UAI
Publicidade

Estado de Minas EDUCAÇÃO

Ministro da Educação: 'Reitor de universidade não pode ser esquerdista'

Milton Ribeiro disse que tem bom diálogo com cerca de 20 a 25 reitores e que levou dez deles para conversar com o presidente Bolsonaro


09/08/2021 23:37 - atualizado 09/08/2021 23:44

O ministro falou também sobre temas como o retorno às aulas(foto: Fabio Rodrigues-Pozzebom/Agência Brasil)
O ministro falou também sobre temas como o retorno às aulas (foto: Fabio Rodrigues-Pozzebom/Agência Brasil)
O ministro da Educação, Milton Ribeiro, disse nesta segunda-feira (9/8), em entrevista ao programa “Sem Censura”, “da TV Brasil”, que reitores das universidades federais não podem ser 'esquerdistas, nem lulistas'.

 

 

 

“Alguns optaram por visões de mundo socialistas. Não precisa ser bolsonarista. Mas não pode ser esquerdidas, nem lulista. Reitor tem que cuidar da educação e ponto final. E respeitar todos que pensam diferente. As universidades federais não podem se tornar comitê político, nem direita, muito menos de esquerda”, afirmou.

 

Milton Ribeiro disse ainda que tem bom diálogo com cerca de 20 a 25 reitores, das 69 universidades federais, e que levou dez deles para conversar com o presidente Jair Bolsonaro.

 

O ministro falou também sobre temas como o retorno às aulas, ensino técnico, o diálogo com reitores das instituições federais de ensino superior, a autonomia universitária e o sobre livros didáticos.

 

Ribeiro lembrou que ele assumiu a pasta no meio de uma pandemia e disse que seu grande desafio foi a sua relação com os alunos, tanto da educação básica quanto do ensino superior, e o retorno às aulas. “Eu, enquanto educador, sei quanta falta faz, quanta perda das faltas de aulas, das escolas fechadas. Esse foi meu grande desafio”.

 

O ministro também anunciou que, em um prazo de um ano a um ano e meio, uma disciplina de educação financeira deve começar a ser oferecida para alunos da educação básica. “Acabamos de fazer um convênio com a CVM [Comissão de Valores Mobiliários]. Em um primeiro momento, no MEC é tudo [para] médio e longo prazo, nós vamos capacitar 500 mil professores para que eles possam entrar, depois de um ano, um ano e meio, com essa matéria, vamos usar essa palavra, no ensino das crianças”, disse.

 

Veja aqui a íntegra da entrevista:  

 

 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade