UAI
Publicidade

Estado de Minas MÚSICA

Rafael Martini faz show com música 'difícil de definir, fácil de escutar'

Com participação de Ceumar, instrumentista mineiro apresenta neste domingo (24/10) o álbum "Vórtice", lançado sem shows durante a pandemia


24/10/2021 04:00 - atualizado 24/10/2021 07:19

De camisa preta e óculos, Rafael Martini olha para o lado
O músico Rafael Martini lançou o disco em novembro passado e não pôde fazer shows na época, devido à crise sanitária. Ele é a atração de hoje do Música de Domingo (foto: Ícaro Moreno Ramoz/Divulgação)
Lançado em novembro de 2020, “como uma maneira de prover um certo conforto para o público", o álbum "Vórtice", de Rafael Martini, estava pronto quando a pandemia da COVID-19 começou. Devido à suspensão dos eventos culturais em Belo Horizonte, o compositor, arranjador e instrumentista mineiro não conseguiu realizar um show com suas músicas novas. 

Agora, quase um ano depois da chegada do disco às plataformas digitais, Martini apresenta-o ao vivo diante de uma plateia, neste domingo (24/10), às 16h, no Teatro do Centro Cultural Unimed-BH Minas. Segundo ele, a expectativa para a apresentação "está muito grande". 

ESPECIAL

O show, que faz parte do projeto Música de Domingo, também é especial porque terá participação da cantora, compositora e instrumentista mineira Ceumar. "Estar no palco com ela coroa essa apresentação. Esta será a primeira vez que a gente se encontra em show. Estou muito contente também pelo lançamento no Música de Domingo, um projeto muito caro para mim, no qual eu fiz o meu primeiro show autoral em carreira solo", ele comenta.

No palco, Rafael Martini estará acompanhado dos músicos Paulim Sartori (baixo), Yuri Vellasco (bateria) e Davi Fonseca (Teclado). O repertório mesclará as faixas do "Vórtice" com músicas de seus quatro discos anteriores- "Motivo" (2012), "Suíte onírica" (2017), "Gesto" (2017) e "Haru" (2017).

"Vai ser um show bastante dedicado ao meu novo disco, mas também quero celebrar esse encontro com a Ceumar. Então, além das músicas dos meus discos antigos, também vamos fazer duas músicas dela, inclusive a faixa-título do álbum 'Espiral', que ela lançou em 2019. Os nossos dois trabalhos se entrelaçam até mesmo nesse título. O meu, 'Vórtice', e o dela, 'Espiral'. É como se fossem sinônimos ou complementares", analisa Martini.

O título do disco também explica um pouco da história dele. Apesar de ter sido lançado no ano passado, "Vórtice" começou a nascer em 2016 e seria, portanto, o segundo disco de Rafael Martini. Em razão de outros projetos musicais que surgiram na época, o músico acabou engavetando o trabalho, até que, em 2019, surgiu a oportunidade de lançá-lo por meio do selo Estúdio304, do músico mineiro Chico Neves.

"É um título extremamente simbólico. Vórtice é um túnel que te transporta para qualquer espaço-tempo. De certa forma, lançá-lo me transportou para 2016, o ano em que ele foi gravado. Era para ter sido meu segundo disco e acabou sendo o quinto. É uma viagem no tempo para mim. Gravei esse trabalho de forma muito independente, contando com a ajuda de amigos músicos", conta.

As sete faixas do disco trazem uma linguagem própria, que pode ser definida como jazz contemporâneo, ainda que apresente elementos do universo do rock e da música eletrônica. Martini conta que executou essas músicas em apresentações ao vivo e em ensaios, antes que o álbum pudesse finalmente ser gravado.

"Aos poucos, esse disco foi sendo burilado e expandido na maneira como eu imaginava que ele deveria ser. Tudo isso na mão do Chico [Neves], que pegou o disco para finalizar. Quando comecei a compor, imaginei que as músicas ficariam boas em trio, a formação original do jazz. Mas, aos poucos, fui entendendo que seria bom ter mais um teclado. Então virou o que chamo de trio mais um", ele brinca.

Curiosamente, “Vórtice” foi criado enquanto o músico se dedicava a estudar arranjos de clássicos do rock dos anos 1970. Por conta disso, Rafael Martini não o vê como um disco de jazz, mas como um trabalho de música instrumental.

"Comecei a compor quando estava dedicado a fazer releituras de rock, que é a minha base musical. Aos poucos, a gente adicionou elementos da música eletrônica e é daí que surge a sonoridade de um trabalho marcado por uma abordagem diferente de qualquer outra coisa no jazz. Acredito que tenha a ver com esse estilo no sentido da liberdade que ele propõe", diz o músico.

ELITISMO

Para ele, o jazz é um gênero que historicamente ficou atrelado a uma espécie de elitismo que insiste em ignorar "sua origem negra e periférica". "Existe um sentido agregado de algo luxuoso. Não é por aí. Conceitualmente, ele foi criado para ser democrático e acessível."

Martini defende que "a ideia é sempre comunicar. Se um artista está preocupado com isso, não há definição de estilo ou gênero que possa limitar que determinada música toque as pessoas que a estão ouvindo. 

Sobre sua própria música, ele diz encará-la “como algo muito menos hermético justamente pela força da comunicação. E eu gosto quando é difícil de definir, mas fácil de escutar. Muitas das definições que estão por aí reduzem as músicas e não querem dizer nada".

RAFAEL MARTINI COM PARTICIPAÇÃO DE CEUMAR
Show neste domingo (24/10), às 16h, no Teatro do Centro Cultural Unimed-BH Minas  (Rua da Bahia, 2.244, Lourdes). Gratuito. Retirada de ingressos por meio da plataforma Eventim. 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade