Publicidade

Estado de Minas SÉRIE

'GDLK' revela os bastidores da competitiva indústria de games

Em seis episódios, minissérie conta a história dos jogos eletrônicos, do Space Invaders e do Pac-Man à League of Legends. A diretora francesa France Costrel destaca a presença feminina no setor


23/08/2020 04:00

Gail Tilden, vice-presidente de gestão da Nintendo, destaca o papel das mulheres na indústria de games(foto: Netflix/divulgação)
Gail Tilden, vice-presidente de gestão da Nintendo, destaca o papel das mulheres na indústria de games (foto: Netflix/divulgação)
Modernos e superpopulares, com gráficos de altíssima qualidade e campeonatos milionários transmitidos pela TV, os videogames tiveram que “passar de fase” várias vezes até chegar à posição atual. Essa história de transformações e invenções é contada em GDLK: High score. A nova série documental da plataforma Netflix revela um pouco os bastidores da paixão de tantas gerações, que alimenta uma indústria poderosa e competitiva.

Criada e dirigida pela francesa France Costrel, a produção de seis episódios começa por uma viagem aos anos 1970, apresentando Tomohiro Nishikado. Se os concorridos campeonatos de games contemporâneos como League of Legends consagram equipes e atraem a atenção de milhões de fãs, muito se deve a esse “herói japonês”, criador do Space Invaders, sucesso em sua época e responsável por revolucionar os jogos eletrônicos.

CORRIDA 
Além de explicar como concebeu os invasores alienígenas que deveriam ser alvejados pelo jogador nas máquinas de fliperama, por meio da estrutura gráfica de bits que hoje parece totalmente ultrapassada, Nishikado aponta o fator que teria detonado a corrida sem fim pela inovação no setor. Justificando seu título, a série mostra, logo no primeiro capítulo, como os sistemas de pontuação impulsionaram transformações ao permitir que jogadores superassem as próprias marcas ou as dos outros.

O game foi comprado pela icônica marca Atari, quadruplicando as vendas do console nos Estados Unidos. Ainda que a estrutura seja simples se comparada à complexidade dos games atuais, ele abriu um leque de possibilidades para a indústria que começava a se desenvolver.

O seriado apresenta outros pioneiros, como Doug Macrae, que abandonou os cursos de engenharia mecânica e economia no Massachusetts Institute of Technology (MIT)), no fim dos anos 1970, para montar uma espécie de empresa de fliperamas dentro do campus.

A princípio, a ideia era apenas lucrar com moedas inseridas nas máquinas, mas logo ele e os amigos viram a possibilidade de arrecadar muito mais, caso alterassem a dificuldade dos games. E assim fizeram com o popular Missile Command. Logo surgiu a empresa dedicada a esse serviço, alvo de processo da Atari, que, posteriormente, tornou-se parceira de Macrae para desenvolver novos games.

O caminho de inovação, iniciado nos anos 1970, abarca nomes conhecidos até mesmo por quem não tem intimidade com videogames. É o caso do Pac-Man, inventado pelo japonês Toru Iwatani com a proposta de, cada vez mais, desafiar os jogadores.

O jogo se tornou fenômeno mundial – inclusive foi transportado para outras mídias, como música e TV. Na série, Iwatani revela o que o inspirou a criar o personagem.

Na sequência de episódios, GDLK: High score avança na linha do tempo, mostrando como o reinado hegemônico do Atari foi desconstruído com a expansão da Nintendo e da Sega, com os títulos clássicos Donkey Kong, Mortal Kombat e Street Fighter. Aspectos como a trilha sonora dos games e as mentes criativas por trás de tudo isso são abordados nessa história, que vai até o surgimento dos games para PC e os do estilo RPG, responsáveis por abrir novas possibilidades narrativas. Um deleite nostálgico para os amantes de games que cresceram nos anos 1980 e 1990. O filão, aliás, é muito explorado pela Netflix em outras produções, inclusive ficcionais, como Stranger things.

Lidar com um assunto que, embora lúdico, desperta sentimentos, torna a produção vulnerável a críticas. Em algumas publicações estrangeiras, houve quem não perdoasse a série por ignorar jogos tidos como pilares da história dos videogames, como Tetris. Mas vale destacar: ao abordar um setor marcado por preconceitos e suposta predominância masculina, a diretora France Costrel deu ao seriado a perspectiva de inclusão e diversidade.

TRANSEXUAL 
Entre os personagens está a transexual Rebecca Heineman, programadora e designer de videogames – a primeira pessoa a vencer um campeonato nacional de Space Invaders nos EUA. Em entrevista, ela fala sobre a importância dos games para lidar com questões pessoais e de gênero em sua adolescência.

Há também depoimentos de descendentes do engenheiro elétrico Jerry Lawson (1940-2011), responsável pela criação dos cartuchos – invenção que mudou o patamar da comercialização de games. Ele é apontado pela família como um dos raros afro-americanos que trabalharam no Vale do Silício nos anos 1970.

Em outra entrevista, Gail Tilden, gerente de publicidade que se tornou vice-presidente de gestão da Nintendo nos EUA, figura decisiva para a evolução da marca, destaca o protagonismo feminino nesse contexto.

GDLK: HIGH SCORE
Direção: France Costrel
Série documental
Seis episódios
Disponível na Netflix




receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade