Publicidade

Estado de Minas

Documentário revela como atores do Galpão "sobreviveram" a` pandemia

Éramos um bando, lançado nesta segunda, mostra fracassos e encantos do grupo que teve que se adaptar ao universo virtual para continuar fazendo teatro


21/09/2020 04:00

Cenas de Éramos um bando, que será lançado nesta segunda e segue em cartaz até 4 de outubro. Documentário tem direção de Marcelo Castro, Vinicius de Souza e Pablo Lobato (foto: FOTOS: AndrÉ Baumecker/DivulgaÇÃO )
Cenas de Éramos um bando, que será lançado nesta segunda e segue em cartaz até 4 de outubro. Documentário tem direção de Marcelo Castro, Vinicius de Souza e Pablo Lobato (foto: FOTOS: AndrÉ Baumecker/DivulgaÇÃO )
Assim como os shows, o teatro também não pode parar. E, em tempos de pandemia, o Grupo Galpão foi procurando se reinventar, aderindo à modernidade das plataformas digitais e promovendo diversas lives ao longo da quarentena. E desta vez, em parceria com a distribuidora Embaúba Filmes, o Galpão lança nesta segunda-feira (21), às 19h, o documentário Éramos um bando, que traz os desafios e descobertas de um grupo que se viu obrigado a se adaptar ao universo virtual para continuar existindo.

O projeto foi dirigido pelos diretores de teatro Marcelo Castro e Vinicius de Souza, e de vídeo e cinema Pablo Lobato. O filme registra o empenho dos atores Eduardo Moreira, Inês Peixoto, Lydia Del Picchia, Teuda Bara, Antonio Edson, Paulo André e Júlio Maciel, que continuaram exercendo o ofício teatral em meio à quarentena, utilizando suporte digital.

Em exibição até a meia-noite de 4 de outubro, o média-metragem pode ser visto gratuitamente pelo YouTube. O nome do filme, Éramos um bando, deriva do poema Crepuscular, do poeta Paulo Henriques Britto, cujo texto diz que “nosso tempo é pouco, que toda palavra já foi dita e há que ser dita outra vez”.

Vinicius conta que ele e Marcelo começaram um processo com o Galpão para dirigir uma peça que já vinha de um experimento que eles haviam feito quando selecionaram uma série de poemas da nova poesia brasileira, de poetas contemporâneos vivos. “Tratava-se de levar essas poesias para cena, pensar como poderiam habitá-la. Mostramos esse experimento ao público no ano passado e tivemos bom retorno. Resolvemos dar sequência ao projeto e começamos a criar e produzir o espetáculo.”

O diretor lembra que o grupo resolveu então seguir com o espetáculo e a pesquisa. “O nome dele é Quer ver escuta, fazendo referência a um dos poemas que selecionamos e estavam sendo performados em cena. No primeiro momento, procuramos entender qual era a situação, pois não sabíamos quanto tempo duraria o isolamento social.”

Ele ressalta que os diretores e atores pensaram em alguma maneira de dar sequência ao projeto. “Pensamos como poderíamos manter criativamente o trabalho, mas que não fosse por via presencial, utilizando elementos e recursos que já estávamos pesquisando em salas de ensaio. Deixamos claro para a Secretaria Municipal de Cultura,  que havia nos convidado para fazer um espetáculo virtual, de que não se tratava da estreia de Quer ver escuta. Então, resolvemos chamar o Pablo Lobato, que é diretor de cinema, porque sabíamos que iríamos precisar de alguém que entendesse mais de audiovisual.”

Vinicius detalha que atores e diretores começaram então uma dinâmica que era fazer ensaios virtuais. “Neles, começávamos a testar as poesias, pois era um primeiro momento no qual os atores estavam experimentando a linguagem virtual. Não sabíamos se era teatro, cinema, videoarte ou material para a internet. Estávamos todos entendendo um pouco essa linguagem.”
 (foto: )
(foto: )

No decorrer do processo, o diretor relembra que o grupo foi entendendo que se tratava de um documentário. “Uma espécie de crônica, um retrato do nosso tempo. Vimos que, mais do que tentar finalizar ou acabar algum trabalho a partir dos poemas, aquilo poderia estar junto de um retrato da experiência real que todos nós estávamos vivendo. Aliás, não somente nós, mas uma série de outros grupos. Fomos entendendo, ao longo do tempo, que seria feito um filme, porém não sabíamos se seria curta ou longa, mas acabou como média-metragem.”

Éramos um bando retrata, segundo Vinicius, o que é o grupo, que tem quase 40 anos de trabalho coletivo, presencial, uma longa história. “O filme mostra como é o Galpão e seus atores, que têm mais de 50 anos, como é estar frente a uma pandemia, a imposição de ter que se expressar e comunicar através de uma mídia virtual que, para muitos, era algo novo, que é conversar com uma câmera e o encontro através das plataformas.”

DESCOBERTAS
Vinicius ressalta que o forte do documentário foi conseguir fazer um retrato desse momento. “Está todo mundo engatinhando, descobrindo algo. E essa descoberta, obviamente, tem encantos, emoções, mas também durezas, dificuldades e tropeços. Então, é um filme que também não tem nenhum intuito de esconder os fracassos, surpresas e encantos deste momento que estamos vivendo, que é transitório e novo pra todos. Falo isso no campo da linguagem, com os atores experimentando algo novo. Estavam todos acostumados com o teatro de rua, um contato forte com as pessoas e a cidade e, de repente, têm que trabalhar frente a uma câmera.”

Segundo o diretor, na gravação dos ensaios, outros temas foram aparecendo, sobretudo aqueles que não dizem respeito tão somente aos artistas, mas ao contexto do mundo. Vinicius ressalta que o lançamento do documentário significa tanto para os diretores quanto para o Galpão uma obra para gerar motivação, esperança e resistência para o nosso tempo. “Para nós, o filme tem esse significado, um desejo de nos mantermos de pé e desejosos da criação, mesmo em tempos tão sombrios, no sentido sanitário, social e político. Ele é também o nosso grito de sobrevivência e resistência.”

ÉRAMOS UM BANDO
Filme documentário com o Grupo Galpão. 
Estreia nesta segunda-feira (21), às 19h, com transmissão gratuita pelo YouTube (www.youtube.com/grupogalpao).  

Do desespero a novas formas de expressão e contato

Paulo André, Antônio Edson, Inês Peixoto, Lydia Del Picchia, Eduardo Moreira, Júlio Maciel e Teuda Bara: atores do Galpão em
Paulo André, Antônio Edson, Inês Peixoto, Lydia Del Picchia, Eduardo Moreira, Júlio Maciel e Teuda Bara: atores do Galpão em "tentativa desesperada" de entenderem o mundo virtual (foto: Mateus Lustosa/Divulgação)
A atriz Lydia Del Picchia conta que quando o Galpão se viu obrigado a parar, em março, o grupo estava às vésperas de se apresentar no Festival de Teatro de Curitiba. “Estávamos ensaiando o espetáculo Quer ver escuta, com direção de Marcelo Castro e Vinicius de Souza, sobre a poesia contemporânea brasileira. Estávamos caminhando para a finalização dele quando começou a pandemia.”

Lydia lembra que o Galpão decidiu então tentar trabalhar virtualmente. “Seria um trabalho até quando voltássemos, pois o espetáculo tinha que estar aquecido, para não começarmos novamente da estaca zero, e poder estrear o mais rápido possível. A primeira tentativa foi de nos mantermos coletivamente conectados ao espetáculo e até mesmo para fazer algum ensaio. Achávamos que conseguiríamos ensaiar pela plataforma Zoom, mas não era tão fácil quanto nos parecia.”

A atriz conta que foram muitas as dificuldades. “Esse primeiro momento foi caótico, porque havia atores que não tinham a menor intimidade com o computador. Então, Éramos em bando é o registro daquele momento e acho que esse é o grande mérito dele. Ele nos pegou num primeiro contato com as plataformas, tentando ainda manter algo que achávamos que poderia voltar a ser normal.”

Lydia ressalta que o documentário é um rastro do que eles estavam fazendo e uma tentativa desesperada de eles entenderem o mundo virtual. “Quando percebemos que não conseguiríamos fazer um espetáculo, pensamos em convidar alguém de audiovisual para nos ajudar a finalizar, porque não estávamos conseguindo ir a lugar nenhum. Foi aí que o Marcelo e o Vinicius resolveram chamar o Pablo Lobato. “Quando ele viu o material, disse: ‘Vocês não têm um espetáculo, mas têm um material incrível nas mãos, um filme documentário’. E foi a partir daí que a coisa começou a se configurar como um filme que, a princípio, era uma tentativa de espetáculo. Com a chegada de Pablo, entendemos o que poderia ser feito com aquele material.”

DESAFIOS 
Para a atriz, Éramos um bando é um retrato muito próximo do que toda uma geração está passando. “Não só uma geração, mas acredito que toda a classe artística passou por esse susto, essa inabilidade neste primeiro momento, que era lidar com uma plataforma que nos assustava e que nos fazia pensar que aquilo não tinha nada a ver com o teatro e que não iríamos conseguir fazer. Era quase que uma barreira intransponível, mas fomos percebendo que, obviamente, aquilo não substituiria o presencial, mas veríamos que poderiam existir possibilidades de descobrirmos formas de expressão e contato.”

Lydia conta que o filme se desenvolve nesses momentos de desafios e descobertas. “Costumo dizer que é o ensaio sobre o desespero e o fracasso, porque o que mais fizemos foi fracassar nas tentativas. Quando decidimos que queríamos fazer o registro, que iríamos finalizar o trabalho, foi muito bom. É um registro intenso, porque nos encontrávamos todas as tardes com exercícios, estímulos e provocações. O filme é um registro disso tudo.”  


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade