Publicidade

Estado de Minas MULTIARTISTA

Otto pinta quadros e anuncia sua primeira live para 15 de agosto

Cantor e compositor pernambucano se dedica à pintura, enquanto prepara show ao vivo para o próximo sábado, finaliza livro e planeja o disco experimental 'Canicule'


10/08/2020 04:00

Otto está gravando o disco experimental Canicule, com sonoridade garage band(foto: Hugo Sá/divulgação)
Otto está gravando o disco experimental Canicule, com sonoridade garage band (foto: Hugo Sá/divulgação)
Inquieto, o cantor e compositor Otto não se limitou à música nesses meses de confinamento social e pandemia. Ele voltou a pintar, atividade que iniciou aos 16 anos. E já tem um livro pronto.
As artes plásticas sempre fizeram parte da vida de Otto. “Pinto desde cedo. Porém, vivi vários ciclos, parava e voltava. Aquilo era uma espécie de terapia muito boa para mim”, conta. Há oito meses, ele decidiu se dedicar com mais afinco aos quadros.
 
“Peguei o material e comecei novamente. Aí, veio a pandemia e acabei ficando mais focado na pintura  do que em cantar. Devo ter perto de 130 quadros prontos, uma produção maluca que baixou em mim de uma hora para outra”, revela. “Descobri que, assim como na música, posso colocar o que penso na tela, reproduzir o meu pensamento.”
 
Arte abstrata é uma das paixões do artista pernambucano(foto: Hugo Sá/divulgação)
Arte abstrata é uma das paixões do artista pernambucano (foto: Hugo Sá/divulgação)
A pandemia fez com que Otto percebesse melhor a sua relação com o tempo. “Aumentou o meu foco”, comenta. Agora, ele deseja expor os novos trabalhos. “Já emoldurei alguns quadros, tudo bem profissional, muito bacana. Vou mostrá-los ao público. Faço arte abstrata, acho que são mapas de algum lugar dentro da minha mente.”
 
A pintura vem ajudando o cantor e compositor a enfrentar estes dias difíceis, em que mais de 100 mil brasileiros morreram de COVID-19. “Talvez pintar seja uma saída legal para este momento e para a minha vida, uma vez que já estou com 52 anos. Acredito que vou levar a pintura pelo resto da minha vida. São coisas que vamos aprimorando com o tempo”, observa.
 
“Estou curtindo muito. A pintura começou a dar as respostas que a música sempre me deu,  que escrever também me dá. É como escrever, algo que amo tanto”, compara.
 
Otto diz que quadros são como mapas de sua mente(foto: Hugo Sá/divulgação)
Otto diz que quadros são como mapas de sua mente (foto: Hugo Sá/divulgação)
Os trabalhos de Otto exibem tonalidades vibrantes. “Trabalho com o abstrato e tenho preferência pelo vermelho, o rosa. Vou dando uma misturada nessas cores mais primárias. Muitos dizem que se sentem bem, que sentem alegria quando vêem meus quadros”, comemora ele, fã também do amarelo.

DISCO A pintura é antiga paixão, mas Otto avisa que continua se dedicando à música e planeja lançar um disco experimental. A data não foi marcada. “Será em breve”, diz. No próximo sábado (15), às 20h, ele fará live, transmitida via Instagram e Facebook.
 
“A pandemia está sendo dura para quem faz arte, mas estou feliz, porque continuo fazendo muitas coisas. Por outro lado, vou me adaptando a esses tempos de agora. Sou uma pessoa ligada ao público”, comenta. “Faço a primeira live no dia 15 e talvez outras mais adiante. De mais, me resta esperar o dia em que tudo voltará ao normal, porque está estranho. Aliás, o Brasil ficou estranho, obscuro demais, mas alguma lição vamos ter de tirar desse momento tão específico.”
Otto também anuncia um novo livro, que deve sair pela Impressões de Minas, editora de Belo Horizonte. “Está faltando apenas acertar o contrato. A obra está pronta, na “boneca”, e é uma homenagem ao escritor norte-americano Paul Auster.” O título é Meu livro vermelho.

BH Os mineiros, aliás, já estão na agenda de Otto. “Com certeza, vou a Minas para lançar o meu livro e aí levo os quadros comigo. Gosto muito de BH, onde tenho um público grande e até certa intimidade com a cidade, o estado e a cultura mineira. Dentro desse meu universo trago um pouco de Minas comigo”, garante.
 
O novo disco vai se chamar Canicule, “palavra em francês oriunda do latim, que designa uma onda forte de calor”, explica o compositor. O álbum terá a sonoridade garage band. “Toco todos os instrumentos pelo celular, por meio de um aplicativo que permite a formatação das músicas como se eu estivesse em um estúdio de gravação.”
 
Se a pandemia impõe limitações profissionais a músicos como ele  – impedidos de fazer shows e do contato direto com o público –, Otto diz que, em termos artísticos, as perspectivas lhe são favoráveis.
 
“Estou aqui com tudo engatilhado. Aos 52 anos, chegou um momento da minha vida em que não tenho mais o que fazer, a não ser arte e mostrar a minha cara. Estou numa fase madura e quero aproveitar muito esse tempo. Quero me desdobrar em outras coisas. Nunca parei e não vou parar agora, pois estarei sempre encontrando maneiras de distribuir o que vem na minha cabeça”, diz.
“Estou com quatro coisas que quero mostrar para as pessoas durante essa pandemia: os quadros, o disco, o livro e as lives”, conclui.
 
OTTO LIVE SHOW
Sábado (15), às 20h, no Instagram 
(@ottomatopeia) e YouTube (/bolandomusica)

PINTURAS
O cantor exibe seus quadros em posts no Instagram (@ottomatopeia) 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade