Publicidade

Estado de Minas ABANDONO

Reuni: o sonho de expansão que virou pesadelo de R$ 4 bi em universidades

Estudo mostra que programa de expansão das federais, lançado há 14 anos, parou na falta de verbas e deixou para trás mais despesas e obras inacabadas


12/04/2021 06:00 - atualizado 12/04/2021 07:13

Centro de Atividades Didáticas 3, da UFMG, foi concluído com recursos a conta-gotas, depois de cortes que tiveram início em 2015(foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press - 9/10/2019)
Centro de Atividades Didáticas 3, da UFMG, foi concluído com recursos a conta-gotas, depois de cortes que tiveram início em 2015 (foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press - 9/10/2019)

Ele surgiu como uma ousada promessa de expansão da educação pública superior. Canteiros de obras se instalaram por vários câmpus para a construção de prédios, o número de alunos quase dobrou e a oferta de cursos noturnos se tornou realidade. As universidades aceitaram o desafio do governo, fizeram pacto e, 14 anos depois da criação do Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais (Reuni), ficaram com um passivo de R$ 4 bilhões nas contas.

Atualmente reféns de um orçamento para lá de enxuto, saíram da promessa de crescimento ordenado para se verem às voltas com obras inacabadas e projetos sem perspectiva de sair o papel. Em Minas Gerais, onde se concentra o maior número de instituições federais, a situação não é diferente. Na maior delas, a UFMG, apenas em estrutura física a conta é de pelo menos R$ 20 milhões.  

As informações constam de relatório feito por um grupo de trabalho destinado a acompanhar e avaliar o sistema universitário brasileiro (GT-IES), encomendado pela Câmara dos Deputados. O levantamento robusto, de quase 400 páginas, tem à frente quatro professores de universidades federais, todos eles ex-reitores, e constitui um verdadeiro raio-x da educação superior pública e privada em todo o país.  

O documento, que recuperou informações obtidas em outubro de 2018 com a Diretoria de Desenvolvimento da Rede de Instituições Federais de Ensino Superior, do Ministério da Educação (MEC), revela que “a situação desses passivos do Reuni continua a ser um desafio do presente”. A informação é de um “significativo passivo, de cerca de R$ 4,2 bilhões, composto por aproximadamente R$ 3 bilhões referentes às universidades federais e R$ 1,2 bilhão relacionado aos Ifets (institutos federais)”. Para as obras em execução em instituições federais de ensino superior, do valor contratado total (cerca de R$ 2,25 bilhões), há ainda a empenhar R$ 765 milhões, com valores mais concentrados nas regiões Sudeste e Nordeste. 

Mesmo assim, a expansão que começou com o Reuni deixou seus marcos em Minas. Um deles foi a centralização de unidades no câmpus Pampulha da UFMG. Saíram do Centro de Belo Horizonte faculdades e escolas tradicionais, como Odontologia e Engenharia. No Norte de Minas, foi o grande passo para o crescimento da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) e para a interiorização da educação superior no estado.  

Mas, para aumentar quantidade de cursos e vagas, era preciso mais salas de aula, laboratórios e estrutura administrativa. Câmpus inteiros ou unidades foram construídos desde que o Reuni foi lançado, em 2007. Outros prédios se tornaram esqueletos ou nem saíram do papel – na época da implantação, o Reuni previa a execução das metas num prazo de até cinco anos após a adesão de cada universidade. Na conta atual do programa, pesa a tesoura da União nos orçamentos da educação desde 2014, que tocou diretamente na rubrica investimento.  

“Não tenho expectativa de que o governo atual vá cumprir os compromissos anteriores. As universidades fizeram o que deveriam fazer, pois confiaram que haveria contrapartida, e não houve”, afirma a professora Ana Lúcia Gazzola, da UFMG. “Se pensarmos em termos de orçamento global, as instituições foram forçadas a fazer mais com menos. O impacto de mais alunos é grande e investimentos não foram feitos”, ressalta.  

ONEROSO 

O grupo de trabalho destacou em seu relatório que o auxílio ao estudante é uma fragilidade jurídica, à medida que não se o transforma em lei. “Amplia, recebe mais estudantes, não tem investimentos, o que começa não termina, as coisas vão se degradando e, assim, a conclusão das obras vai ficar cada vez mais cara”, diz a professora da UFMG. “As universidades vão ficando cada vez mais oneradas, com um déficit que vai corroendo.” 

Ana Lúcia Gazzola chama atenção ainda para a proposta de emenda constitucional (PEC) emergencial, que eliminou mínimos de investimento em saúde e educação, como agravante aos cortes crescentes. “É um ataque o tempo todo, justamente após um cenário que comprova que ter um pacto universitário de pesquisa forte capaz de promover transferência de conhecimento na indústria é essencial para um país. Todas as possibilidades de vacina contra a COVID-19 atualmente no Brasil estão dentro das universidades”, destaca a ex-reitora.  

O MEC foi procurado para informar sobre os rumos do Reuni e seus passivos, mas não respondeu até o fechamento desta edição.  

UFMG tem orçamento igual ao de 12 anos atrás

Faculdade de Farmácia da UFMG foi uma das que integraram o projeto de expansão, com criação de cursos noturnos(foto: Marcos Vieira/EM/D.a press - 29/11/07)
Faculdade de Farmácia da UFMG foi uma das que integraram o projeto de expansão, com criação de cursos noturnos (foto: Marcos Vieira/EM/D.a press - 29/11/07)
Com um orçamento em 2021 equivalente ao de 12 anos atrás, é difícil fazer a máquina andar na mesma velocidade ou, pelo menos, com a mesma força. Várias obras ficaram para trás e há dificuldades para terminar o que já tinha começado a ser feito. Essa é a realidade atual da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), mas também de muitas outras instituições sob a tutela da União no estado e pelo Brasil afora.  
 
A expansão proporcionada pelo Reuni se traduz no seu conceito de base: crescimento da oferta de vagas. Somente a UFMG passou de uma comunidade acadêmica de cerca de 30 mil pessoas na época da implementação do programa para cerca de 50 mil atualmente. O câmpus de Montes Claros, no Norte do estado, saltou de dois para seis cursos. Mas, seis anos depois das intervenções físicas e no número de pessoal que começaram em 2009, a instituição se viu obrigada a freá-las, diante de cortes orçamentários que tocaram na questão do capital e, logo, no investimento. 

“Temos o valor de custeio (água, luz, limpeza, segurança, conservação) e o que permite avançar em estrutura, planejamento e produção de conhecimento, que é a rubrica investimento/capital, parte mais atingida desde 2015”, explica a reitora da UFMG, Sandra Regina Goulart Almeida. A redução é da ordem de 87%. “Foi cortado onde precisávamos e a UFMG foi obrigada a parar as construções em andamento”, conta.  

Em 2015, o orçamento sofreu o primeiro baque, ao passar dos R$ 46 milhões do ano anterior para R$ 39 milhões. Em 2016, caiu para R$ 22 milhões, chegando a R$ 20 milhões no ano seguinte e a R$ 18,9 milhões, em 2018. Em 2019, não passou de R$ 6 milhões. Com recursos a conta-gotas, foi possível finalizar o Centro de Atividades Didáticas 3 (CAD 3) e deve ser concluído este ano o anexo da Química.  

O anexo da Faculdade de Educação (FAE), estimado em R$ 5 milhões, está sendo retomado, mas não há perspectiva para fazer o mesmo com os anexos da Faculdade de Belas Artes (R$ 11 milhões), da Escola de Música (R$ 9 milhões) e algumas unidades administrativas que estavam no planejamento original do Reuni. E falta ainda levar para o câmpus Pampulha as duas últimas unidades da UFMG previstas na reestruturação: a Escola de Arquitetura (na Savassi, Região Centro-Sul de BH), e a Faculdade de Direito (no Centro), projeto que chegou a passar por licitação com valores estimados em R$ 20 milhões. “O custeio é que permite olhar para o futuro, atingir metas cada vez mais avançadas em termos de comparação de produção de conhecimento com outras unidades”, pontua a reitora.  

Em um cenário mais que preocupante, as universidades já mobilizam o Congresso Nacional para salvar o orçamento deste ano. “Temos uma estrutura muito mais complexa, a universidade mais destacada no cenário internacional e nacional e estamos trabalhando com menos recursos. É importante pensarmos no futuro. Todos os países que enfrentaram crise investiram em educação e 90% das pesquisas é feita nas universidades”, destaca Sandra Goulart.
 

Relatório


Contingenciamentos, cortes e orçamento, palavras que passaram a fazer tremer o caixa das instituições federais de ensino, foram também ponto do relatório do grupo de trabalho formado pelos ex-reitores de universidades por iniciativa da Câmara. Eles analisaram diversos outros temas, como decretos e portarias, programas propostos pelo MEC, internacionalização e trataram de questões sensíveis, como a autonomia universitária, a lei de regulação de instituições privadas e a elevação do Programa Nacional de Assistência Estudantil (Pnaes) à condição de lei.

A professora Ana Lúcia Gazzola, integrante do grupo pela UFMG, conta que o relatório foi entregue à Câmara dos Deputados em 29 de abril do ano passado e só foi publicado no fim de 2020, depois de pressão do grupo. “Conversamos com todo o país, ouvimos os setores público e privado. Mas não levaram adiante nenhuma das recomendações.” 

O desafio de multiplicar alunos e subtrair verbas

Com um crescimento de quase 300%, a Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ), no Campo das Vertentes, simboliza bem o aumento do número de vagas na última década e suas consequências. A instituição passou de 790 alunos para quase 3 mil. Recebeu, entre 2009 e 2011, R$ 50 milhões pactuados com a expansão para cobrir o projeto de implantação de novos cursos. Mas, segundo a federal, a expansão se ancorava num planejamento “forçosamente interrompido”.  

E o passivo toca diretamente o cotidiano dos estudantes de novos cursos, na área da saúde (medicina, enfermagem, farmácia e bioquímica), no câmpus Centro-Oeste Dona Lindu, em Divinópolis (Centro-Oeste do estado). Com a interrupção do que havia sido planejado, a UFSJ ficou sem hospital universitário, o lado prático dessas graduações. A solução foi celebrar convênios com instituições de saúde dos municípios nas regiões de atuação da universidade e readequação orçamentária para ampliar, recentemente, de oito para 13 o número de conveniados para internato e estágios no campo de prática médica, segundo informa a assessoria de imprensa. 

A expansão gerou também outro passivo: o de pessoal. A universidade tem a pior relação aluno/técnico entre as federais. E afetou a contratação de docentes para os programas de pós-graduação abertos na esteira do Reuni, que previa a chegada de 169 docentes e 75 técnicos administrativos, o que foi feito, entre 2009 e 2011. Depois, segundo a assessoria, a UFSJ foi direcionando recursos de orçamento próprio para garantir a consolidação da expansão. Hoje, os servidores somam 1.471, entre docentes, técnicos-administrativos, residentes, estagiários, cedidos e comissionados. Seriam necessárias mais 380 contratações para se atingir o ponto ideal. 

Dois novos cursos previstos para o câmpus Sete Lagoas, na Região Central, sequer saíram do papel. A regulação da assistência estudantil exigiu também readequações, com as perdas acumuladas ano a ano, mas os auxílios estão sendo mantidos. O cenário corre o risco de inverter caso o governo mantenha o corte de 18% anunciado no orçamento do MEC, o que atinge em cheio a assistência estudantil. A UFSJ informa que terá este ano R$ 3 milhões para investir em projetos de apoio e fixação dos estudantes vulneráveis, contra os R$ 11 milhões do ano passado - o que garantiu a extensão de benefícios para cerca de 5 mil estudantes. 

Perdas


Na Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), na Zona da Mata, estão em andamento as obras do prédio da Faculdade de Administração e Ciências Contábeis. O Instituto de Ciências Exatas foi finalizado, mas passa por reformas custeadas com recursos próprios depois da descoberta de falha estrutural.  

A universidade também destaca que seus recursos de custeio subiram 20% no primeiro ano do Reuni, começando a ser congelados a partir de 2012. “Em 2020, a UFJF teve um corte no custeio de 18% e isso significa que hoje, depois de completar todo o planejamento previsto no Reuni, está recebendo muito menos recursos”, afirma nota da assessoria.  

Na Federal de Alfenas (Unifal), no Sul de Minas, o setor de planejamento informou que falta concluir um prédio administrativo, o que deve ocorrer em 2022. A licitação para a obra de R$ 300 mil está prevista para este ano. As federais de Lavras (Ufla), também no Sul de Minas, e de Uberlândia (UFU), no Triângulo, informaram ter conseguido concluir todas as obras pactuadas no Reuni. As outras federais mineiras não conseguiram reunir as informações ou não responderam ao pedido da reportagem.  


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade