Publicidade

Estado de Minas FOTOGRAFIA

Candombe: ritual sagrado marca a expressão mais antiga do congado mineiro

Comunidade do Açude mantém cortejo e tradições africanas ao som de tambus feitos por escravos há 205 anos


postado em 01/11/2019 14:32 / atualizado em 07/11/2019 18:56

 “Tá caindo fulô, tá caindo fulô, lá do céu, cá na terra, olê lê, tá caindo fulô"

 

 

 

Candombe, no dialeto africano quimbundo, significa sala de reuniões. O ritual sagrado surgiu nos últimos anos da escravidão, quando os escravos já haviam assimilado vários aspectos da cultura colonial e incorporado elementos da religião católica. Se antes foi reprimido pelos senhores, hoje o candombe é motivo de orgulho para as famílias e uma manifestação de fé e esperança. As orações, tantas vezes repetidas, são formas de agradecer a Nossa Senhora do Rosário, mãe do candombe, por todas as bênçãos concedidas à comunidade. E os batuques dos tambus, por sua vez, transmitem a fé e a alegria do povo. No candombe não faltam canções com versos em português e muita cachaça, para descontração de quem vai prestigiar a festa. 

 

(foto: Leandro Couri/EM)
(foto: Leandro Couri/EM)

 

"É uma reza em forma de canto, pois formam-se rodas, a noite inteira, e todo mundo pode entrar"

Danilo Santos, músico e entusiasta das tradições

 

 

O senhor me dá licença, de eu cantar nesta baixada...” Ao som ritmado dos tambus, instrumentos seculares, homens e mulheres de todas as idades seguem a bandeira de Nossa Senhora do Rosário pelo caminho enfeitado com flores de papel, iluminado por velas, e participam do candombe, considerado pelos especialistas a expressão mais antiga do congado mineiro. O cortejo e o ritual sagrado, na comunidade do Açude, em Jaboticatubas, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, ganha um significado maior: a comemoração do centenário do local incrustado na Serra do Cipó, onde as tradições se fortalecem com o tempo e se mantêm com o respeito das novas gerações. 

 

(foto: Leandro Couri/EM)
(foto: Leandro Couri/EM)

 

"Se quiser, o morador ou visitante pode fazer um verso e cantá-lo, expressando o sentimento naquele momento. É chamado de ponto, um limpa-alma completo"

Danilo Santos, músico e entusiasta das tradições

 

 

Celebrado anualmente sempre no segundo sábado de setembro, o candombe atrai, a cada ano, mais de 300 pessoas, entre moradores e visitantes da comunidade localizada a 94 quilômetros da capital. Remanescente de uma comunidade quilombola, Açude, com 22 famílias, que acordam cedo no sábado para preparar a festa, com direite a  roda da capoeira reunindo vários mestres de todo o país. “É preciso alimentar os candombeiros que chegam. Então, tem que fazer bolos e biscoitos no velho forno de cupim, cortar lenha para a fogueira e enfeitar a rua”, conta Danilo. 

 

(foto: Leandro Couri/EM)
(foto: Leandro Couri/EM)

 

 

"Na casa aberta, é noite de festa, dançam Geralda, Helena, Flor, na beira do rio, escuto Ramiro, dona Mercês toca tambor"

Música Casa Aberta de Flávio Henrique e Chico Amaral

 

 

(foto: Leandro Couri/EM)
(foto: Leandro Couri/EM)

 

Os três tambus da comunidade, guardados como tesouros sonoros, também mereceram destaque, diz o músico e cinegrafista Danilo Santos, “filho” do Açude e entusiasta das tradições. “Eles completaram 201 anos em 2014. Foram feitos pelos escravos do tronco do saboeiro, sendo a madeira escavada de um lado e coberta de couro de boi”, explica o músico, lembrando que a afinação se faz na fogueira, que arde das 22h do sábado até as 7h do domingo, quando tudo termina.  

 

 

(foto: Leandro Couri/EM)
(foto: Leandro Couri/EM)

 

As emoções ganham mais força enquanto a noite avança e é impossível não entrar no clima que mescla cultura e religiosidade. “Eu sou carreiro, eu vim pra carrear. A minha boiada é nova, sobe o morro devagar”, é um dos versos cantados na festa, que tem ainda o boi da manta, que vai abrindo caminho e retirando as energias negativas para a passagem da bandeira de Nossa Senhora do Rosário. “A música remete aos antigos carros de boi”, diz Danilo. Durante a noite, os festeiros servem aos visitantes broa de fubá, biscoitos, caldo de mandioca, café coado na hora, quentão, cachaça e batidas. 

 

(foto: Leandro Couri/EM)
(foto: Leandro Couri/EM)

 

'Somente três anos após da Abolição, portanto em 1891, que os escravos daqui foram libertados. Os senhores de engenho se aproveitaram da distância da fazenda com a cidade grande para não dar a notícia'

Danilo Santos, músico e entusiasta das tradições

 

 

 

 

 

Pedido de ajuda

(foto: Leandro Couri/EM)
(foto: Leandro Couri/EM)

 

Comunidade está arrecando recursos para documentar e difundir a história do candombe até chegar na sua raiz ancestral: Povo Mende, em Serra Leoa, na África. O projeto é idelizado pelo músico Danilo Candombe

 

A ideia é que seja uma obra documental (webserie com 3 episódios) com resgate firmado na oralidade através de depoimentos no decorrer do caminho reverso da escravatura. Saindo de quilombo, a Comunidade do Açude Serra do Cipó – MG, passando por Portugal e finalizando em Serra Leoa.

 

Além da realização da webserie documental com reconstituição de algumas passagens interpretadas pelos próprios moradores do quilombo, Danilo vai promover oficinas e bate-papos sobre vivência quilombola, contando e dançando as histórias e difundindo a raízes através do intercâmbio cultural. Para ajudar acesse aqui

 

 

 

 

 

 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade