UAI
Publicidade

Estado de Minas LUTO NA MÚSICA

Paulo Diniz, compositor da música 'Pingos de Amor', morre aos 82 anos

Causa da morte foi natural e ocorreu na casa do músico, em Recife (PE); Informação do falecimento do cantor foi confirmada pela sua página oficial;


22/06/2022 14:29 - atualizado 22/06/2022 15:51

Paulo Diniz, enquanto era jovem
O músico, que é natural de Pesqueira (PE), deixou a esposa, Iluminata Rangel, uma filha, duas enteadas, três netos e dois bisnetos (foto: Reprodução/Redes Sociais)

O cantor e compositor Paulo Diniz morreu nesta quarta-feira (22), aos 82 anos, em sua casa no Recife (PE). Ele ficou marcado pela autoria de grandes sucessos, como “Pingos de Amor” e “Um Chop para Distrair”, regravados por Kid Abelha e Emílio Santiago, respectivamente.

A informação foi confirmada pelo perfil oficial do artista no Instagram. “Com imenso pesar, confirmamos a morte do cantor e compositor Paulo Diniz. O artista faleceu hoje, às 7h da manhã, de causas naturais, em sua residência. O velório e enterro serão restritos para amigos e familiares", disse a página.

Natural de Pesqueira (PE), o músico deixou a esposa, Iluminata Rangel, uma filha, duas enteadas, três netos e dois bisnetos. O velório será restrito para amigos e familiares e está previsto para ocorrer às 10h, desta quinta-feira (23/6).

 

 

Destaque da MPB

Paulo Lira de Oliveira, nome de batismo de Paulo Diniz, foi destaque na MPB entre as décadas de 1960 e 1980. Foi durante essa época, enquanto morava no Rio de Janeiro, que compôs e lançou suas obras mais conhecidas, como “Pingos de Amor”, sucesso na voz de Paula Toller, do Kid Abelha (gravada em 2000), “Canoeiro”, “Um Chopp pra Distrair”, “Ponha um arco-íris na sua moringa” e “Quero Voltar pra Bahia”. Essas últimas quatro músicas foram frutos de sua parceria com Odibar (1950–2010).

Inicialmente, Paulo Diniz trabalhou como ator locutor nas rádios de Recife (PE) e Fortaleza (CE). Em 1960, passou a compor canções. Seis anos depeois, lançou seu primeiro disco, “O Chorão”. Em 2002, o artista precisou se afastar dos palcos por causa da doença esquistossomose, contraída em um rio de Minas Gerais.

Apesar da interrupção, o cantor gravou em 2019 “A música da minha vida”, em parceria com Jam da Silva. Paulo Diniz também musicalizou importantes poemas brasileiros, como “E agora, José”, de Carlos Drummond de Andrade”, “Versos Íntimos”, de Augusto dos Anjos, e “Definição de Amor”, de Gregório de Matos.

 

Redes sociais

Nas redes sociais, jornalistas e escritores lamentaram perda do músico pernambucano. Xico Sá, por meio da sua contar no Twitter, citou o fato de Paulo Diniz ter musicado o poema "E agora, José?".


Já o jornalista Diego Amorim relembrou quando escutava as canções do artista durante a infãncia. "O cantor e compositor Paulo Diniz morreu hoje. Quando criança, viajávamos pelo Piauí, em um Monza, ouvindo a fita cassete dele (a 'capa' era azulzinha) e cantarolando sucessos como "Pingos de amor", "Como vou deixar você", "O meu amor chorou" e "E agora, José?".

 



Fred Melo Paiva, colunista do Estado de Minas, agradeceu ao cantor. "Na estrada, justamente back to Bahia, sei da morte do Paulo Diniz. Bote aí pra tocar E Agora José?, o Drummond musicado por esse gênio que se vai. Obrigado, velho!".




*Estagiária sob supervisão do subeditor Rafael Arruda


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade