Publicidade

Estado de Minas

As pioneiras do Peru a viajarem pelos cumes de Machu Picchu são oficialmente as primeiras carregadoras femininas na Trilha Inca


03/04/2021 09:56

Um grupo de viajantes, guias e carregadoras formado apenas por mulheres, ficou na história por ser a primeira equipe feminina de trekking a embarcar em Machu Picchu.

Grande parte delas, que atualmente percorrem a rota de Machu Picchu, são de origem quechua, povo indígena andino, que vive em aldeias por onde cruza a Trilha Inca.

A tão esperada turnê foi realizada no último dia 30 de março e aconteceu poucos anos depois que a Evolution Treks, uma empresa de turismo ousada mas corajosa, conseguiu incorporar as mulheres ao setor, transformando-se na primeira empresa de turismo com carregadoras em 2017.

O passeio contou com cerca de 10 carregadoras e duas guias, as quais receberam a mesma compensação que cobraria o seu homólogo masculino. Isso significa o dobro do que uma mulher cobra no Peru, quase USD$ 20 sem as gorjetas.

"Não se trata apenas de ser carregadora. Isso é um fortalecimento. Se eu posso atravessar o Caminho Inca, posso fazer qualquer coisa", disse Sara Qquehuarucho Zamalloa, uma das primeiras mulheres a se tornar uma carregadora no Caminho Inca, que se juntou à viagem como guia treinada e especialista. 

Por sua vez, sua companheira Lucia Merclaujuly Vela Sosa concordou e comentou: "estou emocionada porque um grupo puramente de mulheres significa que as coisas estão mudando. Estamos provando que podemos fazê-lo sem homens".

Por outro lado, por causa das novas restrições estatais, a equipe composta por Sosa, Zamalloa e companhia, não fez o tradicional passeio de quatro dias pelo Caminho Inca, mas cobriram o Caminho Inca desde o Caminho de Salkantay e terminaram a viagem em cinco dias.

Como tudo ocorreu como o esperado, este foi o primeiro passeio de muitos para Machu Picchu feito inteiramente por mulheres. Assim, o co-fundador da www.EvolutionTreksPeru.com Miguel Angel Gongora Meza expressou com entusiasmo: "Estamos felizes para fazer isso a cada duas semanas em 2021. E uma vez por semana ou mais em 2022".

Atravessar Machu Picchu pode ser uma aventura para todos aqueles que são atraídos por desafios, e pode ser realizado por qualquer um. Ter a possibilidade de acessar a sagrada cidadela inca como parte da primeira equipe de trekking composta exclusivamente por mulheres é muito mais representativo e memorável.

Deve-se notar que esta é uma oportunidade significativa, não apenas para o desenvolvimento e fortalecimento das mulheres, tanto econômica quanto socialmente no campo de carregadores e guias, mas também para respaldar, apoiar e amparar a eliminação de estereótipos em uma região com conceitos ainda sexistas.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade