Publicidade

Estado de Minas CINEMA

Festival de Berlim inicia mini edição on-line restrita a profissionais

Competição pelo Urso de Ouro, com longas rodados durante a pandemia, terá apenas cinco dias. Organização prevê sessões com público em junho 


01/03/2021 04:00 - atualizado 01/03/2021 07:14

Apenas o júri da competição do Festival de Berlim assistirá aos filmes numa sala de cinema. A programação do festival será on-line(foto: Markus Schreiber/AFP)
Apenas o júri da competição do Festival de Berlim assistirá aos filmes numa sala de cinema. A programação do festival será on-line (foto: Markus Schreiber/AFP)
Nem salas nem tapete vermelho. O Festival de Berlim começa hoje (1º/3) de maneira virtual, com 15 filmes na disputa pelo Urso de Ouro, um festival que permitirá medir o pulso da indústria do cinema, duramente afetada pela pandemia do novo coro-navírus.

Apenas o júri, reunido no mesmo hotel de Berlim, terá acesso a uma sala de exibição, onde todos respeitarão o distanciamento. Um dos seis membros, o iraniano Mohammad Rasoulof, vencedor do Urso de Ouro em 2020, terá que assistir aos filmes em Teerã, onde o governo mantém o diretor dissidente em prisão domiciliar.

O acesso on-line será restrito a membros da indústria cinematográfica e imprensa credenciada pelo festival. Em sua 71ª edição, o primeiro grande festival de cinema do ano na Europa reduziu o tempo de duração de 10 para cinco dias. O plano, no entanto, prevê três semanas de exibições abertas ao público em diversos cinemas e espaços ao ar livre de Berlim, com a presença dos cineastas, no próximo mês de junho.

Entre os destaques do festival estão "Petite Maman", da francesa Céline Sciamma, premiada em Cannes pelo longa "Retrato de uma jovem em chamas"; o novo trabalho da alemã Maria Schrader, que está por trás da série "Unorthodox", e a estreia como diretor do ator alemão Daniel Brühl (de "Adeus, Lênin!"). 

O romeno Radu Jude, premiado em 2015 por "Aferim", retorna à mostra oficial com "Bad luck banging or looney porn" sobre uma professora filmada em um vídeo de sexo divulgado na internet.

Todos os filmes na disputa pelo Urso de Ouro foram rodados ou finalizados durante a pandemia, o que resultou em produções "muito pessoais", segundo o diretor artístico do festival, Carlo Chatrian. “Os longas falam da incerteza em que vivemos e a sensação de temor é onipresente", apontou. 

Pela primeira vez, o festival de forte caráter social atribuirá um prêmio de interpretação "sem gênero", abolindo a separação em categorias de melhor ator e atriz, uma novidade entre os grandes eventos cinematográficos internacionais.

Fora da disputa pelo Urso de Ouro, que será anunciado na sexta-feira (5/3), será exibido o documentário "Tina", sobre a cantora Tina Turner, uma produção da HBO.

Na mostra Panorama, o documentário brasileiro "A última floresta", de Luiz Bolognesi, apresentará um retrato dos índios ianômamis na Amazônia. A seção Series selecionou a produção brasileira “Os últimos dias de Gilda”, do Canal Brasil. 

A Berlinale segue o exemplo de festivais como Toronto (Canadá), que foi realizado majoritariamente on-line. A edição 2021 de Sundance (Estados Unidos) combinou o formato com projeções em drive-ins e pequenas salas independentes.

O Festival de Cannes, cancelado no ano passado, continua apostando em uma edição presencial, mas adiou a data, de maio para julho. Contudo a organização não descarta um novo adiamento, a depender das condições sanitárias.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade