Publicidade

Estado de Minas CINEMA

"Eu me importo", da Netflix, faz espectador torcer pelos vilões

Produção original do serviço de streaming traz Rosamund Pike como golpista que envia idosos para asilos e toma seus bens e dinheiro


02/03/2021 17:24 - atualizado 02/03/2021 17:58

Rosamund Pike vive vigarista que explora idosos em situações difíceis (foto: Seacia Pavao/Netflix)
Rosamund Pike vive vigarista que explora idosos em situações difíceis (foto: Seacia Pavao/Netflix)
Em janeiro passado, a Netflix anunciou um ambicioso plano de lançamento: disponibilizar pelo menos um filme inédito e original por semana ao longo de 2021. A meta inclui os populares filmes água com açúcar da plataforma, produções estreladas por figurões de Hollywood - como Meryl Streep, Amy Adams, Ryan Reynolds e Gal Gadot - e longas despretensiosos que eventualmente conquistam público e crítica.

Esse é o caso de ''Eu me importo'', do diretor e roteirista britânico J Blakeson. Lançado há duas semanas, ele segue entre os dez títulos mais assistidos da Netflix e rendeu à Rosamund Pike o prêmio de melhor atriz em filme de comédia ou musical no 78º Globo de Ouro, entregue no último domingo (28/2).

No longa, ela é Marla Grayson, cujo trabalho é tomar conta da saúde física, mental e financeira de idosos, função designada pela Justiça assim que eles são reconhecidos como 'incapazes'. Junto com sua parceira e namorada, Fran (Eiza González), ela orquestra um esquema para fazer com que os tutelados lhe entreguem todo o dinheiro que têm.

Com a ajuda de uma médica geriatra, a doutora Amos (Alicia Witt), Marla toma conhecimento de idosos com um bom patrimônio e algum sinal de demência e parte para o ataque.Faz uma pesquisa inicial para levantar possíveis problemas e, se decide seguir em frente com o golpe, pede uma audiência de emergência para um juiz e o convence de que a pessoa não tem mais condições de tomar conta de si e nenhum parente que possa fazer isso por ela. Se o juiz concordar, ela vira a responsável por todos os aspectos da vida da vítima.

O passo seguinte é tirar o idoso de casa, colocá-lo em um asilo gerenciado por outro comparsa, Sam Rice (Damian Young), tirar o celular dele e mantê-lo isolado do mundo. Em seguida, ela e a namorada fazem uma limpa nos bens do sujeito, com a justificativa de que precisam usar o dinheiro para os cuidados da pessoa, assim como para pagar pelo seu trabalho.

O esquema funciona perfeitamente bem até que ela encontra o alvo perfeito: Jennifer Peterson (Dianne Wiest), diagnosticada com uma leve demência, sem herdeiros e com dinheiro o bastante para fazer brilhar os olhos da anti-heroína. O problema é que a Sra. Peterson, na verdade, está em pleno poder de suas faculdades mentais e é ligada com a máfia russa, cujo chefão, Roman Lunyov (Peter Dinklage), a quer fora do asilo imediatamente.

A partir daí, os dois vilões travam uma batalha pela tutela de Jennifer. Ele parte para o uso de armas e ameaças. Ela o enfrenta a altura. Nenhuma medida violenta está descartada.

Assista ao trailer: 


Apesar de ser uma briga entre dois antagonistas, as nuances dadas à trajetória de Marla deixam claro para quem J Blakeson quer que o público torça. A personagem é desenvolvida o suficiente para justificar como ela chegou até o lucrativo esquema de exploração de idosos abandonados.

Mas não há aquele momento de plena compaixão. Por ser um filme satírico, bastante inspirado pelo trabalho dos irmãos Joel e Ethan Coen, ''Eu me importo'' é um filme pessimista feito para mostrar o que há de pior nas pessoas. E o título, claro, é bastante irônico.

Por ser uma personagem manipuladora, é difícil não comparar Marla Grayson com Amy Dunne, a protagonista de ''Garota exemplar'' (2009), de David Fincher, que fez Rosamund Pike conhecida e lhe rendeu uma indicação ao Oscar.

Para a atriz, as duas não são tão parecidas assim. ''Amy e Marla são mulheres muito diferentes. O que vejo as pessoas dizendo é que há um pólo entre o que elas estão fazendo. E eu acho que essa é a similaridade entre elas'', disse Pike, em entrevista à "Variety".

Inspiração em fatos reais


Outro chamariz de ''Eu me importo'' é que os eventos narrados no filme são inspirados por fatos reais.

''A ideia surgiu quando ouvi notícias sobre esses tutores legais predatórios que estavam explorando essa brecha legal e explorando a vulnerabilidade do sistema para tirar vantagem dos idosos, basicamente privando-os de suas vidas e bens para encher seus próprios bolsos'', contou o J Blakeson à "Cosmopolitan".

''Essas histórias eram horríveis e bastante comuns. Fiquei chocado ao saber que isso acontece em vários lugares e pensei que havia algo quase kafkiano sobre alguém batendo na sua porta e simplesmente levando você por um motivo que é válido. Eles tinham a lei ao seu lado e não havia nada que pudesse ser feito'', acrescentou.

Vale destacar a seleção de músicas que integra a trilha sonora, que inclui a banda britânica Death in Vegas e o grupo de europop Five Star. Elas são complementadas pela ótima instrumentação original assinada por Marc Canham, repleta de elementos eletrônicos que dão ritmo à história.

A música que toca no final do filme gerou grande curiosidade em quem assistiu ao filme. Trata-se de ''Blood on the motorway'', da lenda do hip-hop DJ Shadow, que faz parte do álbum ''The private press'', de 2002. Ela não é a grande atração, mas torna memorável o final das quase duas horas de filme. 

EU ME IMPORTO 
.Direção: J Blakeson
.Com: Rosamund Pike, Peter Dinklage, Eiza González, Chris Messina e Dianne Wiest
.119 minutos


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade