Publicidade

Estado de Minas SOCIOLOGIA

O socialismo real no lixo

Professor explica O Capital e o Manifesto Comunista


postado em 25/09/2019 14:00 / atualizado em 26/09/2019 11:41

Como explicar a doutrina marxista para os alunos? É muito complexa. Marx escreveu livros sobre o tema. Outros escreveram mais livros ainda. 

Como explicar o “Manifesto Comunista”? Como explicar “O Capital”? Como explicar doutrinas políticas sem enveredar para a discussão ideológica estéril?

Então, busquei reduzir as informações ao básico necessário. 

Disse Marx que a sociedade desde seus primórdios é marcada pela luta de classes, entre os que têm e os que não têm. Os homens exploraram os homens, como os senhores e os escravos, a nobreza e os servos etc. A última luta de classes ocorrerá no sistema capitalista.

Nessa luta, o proletariado, por meio da revolução, tomará o poder. No Manifesto Comunista, Marx diz “Trabalhadores do mundo: uni-vos. ” A ascensão do proletariado será o primeiro passo para a instalação do socialismo. É bom lembrar que a massa proletária será liderada por um partido que, em seu nome, dirigirá o estado socialista.
Esculturas de Marx em Tréveris, local de nascimento do pensador.(foto: www.deutschland.de)
Esculturas de Marx em Tréveris, local de nascimento do pensador. (foto: www.deutschland.de)
 
O socialismo é o oposto do capitalismo. Como? Vamos lá: no capitalismo, a burguesia é proprietária dos meios de produção e explora o proletariado. A mais-valia, conforme Marx, mostra o mecanismo dessa exploração, ou seja, o lucro gerado pelo trabalho é apropriado pelo capital.

No socialismo, o poder será manifestado por uma ditadura de partido único que, em nome da classe trabalhadora, dirigirá o estado e controlará os meios de produção.

Em 1917, a Revolução liderada por Lênin, instituiu o primeiro estado socialista do mundo: a URSS.

E o comunismo? Como seria alcançado, caso o socialismo vivenciasse a sua lógica marxista?

O estágio comunista seria alcançado por meio da evolução natural do socialismo. Sem traumas e atropelos, os homens chegariam naturalmente ao comunismo. 

Estágio derradeiro da humanidade, o comunismo seria o momento da igualdade entre os homens. Não haveria classes e nem estado, já que o estado é um desdobramento do interesse da classe dominante (estado burguês, por exemplo). Sem estado e sem classes, esse seria o comunismo. E a propriedade? Sem classes e sem estado, a propriedade dos meios de produção seria coletiva (comunista).

Como as pessoas internalizam a coleta seletiva do lixo? É um processo muito demorado.  São necessárias gerações para que a coleta seja uma prática tão comum quanto escovar os dentes.

Alguns fazem a coleta seletiva hoje. Amanhã, outros mais também vão fazer. Nossos filhos farão melhor e de modo mais eficiente. Os netos de nossos filhos vão selecionar o lixo e valorizar as posturas ambientalmente responsáveis. Os bisnetos de nossos netos farão mais e melhor. Serão cidadãos ecologicamente conscientes. É assim que vamos caminhar com a coleta seletiva e com a consciência ambiental. Estamos muito longe.
Stalin, Fidel, Lenin, Mao Tsé-Tung e Marx.(foto: Burns - Reprodução)
Stalin, Fidel, Lenin, Mao Tsé-Tung e Marx. (foto: Burns - Reprodução)
 
Acredito que o comunismo seria alcançado assim. As pessoas se acostumariam com uma sociedade cada vez mais igualitária. O estado socialista, em nome do proletariado, faria com que a evolução em direção ao comunismo ocorresse gradativamente, de geração em geração, de tal modo que a igualdade seria tão corriqueira quanto escovar os dentes.

Algo falhou no socialismo real. Nada deu certo. Surgiu uma casta de privilegiados no partido, uma ditadura monstruosa reprimia as pessoas. Em nome da liberdade, a liberdade foi suprimida. Em nome da igualdade, a igualdade virou fumaça. 

E a coleta seletiva? Vai pelo mesmo caminho. Creio que não teremos mais planeta para esperar as gerações que sejam suficientemente conscientes.

Socialismo real e homem real. Experiências fadadas ao fracasso. Tomara que eu esteja errado.

Newton Luiz de Miranda
e arquiteto e professor de História do Percurso Pré-Vestibular.

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade