÇÃO

A poesia é presença certa em sua arte(foto: Arquivo Pessoal)
A poesia é presença certa em sua arte (foto: Arquivo Pessoal)
 

Mas nem sempre foi assim. Waninha lembra que trabalhou por 18 anos na área de saúde, em grandes empresas da capital. Mas ela sempre ficava imaginando o dia em que poderia se dedicar exclusivamente às artes, pois, desde criança, tem esse dom de trabalhar com as mãos e a com a criatividade. Por volta dos 40 anos, ela “chutou o balde” e começou a trabalhar com papel machê, “brincando com o lixo, com peças montadas a partir de jornais e outros elementos reciclados”. Foi quando decidiu estudar, formando-se em desing de joias. “Fui a primeira joalheira a trabalhar com joias de papel”, lembra.

Quando, em 2006, ela resolveu se mudar para a Serra do Cipó, a quantidade de lixo no lugarejo a incomodou, o que a fez desenvolver um projeto para trabalhar, voluntariamente, conscientizando as pessoas. Assim, ela trabalhou com crianças, idosos, em escolas etc., ajudando a transformar o lixo em objetos úteis. “Há dois anos, larguei um pouco o lixo e só dou aulas de artes para crianças. Com isso, também descobri a estamparia artesanal. Com carimbos produzidos por mim, de borracha artesanal e bem mais leves que os comuns, crio as imagens que quero, a partir do que vejo. Como estou na Serra, desenvolvo estampas com motivo do cerrado. Minha paixão é a natureza.” Os carimbos são tão diferentes, que despertaram o interesse até de empresários da Suíça e do Canadá, que já estão comprando o produto.

Quem quiser conhecer mais sobre a arte de Wânia Lage pode acessar a página do Facebook “Original do Cerrado” e se encantar com o trabalho dela, que pode ser adquirido pelo Facebook, Instagram ou pelo telefone.

Serviço
Wânia Lage – artesã
Facebook: Original do Cerrado
Instagram: @waniaLage
Telefone: (31) 99999-4204

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade