Publicidade

Estado de Minas MINAS

Filme mineiro 'Azulscuro' é destaque em festival de cinema no Amapá

Curta-metragem de terror foi selecionado para a mostra nacional do Festival Imagem Movimento, que ocorre de 23 a 27 de junho


05/06/2021 23:13 - atualizado 05/06/2021 23:22

Cena do filme 'Azulscuro'(foto: Divulgação/Oliver Zort)
Cena do filme 'Azulscuro' (foto: Divulgação/Oliver Zort)
O mundo online quebra fronteiras e prova disso é que o filme "Azulscuro", destaque na produção audiovisual de Belo Horizonte, vai atravessar mais de 3 mil quiilômetros e participar do Festival Imagem Movimento (FIM) no Estado do Amapá, que ocorre de 23 a 27 e junho. 

"AzulScuro" é um curta-metragem do gênero suspense/terror, dirigido por Evandro Caixeta e João Gilberto. Totalmente filmado na câmera de um celular, o espectador acompanha a protagonista Sofia, que busca respostas para a misteriosa morte de sua irmã. 
 
Devido à pandemia, a edição de 2021 do evento amapaense ocorrerá no formato digital. O festival recebeu a inscrição de 93 produções de todo o Brasil, onde 22 foram selecionados para a mostra nacional. 
 
O Festival "Imagem-Movimento" é o festival de audiovisual mais antigo da Região Norte do Brasil. Ele é realizado, anualmente, desde 2004. Desde então, suas ações se diversificaram com foco em ser uma janela do audiovisual brasileiro no Amapá.
 
Para Evandro Caixeta, a participação de "AzulScuro" no evento representa uma grande importância para o cinema no Brasil, em especial para o de Minas Gerais. 
 
Cartaz do filme
Cartaz do filme "Azulscuro" (foto: Divulgação/Oliver Zort)
 
"Estamos entrando numa era onde a arte não tem fronteira e é incrível esse intercâmbio que a internet está fazendo. Sem dúvidas o FIM é um dos festivais mais relevantes do Brasil e é uma horna estar na mostra junto a vários grandes filmes, num evento tão importante que celebra a potência nortista, amazônida e brasileira. Quanto mais filmes mineiros em várias partes do Brasil, melhor, assim como queremos mais filmes do Amapá e do Norte sendo apresentados em Minas", disse. 
 
Para a equipe do FIM, a participação de um filme de Minas Gerais é um ganho para a programação, e o audiovisual mineiro está muito bem representado. 
 
"O audiovisual mineiro sempre esteve muito bem representado no cenário visual, desde o já centenário Ciclo de Cataguases, e segue mostrando a sua grande potência. 'Azulscuro' se destaca porque carrega em si uma linguagem cotidiana digital dos novos tempos", disse em nota a assessoria de comunicação do festival. 

Filmado no celular 

"Azulscuro" segue uma inusitada forma de narrativa. No curta, o espectador acompanha toda a história pela pespectiva de um celular, que é tão presente no mundo moderno. E para conseguir o efeito, os diretores decidiram que todas as filmagens ocorreriam pela câmera do aparelho. 
 
Assim, a protagonista, interpretada pela atriz Larissa Bocchino, conseguiu se movimentar pelo cômodo do cenário, apontando o celular em qualquer direção. Segundo os produtores, essa ideia deu uma maior imersão na interpretação, criando uma camada a mais de realismo. 
 
"Depois das filmagens, criamos mais camadas de efeitos, incluindo o máximo de detalhes possível. Além disso, tivemos um bom processo de preparação da atriz, para que pudéssemos transmitir a maior naturalidade possível no final", destacou Caixeta. 
 
Idealizado em 2019, quando a Qu4rto Studio deicdiu investir em produções no cinema, o curta-metragem foi finalizado em 2021. 
 
Curta foi tilmado totalmente pelo celular(foto: Divulgação/ Oliver Zort)
Curta foi tilmado totalmente pelo celular (foto: Divulgação/ Oliver Zort)

Premiado

O curta-metragem foi lançado em abril de 2021, e além da participação no FIM, também carrega no currículo um importante prêmio: Melhor Curta-Metragem Nacional na categoria Júri Popular no Fantaspoa, o maior festival brasileiro de cinema no gênero fantástico. 
 
Isso foi uma grande surpresa para a equipe, pois o evento é o primeiro em que a produção participou, e já ganhou um grande reconhecimento, segundo Caixeta. Especialmente pela expansão do cinema de terror no Brasil.
 
"Acreditamos que estamos passando por uma renascença no gênero terror em escala mundial, onde estamos quebrando paradigmas que já são esperados nos filmes. Ser reconhecido e premiado foi uma consagração de elementos importantes, de fazer um filme da maneira que você quer, e estar conectado a pessoas que vão entender este conceito", concluiu. 
 
Para mais informações sobre o filme "Azulsucro", acesse a página da Qu4rto Studio e confira a programação do Festival imagem Movimento no blog do evento
 
Bastidores de Azulscuro(foto: Divulgação/ Oliver Zort)
Bastidores de Azulscuro (foto: Divulgação/ Oliver Zort)
 
 
 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade