Publicidade

Estado de Minas PANDEMIA

Veja destino de filmes cuja estreia em BH foi interrompida em março

Dos 12 longas em cartaz quando os cinemas de BH foram fechados, 10 tentam a sorte nas plataformas de streaming e na internet. No sábado, as salas voltam a funcionar


27/10/2020 04:00 - atualizado 27/10/2020 09:19

Aprendiz de espiã está em cartaz na Amazon Prime desde junho, depois de estrear em 11 salas (foto: Diamond Films/Divulgação)
Aprendiz de espiã está em cartaz na Amazon Prime desde junho, depois de estrear em 11 salas (foto: Diamond Films/Divulgação)

A pandemia pegou os cinemas desprevenidos. Em 12 de março, uma quinta-feira, 12 filmes estreavam em Belo Horizonte. Seis dias depois, um decreto da prefeitura fechou as salas, devido ao confinamento social para combater o novo coronavírus.

No próximo sábado (31), elas serão reabertas, mas o estrago está feito. Restou a 10 daqueles 12 longas buscar abrigo em plataformas de streaming ou tentar a sorte na internet, oferecidos para venda ou aluguel.

Somados, os 12 lançamentos arrecadaram R$ 5,97 milhões, alcançando 384.341 espectadores no país, de acordo com o site Filme B, especializado no mercado cinematográfico. Algumas dessas produções foram exibidas em drive-ins durante a quarentena ou em salas que já voltaram a funcionar em outras cidades.

Para se ter uma ideia da devastação causada pela pandemia, as 12 estreias corresponderam a 3,77% da renda e a 3,88% do público de Coringa, sucesso de bilheteria do ano passado. O longa de Todd Phillips que deu o Oscar de melhor ator a Joaquim Phoenix, lançado no país em 3 de outubro de 2019, foi visto por 9.889.471 espectadores, arrecadando R$ 158,49 milhões, de acordo com o Filme B.

SAÍDA Nesses sete meses, o jeito foi buscar novas telas. O lançamento mais aguardado de março – O oficial e o espião –, por exemplo, entrou em cartaz nas plataformas on-line. O longa rendeu a Roman Polanski, de 87 anos, o prêmio de melhor diretor concedido pela Academia Francesa de Filmes, apesar da intensa campanha contra ele devido à condenação por estupro nos anos 1970, caso ocorrido nos Estados Unidos. Em 1978, o cineasta se mudou para a Europa, fez acordo com a vítima, mas a polêmica voltou aos holofotes devido ao movimento Mee Too.

Em Belo Horizonte, o longa de Polanski chegou a ser exibido em salas do Cine Belas Artes, Diamond Mall e Ponteio. No Brasil, a bilheteria somou apenas R$ 234,8 mil, com público de 10.234 espectadores. O filme está disponível na Apple TV (R$ 14,90) e no Looke (R$ 4,99, aluguel; R$ 19,99 compra).

Entre as 12 estreias de março em BH, o maior número de exibições coube a Bloodshot, longa de Dave Wilson protagonizado por Vin Diesel. A história do ex-soldado em busca de vingança depois de ter sua memória apagada conseguiu arrecadar R$ 2,95 milhões no país, com 190,6 mil espectadores.

“Expulso” da telona – depois de estrear em 16 salas da capital mineira –, Vin Diesel está em cartaz na HBO GO. O filme também pode ser assistido nas plataformas Apple TV (R$ 44,90, compra), Google Play (R$ 24,90, compra), YouTube (R$ 29,90, compra), Looke (R$ 16,99, locação), Microsoft Play (R$ 33,90, compra) e UOL Play (R$ 15,90, locação).

O norueguês Terremoto iniciou sua temporada belo-horizontina em 14 salas. Abatido pelo coronavírus, o drama teve 32,6 mil espectadores e arrecadou R$ 519,8 mil no país. Em 4 de outubro, ele reestreou no Telecine Play. Também está disponível no Google Play (R$ 19,90, compra) e no Looke (R$ 9,99, locação; R$ 29,99 compra).

SURTO

Naquela fatídica semana de março, o brasileiro Solteira quase surtando, de Caco Souza, estreou em 12 salas – foi o quarto lançamento mais expressivo na capital. Estrelada por Mina Nercessian, a comédia sobre a moça às voltas com a menopausa precoce somou R$ 328,6 mil nas bilheterias do país, assistida por 19,7 mil pessoas.

Fechados os cinemas, o filme foi lançado no Net Now/Claro Vídeo (R$ 14,90, locação; R$ 29,90, compra), Apple TV/ iTunes (R$ 14,90 e R$ 29,90), Google Play (R$ 14,90, compra) e YouTube (R$ 14,90, compra).

Em Aprendiz de espiã, longa do diretor Peter Segal, um agente da CIA metido a durão (Dave Bautista) tem seu disfarce descoberto. Como punição, é incumbido de ensinar a Sophie (Chloe Coleman), de 9 anos, os segredos da espionagem. O “filme família” estreou em 11 salas de BH, mas nem esquentou lugar por causa do coronavírus. Desembarcou na Amazon Prime em 26 de junho, depois de arrecadar R$ 241,6 mil nas salas brasileiras. Só 15,2 mil espectadores puderam conferi-lo na telona.

A pandemia castigou a produção francesa As primeiras férias não se esquece jamais!. Lançado em apenas uma sala no Ponteio, o filme de Patrick Cassir não teve sorte no circuito nacional. A comédia sobre um casal que se conhece no Tinder e decide passar as férias junto foi assistida por apenas 489 pessoas nas salas de cinema, arrecadando R$ 7,36 mil. Restaram a ela as plataformas de streaming – Apple TV (R$ 14,90, compra), Google Play (R$ 14,90, compra) e Looke (R$ 9,99, locação; R$ 29,99, compra)

O longa nacional Disforia atraiu apenas 316 espectadores nas salas de cinema do país(foto: Sofá Verde/divulgação)
O longa nacional Disforia atraiu apenas 316 espectadores nas salas de cinema do país (foto: Sofá Verde/divulgação)

FRACASSO

Pior foi o destino do brasileiro Disforia, dirigido por Lucas Cassales. O thriller de suspense sobre um psicólogo às voltas com sensações estranhas ao atender garota misteriosa foi visto por apenas 316 espectadores no cinema, arrecadando R$ 4,7 mil. Em BH, mal ficou em cartaz no Belas Artes e no Shopping Cidade. O jeito foi migrar para a Amazon Prime Video. O longa também está disponível no YouTube (R$ 6,90, locação; R$ 24,90, compra).

Outro longa nacional prejudicado pela COVID-19 foi Fim de festa, dirigido por Hilton Lacerda. Em 12 de março, ele estreou no Shopping Ponteio, em BH. Foi visto por cerca de 3 mil pessoas no país, com bilheteria de R$ 60,8 mil. Agora, a trama sobre o brutal assassinato de uma jovem francesa no carnaval do Recife pode ser vista na Apple TV (R$ 7,90, locação; R$ 12,90, compra), Google Play (R$ 6,90 e R$ 19,90) e Looke (R$ 9,99 e R$ 29,99).

O francês Mulher, de Anastasia Mikova e Yann Arthus-Bertrand, foi lançado em apenas uma sala do Ponteio. No Brasil, somou apenas 289 espectadores, arrecadando R$ 5,2 mil. No documentário, agora disponível no Telecine Play, mulheres de 50 países discutem maternidade, educação, casamento, independência financeira e sexualidade.

Atração do Cine Belas Artes em março, Nóis por nóis, de Aly Muritiba e Jandir Santin, não teve melhor sorte. Estrelado por Ma Ry, Maicon Douglas e Otávio Linhares, foi o lançamento com a pior média de público nas salas do país, atraindo apenas 153 espectadores e arrecadando R$ 2.083. Coube à trama sobre uma festa de rap que muda a vida de quatro jovens tentar a sorte na Apple TV (R$ 14,90, locação; R$ 19,90, compra), Google Play (R$ 6,90 e R$ 19,90) e YouTube (R$ 6,90 e R$ 24,90).

Nóis por nóis, dirigido por Aly Muritiba e Jandir Santin, foi visto por apenas 153 pessoas em março (foto: Olhar Distribuição/divulgação)
Nóis por nóis, dirigido por Aly Muritiba e Jandir Santin, foi visto por apenas 153 pessoas em março (foto: Olhar Distribuição/divulgação)

TERROR

Dos 12 filmes lançados em março na capital mineira, A maldição do espelho e Doce entardecer na Toscana ainda não chegaram às plataformas. O primeiro, produção de terror russa dirigida por Aleksandr Domogarov, estreou em 15 salas da cidade. No país, foi visto por 107,9 mil espectadores e arrecadou R$ 1,57 milhão.

Drama assinado pelo polonês Jacek Borcuchor e exibido no Cine Belas Artes em março, Doce entardecer na Toscana atraiu 2,6 mil pessoas no país, com bilheteria de R$ 43,5 mil.

*Estagiário sob supervisão da editora-assistente Ângela Faria


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade