Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Publicidade

Estado de Minas ALPHAVILLE

Empreendimento de olho no interior

Sucesso na região de Nova Lima, condomínio de alto padrão engatinha no Vetor Norte, com residências começando a ser construídas cinco anos depois do lançamento


postado em 20/10/2019 04:00 / atualizado em 19/10/2019 20:33


Lagoa dos Ingleses é a cereja do bolo no primeiro residencial, que já conta com 5 mil habitantes, em 1.581 casas e apartamentos(foto: Sidney Lopes/EM/D.A Press)
Lagoa dos Ingleses é a cereja do bolo no primeiro residencial, que já conta com 5 mil habitantes, em 1.581 casas e apartamentos (foto: Sidney Lopes/EM/D.A Press)




A conhecida marca Alphaville Urbanismo atua como franquia em vários municípios brasileiros, oferecendo um conceito de associações de moradores e alto padrão construtivo e de serviços em seus condomínios. Em 2014, prestes a inaugurar seu segundo empreendimento na Região Metropolitana de Belo Horizonte, em Vespasiano, às margens da Linha Verde, a empresa anunciava o empenho em obtenção de licenças ambientais para a construção de um terceiro empreendimento da rede, em área de 2 milhões de metros quadrados em Confins e Pedro Leopoldo, e outros seis projetos com a marca em cidades-polo do interior de Minas – Uberlândia, Divinópolis, Sete Lagoas, Juiz de Fora (dois) e Governador Valadares, prevendo investimentos da ordem de R$ 1 bilhão. Somadas, essas áreas representam uma das 30 maiores áreas urbanizadas do estado, com 12 quilômetros quadrados, de acordo com estatísticas da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa).

O primeiro empreendimento, na região de Nova Lima, às margens da BR-356 (Belo Horizonte/Itabirito), foi inaugurado em 1999, mas as casas começaram a ser ocupadas quase uma década depois. Em 2014, foi lançado o de Vespasiano, com 542 lotes residenciais, com área de 450 a 790 metros quadrados (m2). Consta do projeto nove praças temáticas e trilhas, além de uma área verde de 350 mil metros quadrados, representando 39% da área total do empreendimento. Mas esse segundo empreendimento ainda não decolou. As primeiras residências começam a ser edificadas. A empresa anunciou, à época, que todos os terrenos haviam sido vendidos no lançamento.

De acordo com Adriano Manetta, vice-presidente da área loteadores da Câmara do Mercado Imobiliário e Sindicato da Construção Civil de Minas Gerais (CMI/Secovi), a ocupação na região de Nova Lima trouxe os conceitos da marca Alphaville, mas foi um empreendimento de um proprietário das terras que, posteriormente, foi vendido a um grande grupo da construção nacional. “O Lagoa dos Ingleses vendeu muito rápido no início, mas eram poucas as pessoas dispostas a se mudar para lá.”

ocupação 

Manetta acredita que o ritmo de Vespasiano seja mais lento por ter menos atrativos. “Não tem lagoa, como a dos Ingleses, ou clubes”, mas seria destinado a pessoas que precisam morar na região. “A grande maioria dos loteamentos leva algumas décadas para ser ocupada”, reconhece.

A advogada Kátia Negreiros, diretora institucional da Associação Geral Alphaville Lagoa dos Ingleses, em Nova Lima, conta que o empreendimento recebeu autorização de uso da marca algum tempo depois de sua inauguração. A área, de 6 milhões de metros quadrados, começou com cinco condomínios residenciais unifamiliares e, posteriormente, expandiu com apartamentos, comercial e empresarial. Numa segunda fase, recebeu mais dois condomínios, cada um é autônomo e conta com diretoria própria e conselhos consultivo e executivo. Os diretores de cada associação compõem a diretoria da Associação Geral de Alphaville.

São 5 mil habitantes, em 1.581 casas e apartamentos. De acordo com Kátia Negreiros, no princípio, as pessoas construíam as casas e as mantinham como segunda opção de moradia. “Acho que esperavam para ver se daria certo. Eu mesma e meu marido compramos o terreno, mas alugamos uma casa para ver se nos adaptaríamos.” Hoje, a advogada confirma ter feito a escolha certa.

O bairro tem vida própria e funciona como uma cidade do interior. A “cereja do bolo” é a Lagoa dos Ingleses, utilizada por três grandes clubes tradicionais.


Publicidade