Publicidade

Estado de Minas EXPLODE, CORAÇÃO

Sucesso de 'Ghost' teve outras encarnações no cinema

Nos 30 anos de lançamento do filme sobre um amor 'além da vida', confira outros exemplos de relações românticas (quase) impossíveis na telona


23/07/2020 04:00 - atualizado 22/07/2020 22:35

Demi Moore e Patrick Swayze interpretaram o casal de protagonistas no longa que ganhou dois Oscars e alavancou suas carreiras em Hollywood(foto: PARAMOUNT PICTURES/Divulgação)
Demi Moore e Patrick Swayze interpretaram o casal de protagonistas no longa que ganhou dois Oscars e alavancou suas carreiras em Hollywood (foto: PARAMOUNT PICTURES/Divulgação)
Um homem jovem, bem-sucedido e dando o primeiro passo para um relacionamento sério é morto durante um estúpido assalto em Nova York. Só que seu espírito retorna e ele descobre que sua morte tem implicações maiores. Para ajudar a namorada em seu luto, ele recorre a uma vidente picareta, a única pessoa viva com quem consegue se comunicar.

Essa sinopse mais parece a de um filme B. E até poderia ser, não fosse o carisma dos atores e a engenhosidade com que a narrativa do drama romântico Ghost – Do outro lado da vida foi construída. Trinta anos depois de seu lançamento, o longa-metragem de Jerry Zucker estrelado por Patrick Swayze e Demi Moore ainda conquista corações. 

Com forte presença nas plataformas de streaming, o filme envelheceu bem, a despeito de retratar uma situação para lá de inverossímil e ter efeitos especiais que hoje qualquer garoto pode fazer no computador. 

Um amor tão forte que transcende a própria vida é um tema universal. Esta pode ser uma das explicações para o sucesso do longa. Ghost, que venceu dois Oscars (atriz coadjuvante para Whoopi Goldberg e roteiro original para Bruce Joel Rubin) dos cinco a foi indicado, tinha tido um lançamento sem muita expectativa no verão do Hemisfério Norte – no Brasil, só chegou em novembro.

RENDA A produção custou US$ 22 milhões e arrecadou, em todo o mundo, US$ 506 milhões de bilheteria. Mas não é só o tema que encanta. Mesmo revendo três décadas mais tarde, o filme é capaz de fazer rir e chorar em igual medida. Traz drama, mistério, humor e algumas sequências antológicas. 

O momento em que Sam Wheat (Swayze) e Molly Jensen (Moore) namoram e se lambuzam durante a feitura de um vaso de cerâmica ao som de Unchained melody é a grande cena do filme. Na época, para quem tem boa memória, a gravação dos Righteous Brothers foi executada nas rádios e festas à exaustão.

Swayze e Moore já eram nomes populares entre o público jovem, graças a Dirty dancing (estrelado por ele, em 1987, outro sucesso inesperado) e O primeiro ano do resto de nossas vidas (1985) e Sobre ontem à noite (1986, ambos êxitos dela). 

Mas Ghost, que foi além das plateias juvenis, colocou a dupla de atores em outro patamar. Demi Moore foi uma das atrizes mais procuradas do cinemão americano dos anos 1990. Swayze, que morreu em 2009, em decorrência de câncer, nunca conseguiu suplantar o sucesso dos filmes românticos.

Com timing impecável, Whoopi Goldberg rouba a cena em vários momentos como a golpista Oda Mae Brown, que, no fim das contas, era realmente uma vidente. As cenas da personagem assinando um cheque de US$ 4 milhões em um banco e tendo que entregar a fortuna para um grupo de feiras é sensacional. Há até discretos momentos críticos, quando a personagem assiste com as irmãs ao programa de Arsenio Hall. “Não, sua televisão não está ruim, sou negro mesmo”, ele diz.

Assistir a Ghost hoje nos faz ainda perceber como as narrativas românticas foram escanteadas por Hollywood em tempos mais recentes. Ainda que tenham sido uma marca dos anos 1990, as tramas amorosas (dramas ou comédias) comerciais de hoje em dia estão basicamente relegadas a uma produção B. 

GHOST – DO OUTRO LADO DA VIDA
Onde assistir: Amazon Prime Video, Google Play, Netflix, Now, YouTube

EXPLODE, CORAÇÃO

Confira outros títulos com histórias de amor improváveis

(foto: Califórnia Filmes/Divulgação)
(foto: Califórnia Filmes/Divulgação)

» Quem você pensa que sou (2019)

Professora de meia idade, Claire Millaud (Juliette Binoche) decide criar um perfil falso no Facebook. Na rede social ela é Clara, uma jovem de 24 anos. Começa a se relacionar com Alex (François Civil), também jovem, que acaba se apaixonando pelo avatar. Claire cai de amores por Alex, mas a situação virtual se torna impossível no mundo real, é o que o thriller psicológico revela.
Onde: Google Play, Looke, Now

(foto: Sony PicturesDivulgação)
(foto: Sony PicturesDivulgação)

» Blade runner 2049 (2017)

Trinta e cinco anos após o filme original e sob a batuta de novo diretor (Denis Villeneuve no lugar de Ridley Scott), a narrativa futurista coloca um novo policial (papel de Ryan Gosling) em busca do antigo caçador de androides (Harrison Ford). Seu desaparecimento há décadas tem uma explicação para lá de apaixonada. Melhor não entregar mais para quem não viu a sequência, que recupera, através de um cuidadoso trabalho de efeitos especiais, uma personagem essencial do primeiro filme.
Onde: Itunes, GooglePlay

(foto: Sony PicturesDivulgação)
(foto: Sony PicturesDivulgação)

» Ela (2013)

Neste filme de Spike Jonze ambientado em Los Angeles, o solitário escritor Theodore (Joaquin Phoenix) compra um novo sistema operacional para o seu computador. Surpreendentemente, ele acaba se apaixonando pela voz deste programa, uma entidade intuitiva e sensível chamada Samantha (papel de Scarlett Johansson). 
Onde:  Globoplay, Google Play, Looke, Now

(foto: Netflix/Divulgação)
(foto: Netflix/Divulgação)

» Volto já (2013)

O episódio da segunda temporada da série britânica Black mirror acompanha uma jovem viúva que não consegue lidar com a dor do luto. Ela acaba entrando em um serviço virtual que coloca as pessoas em contato com seus parentes mortos. Isto acontece por meio de um algoritmo que recria as falas, fazendo um apanhado de todas as interações que a pessoa teve em vida na internet. Só que o contato de voz acaba não bastando para a viúva, que adquire uma versão mais evoluída do serviço. 
Onde: Netflix

(foto: MGM/Divulgação)
(foto: MGM/Divulgação)

» A rosa púrpura do Cairo (1985)

Mia Farrow é Cecilia, uma garçonete solitária da época da Grande Depressão, presa a um casamento infeliz. Ela foge da vida sem graça no cinema, que frequenta sem parar. Em um belo dia, seu galã preferido (papel de Jeff Daniels) sai da tela e entra em sua vida, em carne e osso. Ótima comédia romântica que ainda nos faz lembrar dos bons frutos do polêmico e desastroso casamento da atriz com Woody Allen.
Onde: Itunes


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade