Publicidade

Estado de Minas MÚSICA

Após hiato de oito anos sem gravar, Rodrigo Amarante lança "Drama"

Ex-Los Hermanos faz autocrítica em seu segundo álbum solo e decide se "fantasiar" musicalmente. Disco é mais expansivo e solar do que "Cavalo"


26/07/2021 04:00 - atualizado 26/07/2021 09:27

Rodrigo Amarante queria que seu segundo disco solo,
Rodrigo Amarante queria que seu segundo disco solo, "Drama", tivesse como base percussão e melodia, com "menos riqueza harmônica e menos palavras, mas não teve jeito" (foto: Eliot Lee Hazel/Divulgação)
 
No final de 2018, quando começou a gravar seu segundo álbum soloRodrigo Amarante imaginava um registro bastante diferente do que foi lançado no último dia 16. O músico carioca queria que o sucessor de "Cavalo" (2013) tivesse como base percussão e melodia, com "menos riqueza harmônica no sentido da composição e menos palavras, mas não teve jeito". "Drama" foi atravessado pela pandemia e se tornou um disco diferente, cuja sonoridade é uma espécie de autocrítica de Amarante à ideia inicial.
 
"Eu resolvi me perguntar: Por que eu quero fazer desse jeito?. Fui levado a pensar na infância e no momento de transição para a idade adulta, quando há todo um teatro inventado para essa fase. A pulsão de secar os arranjos e fazer uma coisa mais fria talvez tivesse a ver com a falácia do que representa o masculino, essa ideia de que o homem é irracional e não suscetível aos próprios sentimentos. Por isso, resolvi assumir o teatro e me fantasiar musicalmente", explica, em entrevista pelo Zoom.
 
Na busca por observar os valores que recebeu na infância e adolescência, ele se deu conta da reprodução de ideias associadas às patriarcais. "Nossa identidade é uma construção baseada no amálgama de ecos do teatro que inventamos ao acreditar que somos adultos ou na tentativa de imitar o que é ser adulto", ele diz. "Posso dizer que não sou machista ou racista, evocar um lugar de sabedoria, mas acho que isso é menos música do que tentar investigar esses teatros que estão dentro de nós."
 

"É terrível tudo o que está acontecendo no Brasil. Há 10 anos, era difícil imaginar que o Bolsonaro seria eleito presidente. Não acredito que isso seja um fenômeno político... tem a ver com desinformação, que é um efeito colateral da revolução da informação"

Rodrigo Amarante, cantor e compositor



Essas reflexões surgiram quando ele se viu obrigado a gravar o disco em casa, durante a quarentena. Antes disso, Rodrigo Amarante já havia gravado quatro músicas com banda no estúdio do produtor brasileiro Mario Caldato Jr., em Los Angeles, nos Estados Unidos, onde mora com a namorada, a cantora Cornelia Murr, responsável pela segunda voz em algumas das músicas do registros.
 
"Queria fazer o disco todo com banda ao vivo. Tive que ser inventivo, gravar os instrumentos separados, mixar por e-mail... E aí, quando tudo ficou pronto,  esperei mais um pouco para lançar", conta. "O que demoraria uma semana levou quase quatro meses. Como não pude fazer as sessões ao vivo com a banda, gravamos todos os instrumentos separadamente e eu sozinho", relembra.

SINGLES

Apesar de ter sido criado nesse contexto, "Drama" é um disco mais solar e expansivo comparado a "Cavalo", primeira inserção solo de Amarante após dedicação às bandas Los Hermanos, Orquestra Imperial e Little Joy. O segundo álbum começou a ser apresentado com a chegada do single "Maré", em 7 de abril deste ano. Depois disso, Amarante liberou "I can't wait", em junho, e "Tango", uma semana antes da chegada do disco, que tem 11 faixas ao todo.
 
Os três singles liberados antes do lançamento chegaram acompanhados de videoclipes. Embora tenha idealizado todos eles, o músico os considera apenas "peças promocionais". "A música não precisa de imagem. A imagem é que precisa de música", diz ele, aos risos. "Videoclipe é comércio. Já que vai ter, eu penso: Bom, vou fazer eu mesmo porque assim posso aprender um pouco mais sobre o meu grande sonho de profissão que é fazer filme."
 
Enquanto não o realiza, Amarante conseguiu entrar na indústria com a profissão que desempenha desde os anos 1990: a composição musical. Com "Tuyo", canção de abertura da série "Narcos", da Netflix, ele foi indicado ao Emmy Awards, o Oscar da televisão. Apesar de não ter levado o prêmio para casa, o reconhecimento credenciou o músico para outras experiências no campo das trilhas sonoras cinematográficas. A mais recente é a do filme "7 dias em Entebbe" (2018), dirigido pelo brasileiro José Padilha.
 
Vacinado contra a COVID-19, o músico de 44 anos demonstra indignação quando perguntado sobre a pandemia nos Estados Unidos. "Muita gente não quer se vacinar e a variante Delta está correndo solta", conta. "As pessoas não confiam na vacina, acham que ela implanta um chip magnético na cabeça ou que vai transformá-las em jacaré. Aqui só não está vacinado quem não quer."
Ele fica ainda mais indignado ao falar do Brasil. De Los Angeles, acompanha apreensivo as notícias do país natal e fica preocupado principalmente com a família e os amigos que moram por aqui. "É terrível tudo o que está acontecendo no Brasil. Há 10 anos, era difícil imaginar que o Bolsonaro seria eleito presidente. Não acredito que isso seja um fenômeno natural, político e pendular. Acho que tem a ver com aparatos de desinformação, que é um efeito colateral da revolução da informação", analisa.

POLÍTICA

Na entrevista, ele estava com um adesivo do ex-presidente Lula colado no peito, do lado direito. Ao ser questionado se tem esperanças em relação às eleições de 2022, ele afirma que sim, mas acrescenta: "Esperança não é o suficiente. Esperança é apenas um combustível para fazer alguma coisa. Certamente, a gente tem que tirar essa cambada do poder com o voto, mas é uma luta muito mais ampla do que isso".
 
A exemplo disso, ele fala sobre a eleição de Joe Biden, que derrotou Donald Trump no último pleito para presidente dos Estados Unidos. "Ela (a eleição) pode ser um indicativo de superação, mas nada está superado realmente. A situação agora aqui é menos perigosa no sentido do aparato político. Ao mesmo tempo, tudo aquilo que possibilitou o momento político anterior continua. Neste momento, leis que restringem o voto dos negros estão passando. Ainda não dá para dizer que há superação."
 
 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade