Publicidade

Estado de Minas MATEMáTICA

Dívidas são fáceis de entrar e difíceis de sair, saiba o por quê

Aprenda os conceitos de Juros Simples e Juros Composto


postado em 26/11/2019 15:00 / atualizado em 27/11/2019 14:56

Vai chegando esse período e surge aquele aperto financeiro pelo gastos nas festas de final de ano, IPTU, IPVA, matrícula e material escolar dos filhos. Para conseguir sobreviver as essas contas, muitas pessoas  buscam empréstimos com parentes, crédito consignado, cheque especial até mesmo o cartão de crédito. Como ninguém empresta dinheiro sem nenhum ganho, resta saber ao devedor que tipo de juros será cobrado: simples ou composto. Você sabe quais as diferença deles?
O valor extra cobrado ao se tomar emprestado é chamado de juros e existem dois tipos: juros simples ou juros compostos.(foto: Freepik)
O valor extra cobrado ao se tomar emprestado é chamado de juros e existem dois tipos: juros simples ou juros compostos. (foto: Freepik)

Quando você pega dinheiro emprestado de algum banco ou instituição financeira, uma quantia extra é solicitada para lucrar nessa operação. Esse valor extra é chamado de juros. Eles podem ser cobrados de duas maneiras: juros simples ou juros compostos.

Juros Simples 

Nos juros simples, o juros é cobrado apenas sobre o montante que foi emprestado - um porcentagem do capital inicial. Eles são somados ao capital inicial no final da operação. O juros simples tem um crescimento linear, representado pela fórmula:

Js = C.i.t
Js = Juros Simples
C = Capital Inicial ou Valor Principal
i = Taxa de juros
t=  Tempo 

Exemplo: Tenho uma dívida de R$ 1.000,00 que deve ser paga com juros de 5% a.m. pelo regime de juros simples e devo pagá-la em 3 meses. Os juros que pagarei serão:

J = 1000 . 0.05 . 3 = R$150,00

Ao somarmos o juros ao valor principal, temos o "montante" (M). Logo o montante pago por mim é M= R$1.000,00 + R$150 = R$1.150,00

Juros Composto 

Enquanto no juros composto, eles são calculados sobre o montante emprestado somado aos juros acumulados em cada período - é um juros sobre juros. Ele são somados ao capital ao fim de cada período de aplicação e tem um crescimento exponencial - a famosa "bola de neve". Infelizmente esse tipo de juros é muito utilizado pelo sistema financeiro atual. Nela o valor do capital inicial não é fixo,e sim é variável, alterando de acordo com o período do empréstimo.

Chamamos de capitalização o momento em que os juros são incorporados ao capital inicial. Para calcular o juros composto utilizamos a fórmula:

Jc = M - C

Jc = Juros Composto
M = Montante
C = Capital Inicial

Mas para calcular o montante (M) de um juros composto temos:

M = C.(1 i)t

i= Taxa de juros do período
t= Tempo

Exemplo: Calcule o montante de um capital de R$ 5.000,00, aplicado a juros compostos, durante 6 meses, à taxa de 2% ao mês. Qual o valor do juros composto cobrado nessa operação?

C = R$5.000,00
t = 6 meses
i = 2 % a.m. = 0,02
M = ?

M = 5000(1 0,02)6
M = 5000(1,126)
M = R$5.630,81

Jc= M - C
Jc= 5.630,81 - 5000,00
Jc= R$630,81

Resumindo esse artigo, fuja de qualquer dívida que envolva cobrança de juros. Se não for possível, opte sempre por juros simples e leia com cuidado o contrato de empréstimo.

Renato Ribeiro é professor de Matemática do Percurso Pré-Vestibular e Enem.

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade