Publicidade

Estado de Minas LUTO NA MÚSICA

Músicos mineiros relembram parcerias com Gerson King Combo

Negoativo, da banda Berimbrown, e Rafael Carneiro, da Black Machine, detalham encontros, shows e gravações que tiveram com o James Brown brasileiro


24/09/2020 04:00 - atualizado 24/09/2020 11:02

Gerson King Combo acompanhado da banda Black Machine em show em BH, em dezembro de 2018. Último álbum de estúdio do cantor, Soul da paz (2009), foi gravado na capital mineira(foto: Wenderson Fernandes/Divulgação)
Gerson King Combo acompanhado da banda Black Machine em show em BH, em dezembro de 2018. Último álbum de estúdio do cantor, Soul da paz (2009), foi gravado na capital mineira (foto: Wenderson Fernandes/Divulgação)


''O Gerson King Combo tem uma imensa importância. Mandamentos black (lançada em 1977) era o anúncio do poder do povo negro''

Negoativo, fundador da banda Berimbrown



Morto aos 76 anos na noite de terça-feira (22) no Rio de Janeiro em decorrência de infecção generalizada e de complicações de diabetes, Gerson King Combo carregou títulos na história da música brasileira. Era chamado Rei do Soul brasileiro, ou o James Brown brasileiro, com seu vozeirão e figura marcantes. Nos shows, apresentava-se sempre com capa, chapéu e cetro, tal seu ídolo norte-americano.

Ganhou destaque no Brasil na década de 1970 com músicas de soul e funk e teve grande importância nos movimentos culturais negros da época. Com seus dois álbuns de 1977 e 1978 lançou músicas que viraram clássicos da música black brasileira, como Mandamentos black, Andando nos trilhos e God save the king.

Nascido em Madureira, onde viveu por toda a vida, Gerson era irmão do cantor Getúlio Côrtes, mais conhecido pela canção Negro gato, gravada por Roberto Carlos. King Combo iniciou a carreira fazendo dublagem no programa Hoje é dia de rock. Nos anos 1960, foi coreógrafo e dançarino do programa Jovem Guarda. Nos anos 1970, viveu seu auge, com o fenômeno dos bailes black.

Mas no período seguinte chegou a se afastar da música. Sua carreira só foi retomada no final dos anos 1990. Foi nesta época que King Combo se aproximou de uma banda recém-criada em Belo Horizonte, o Berimbrown. “Fiquei desconfiado de um mestre de capoeira querer fazer um negócio comigo. Pôxa, negão, ainda bem que você me ligou.” Ontem, quando ficou sabendo da morte de Gerson King Combo, um filme passou na cabeça de Negoativo, fundador da banda Berimbrown. Ele lembrou-se, inclusive, das palavras do mestre, “que gostava era de tomar sua cervejinha em Madureira”.

Em 1998, quando a banda mineira começou a trabalhar em seu primeiro álbum, Negoativo logo pensou em King Combo. “Não se falava mais dele na cena. Então, resolvi encontrar. Fui garimpando e levei dois meses até encontrar o telefone dele. Liguei e ele me disse que estava parado e eu consegui convencê-lo a vir para a minha casa para BH para gravar com a gente.”

A parceria, nascida da regravação do Berimbrown do hino Mandamentos black, com a participação do próprio King Combo, rendeu uma relação que se prolongou pelos anos 2000. Foram vários shows do Berimbrown com ele, no Rio e em São Paulo. O último álbum de estúdio do cantor, Soul da paz (2009), foi gravado em BH, no Bairro 1º de Maio, onde fica o QG do Berimbrown.

“O Gerson King Combo tem uma imensa importância. Mandamentos black (lançada em 1977) era o anúncio do poder do povo negro”, continua Negoativo. A relação do soulman com Belo Horizonte foi além do Berimbrown. Em 2013, ao completar 70 anos, King Combo foi o homenageado de uma edição do projeto Soul do Morro. Apresentou-se ao lado de Flávio Renegado e Cubanito na quadra da Escola de Samba Cidade Jardim.

''Já pensava em lançar um registro ao vivo (do show de 2018 em BH), agora vou acelerar o processo como uma homenagem ao Gerson''

Rafael Carneiro, guitarrista da Black Machine


ADEUS EM BH

O soulman também teve um encontro com a banda Black Machine. Em dezembro de 2018, o grupo mineiro foi a banda que o acompanhou no baile Soul da Amizade, organizado em um estacionamento na Rua Tupis, no Centro de BH. “O Gerson veio dias antes, o buscamos no aeroporto e foi aquela amizade rápida, já que todos temos um passado com muita coisa em comum”, relembra Rafael Carneiro, guitarrista da Black Machine.

Na época, a Black Machine estava preparando um álbum. Aproveitando sua presença, o grupo o convidou para gravar a canção Falou e disse. O show de 2018 também foi gravado, conta o guitarrista. “Já pensava em lançar um registro ao vivo, agora vou acelerar o processo como uma homenagem ao Gerson”, ele conta.

A Black Machine não voltou a se encontrar com King Combo depois daquele dezembro de 2018. Mas o cantor, um ano mais tarde, no lançamento do álbum Respeite o funk!, mandou seu recado. “A gravação da faixa Falou e disse foi daquelas que te deixam completamente à vontade. Tanto é que da segunda vez que gravamos a faixa já estava valendo, é a que ficou no disco! Sem regravar, voltar, nada! Rolou direto, brother!” (Com agências)


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade