Publicidade

Estado de Minas REABERTURA

Museu do Oratório e Museu Sant'Ana reabrem para visitas presenciais

Os dois museus, em Ouro Preto e Tiradentes, receberão os visitantes seguindo os protocolos de segurança estipulados pelos dois municípios e pelo estado


13/07/2021 17:52 - atualizado 13/07/2021 18:50

Museu do Oratório, em Ouro Preto, reabre nesta quarta-feira(foto: Kevin Martins/Divulgação)
Museu do Oratório, em Ouro Preto, reabre nesta quarta-feira (foto: Kevin Martins/Divulgação)
O Instituto Cultural Flávio Gutierrez anunciou nesta terça-feira (13/7) a abertura para o público presencial do Museu do Oratório, localizado em Ouro Preto, e do Museu de Sant’Ana, em Tiradentes. Os museus receberão os visitantes seguindo os protocolos de segurança estipulados pelos órgãos competentes de cada município e do estado.

 

A presidente do instituto, Angela Gutierrez, informou que as equipes estarão preparadas para receber os visitantes de forma presencial. “A abertura dos museus, com parcimônia, é importante para fortalecer a cultura e como opção de entretenimento e conhecimento para as pessoas, neste momento de pandemia”, acrescentou.

Programação

O Museu do Oratório funcionará de quarta-feira a segunda-feira (fechado às terças-feiras para manutenção) das 9h às 12h e de 13h30 às 17h. Os ingressos custam R$ 5,00 (inteira) e R$ 2,50 (meia-entrada) para pessoas acima de 60 anos.

 

O museu informa que o pagamento poderá ser feito somente no dinheiro e professores, estudantes, guias de turismo e moradores de Ouro Preto, possuem entrada gratuita mediante comprovação.

 

Endereço: Adro da Igreja do Carmo, 28, Ouro Preto/MG

 

Devido à pandemia do coronavírus, para acessar o museu, os visitantes precisam realizar os procedimentos de segurança: aguardar atendimento seguindo as marcações no solo, manter distanciamento mínimo de 2m, passar pelo aferimento da temperatura corporal, higienizar os pés em tapete sanitizante e as mãos por meio do dispensador de álcool. O uso de máscaras é obrigatório durante a permanência.

 

Serão permitidas 20 pessoas no interior do museu e alguns serviços, como o guarda-volumes, uso dos banheiros e bebedouros, e a Loja do Museu do Oratório, estão indisponíveis temporariamente.  

 

Mais informações pelo site.

 

Já o Museu Sant’Ana funcionará de quarta-feira a segunda-feira, das 10h às 18h e aos domingos das 10h às 16h. Os ingressos também custam R$ 5 (inteira) e R$ 2,50 (meia-entrada). Professores, estudantes, guias de turismo e moradores da cidade recebem entrada gratuita após comprovação.

 

Segundo a organização do museu, para visitar é necessário seguir os protocolos de acesso: aguardar atendimento dentro das faixas de distanciamento, manter no mínimo 1,5m de distanciamento social, higienizar os pés em tapete sanitizante. O uso de máscaras também é obrigatório durante a visita.

 

Serão permitidas, no máximo, 20 visitantes no interior do museu. Excursões ou grupos com grande número de pessoas não são permitidos. Serviços como uso dos banheiros e bebedouros, elevadores e guarda-volumes estão suspensos.  

 

Mais informações pelo site.

Museu do Oratório

Museu do Oratório em Ouro Preto vai permitir a entrada simultânea de apenas 20 pessoas(foto: Nathalia Costa/Divulgação)
Museu do Oratório em Ouro Preto vai permitir a entrada simultânea de apenas 20 pessoas (foto: Nathalia Costa/Divulgação)
Inaugurado em 1998 em Ouro Preto, o Museu do Oratório possui uma coleção de 165 oratórios e 300 imagens dos séculos XVII ao XX. As peças do acervo são brasileiras, principalmente de Minas Gerais, e foram doadas ao IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) pela colecionadora Angela Gutierrez.

 

Museu Sant’Ana

No Museu Sant'Ana, em Tiradentes, excursões ou grupos com grande número de pessoas não são permitidos(foto: Carlos Olimpio/Divulgação)
No Museu Sant'Ana, em Tiradentes, excursões ou grupos com grande número de pessoas não são permitidos (foto: Carlos Olimpio/Divulgação)
Com um acervo de 291 imagens de Sant’Ana, a santa protetora dos lares e da família, o museu foi instalado na antiga Cadeia Pública da cidade de Tiradentes. As obras brasileiras são de diversas regiões do país e possuem diversos estilos e técnicas, produzidas, em sua maioria, por artistas anônimos entre os séculos XVII e XIX.

 

A colecionadora Angela Gutierrez foi a responsável por reunir o acervo durante 40 anos. Atualmente, as peças foram doadas ao Patrimônio público e estão sob gestão do Instituto Cultural Flávio Gutierrez.

 

*Estagiária sob supervisão da editora-assistente Vera Schmitz

 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade