UAI
Publicidade

Estado de Minas MARCO TEMPORAL

Indígenas se tornam influencers para lutar pelo reconhecimento das terras

Eles estão no Instagram, Tik Tok, Twitter para apresentar as reivindicações e a cultura dos povos que se transforma


02/09/2021 12:48 - atualizado 02/09/2021 14:30

Edivan Fulni-ô, músico indígena em vídeo no acampamento Luta pela vida em Brasília
Edivan Fulni-ô, músico indígena em vídeo no acampamento Luta pela vida em Brasília (foto: Reprodução/Instagram)

 

Há quem critique o uso de celular pelos indígenas como se eles não tivessem direito à tecnologia por serem os povos que primeiro habitaram as terras brasileiras. No entanto, eles não só têm o direito de fazer uso dessas ferramentas como as incorporaram à maneira como se manifestam.

 

A visibilidade mundial trazida pelas redes é no que aposta o artista Edivan Fulni-ô, que usou o Tik Tok para reforçar os protestos contra o Marco Temporal. A proposta de mudança no marco legal de reconhecimento das terras indígenas teve o julgamento retomado no Supremo Tribunal Federal (STF) nesta quinta-feira (02/09). 

 

A proposta, que estabelece o direito às terras indígenas para quem passou a ocupá-las somente depois da Constituição de 1988, entrou na pauta do Judiciário depois da ação de reintegração de posse apresentada pelo governo de Santa Catarina contra o povo Xokleng, relacionada Terra Indígena (TI) Ibirama-Laklãnõ. 

 

Nos versos da canção que Edivan Fulni-ô compôs no Acampamento Lu pela vida, ele denuncia a exploração das terras indígenas desde a época da colonização até a atualidade com a monocultura de soja e a mineração.  O vídeo mostra Edivan em um passeio pelo acampamento e cumprimentando outros manifestantes.   

 

 

Na era digital, os povos indígenas ingressaram nas redes sociais para divulgar a cultura e interagir com a sociedade. A tecnologia se tornou essencial no processo de resistência dos povos originários. Muitos indígenas têm utilizado das redes sociais para divulgar os atos de resistência contra o Marco Temporal e defender que a história teve início muito antes de 1500, quando chegaram os colonizadores. Além do Tik Tok há postagens no Instagram, YouTube e Twitter, com direito à convocação de "tuitaço" para mobilização e visibilidade da causa.

 

 

A líder indígena Sonia Guajajara, ex-candidata do PSOL à Vice-Presidência da República em 2018, mantém contas no Twitter e Intagram muito ativas, mostrando o dia a dia da luta no planalto, informando o andamento do julgamento e valorizando sua cultura.

 

Além disso é Coordenadora-executiva da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib) cuja página no Instagram reúne postagens próprias, divulga vídeos de pronunciamentos daqueles que não possuem conta própria e reposta postagens de outras contas, dando voz à diversos povos exaltando a diversidade deles.

 

 

Exaltando a importância dos povos indígenas na cobertura dos acontecimentos no Planalto , o fotógrafo e cineasta ambiental Kamikia Kisedje, registrou imagens que viralizaram. "Vivemos tempos de muita luta e hoje ela é registrada por nós, comunicadores indígenas. Fizemos uma cobertura magnífica, organizada e colaborativa. Conseguimos captar não só imagem de protestos, mas a força de uma luta ancestral. Seguimos mais juntos e mais fortes".

 

Registro das manifestações em Brasília contra o Marco Temporal
Registro das manifestações em Brasília contra o Marco Temporal (foto: Kamikia Kisedje / Instagram)

 

Outras páginas que estão realizando o registro e divulgação das ações contra a PL 490 em Brasília são a Deriva Jornalismo e Fotografia e  a Casa Ninja Amazonia com foco na cobertura fotográfica dos acontecimentos.

 

 

Contas particulares também se juntam às vozes das páginas mais conhecidas. A ativista e professora Ingrid Sateré Mawé, a comunicadora Lidia Guajajara e a ativista Samela Awia  colocam as contas no Instagram para dar visibilidade às lideanças indígenas. Também divulgam eventos e movimentos  como o tuitaço, a Marcha das Mulheres Indígenas e a campanha Luta pela Vida inclusive registros do acampamento de mesmo nome. Kaê Guajajara fez uma releitura da música “Mulheres Negras” de Yzalu contanto a realidade e luta das mulheres indígenas e publicou na plataforma Tik Tok.

 

@kaeguajajara

Releitura da música %u201CMulheres Negras%u201D de Yzalu. Realidade das mulheres indígenas..

%u266C som original - Kaê Guajajara

 

Yaa Cruz, que esteve nas manifestações em Brasília, posta mensagens de força. "Povos indígenas. Vivos , fortes, resistentes , presentes, …hoje e sempre!". E mais: "lutando, para que o resto do mundo continue respirando". Mesmo quando teve que deixar a capital postou um vídeo pedindo ajuda contra o estabelecimento do Marco Temporal.

 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade