Publicidade

Estado de Minas QUÍMICA

ENEM 2019: Revisão de Radioatividade

Assista a aula com os principais conceitos de radioatividade cobrados na prova de Ciências da Natureza


postado em 06/11/2019 10:20 / atualizado em 06/11/2019 10:48

No próximo domingo (10/11) será o segundo dia de aplicação do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) com os conteúdos mais extensos da prova. Um dos temas mais atuais com grande probabilidade de cair é Radioatividade, seja na Química ou na Física. Para você rever conceitos, está disponibilizada abaixo uma aula completa com professor José Hugo. Confira:

Radioatividade no ENEM

A radioatividade é conceituada no ensino médio como o fenômeno pelo qual um núcleo instável do átomo emite partículas e ondas eletromagnéticas para atingir a estabilidade(desintegração ou decaimento nuclear). Logo, os átomos dos elementos radioativos são muito instáveis. 

Há alguns átomos mais leves com núcleos instáveis, em proporções mínimas. São os chamados isótopos radioativos ou radioisótopos. Os isótopos radioativos mais comuns são: urânio-238, urânio-235, césio-137, cobalto-60, tório-232, e outros. Sendo todos fisicamente instáveis e radioativos e possuem uma lenta desintegração. Há três tipos de desintegração radioativa: alfa (α), beta (β) e raios gama (γ).

A "meia-vida" é o tempo necessário para a metade dos isótopos de uma amostra se desintegrar. Essa propriedade é muito utilizada para determinar a idade de artefatos arqueológicos, plantas e animais.

A onda eletromagnética é uma forma de energia, constituída por campos elétricos e campos magnéticos variáveis e oscilando em planos perpendiculares entre si, capazes de propagar-se no espaço. No vácuo, sua velocidade de propagação é de 300.000 km/s.
Conferências da Solvay (1911): reuniam os mais consagrados cientistas da época, como Planck, Einstein, Curie e Rutherford e outros, e proporcionaram avanços fundamentais para a radioatividade. (foto: Wikimedia Commons)
Conferências da Solvay (1911): reuniam os mais consagrados cientistas da época, como Planck, Einstein, Curie e Rutherford e outros, e proporcionaram avanços fundamentais para a radioatividade. (foto: Wikimedia Commons)

Vários elementos radioativos fizeram parte da formação do universo e estão presentes até hoje na Terra. Começamos a usar alguns desses elementos a partir do séc. XIX com as pesquisas de Pierre Curie e Marie Curie, o casal Curie, estudou a radioatividade dos sais de urânio. Sempre aprendendo e desenvolvendo ainda mais as suas potencialidades, mas nunca esquecendo dos seus perigos e cuidados necessários. O contato da radiação com seres vivos pode causar diversos males como câncer, alteração genética dos descendentes e até mesmo a morte.

Na década de 1950, o aproveitamento racional da energia nuclear possibilitou a criação das usinas nucleares. As usinas nucleares surgiram como uma fonte poderosa para atender à demanda de energia. Ela não requeriam características geográficas específicas ou áreas extensas (como as hidrelétricas) e não utilizavam combustíveis fósseis ou poluíam a atmosfera (como as termoelétricas). Por outro lado, havia os altos custos de construção e manutenção, os riscos de acidentes e os rejeitos radioativos gerados. 

Dois acidentes foram decisivos para o questionamento da segurança nessas usinas.O primeiro ocorreu em Three Mile Island, nos Estados Unidos, em 1979, onde uma falha no sistema de refrigeração acarretou a liberação de uma quantidade de radioatividade. A rápida evacuação da população ao redor da usina evitou a ocorrência de vítimas fatais. Em 1986, em Chernobil, Ucrânia, o descontrole da reação provocou um incêndio no núcleo do reator e consequente liberação de grande quantidade de material radioativo na atmosfera.  
Depósito de rejeitos radioativos: um problema ambiental, pois pode-se demorar milênios para perder suas propriedades radioativas.(foto: IPEN)
Depósito de rejeitos radioativos: um problema ambiental, pois pode-se demorar milênios para perder suas propriedades radioativas. (foto: IPEN)

Em função de mobilizações populares, muitos países começaram a desativar seus programas nucleares. Mesmo com todos esses esforços, chegou-se ao final do século XX com 130 mil toneladas de lixo nuclear. Devido à contínua emissão de radiação, esse material deve ser isolado até que a radiação atinja níveis toleráveis, o que pode levar alguns milênios. Desta forma, os atuais locais de armazenamento  demonstram-se inseguros devido às incertezas quanto às condições geológicas à longo prazo.

Zé Hugo é professor de Química do Percurso Pré-Vestibular e ENEM.


Publicidade