Publicidade

Estado de Minas OBRA DO MEDO

Editora cria prêmio de R$ 100 mil para incentivar produção de terror

Contexto da pandemia ressaltou o consumo de histórias que têm ameaça e pavor como elementos essenciais. Concurso da Darkside tem inscrições abertas até setembro


19/07/2020 04:00

Para quem se dedica à atividade criativa, receber um prêmio financeiro para viabilizar um projeto geralmente é encarado como a “luz” que faltava. A editora Darkside adota essa estratégia, mas quer fazer surgir um universo de sombras com o recém-lançado Prêmio Machado de Literatura, Quadrinhos e Outras Narrativas, dedicado a impulsionar a publicação de histórias apavorantes.

“A arte é seiva do céu e das sombras. Novos nomes da literatura, dos quadrinhos e de todas as possibilidades artísticas que brotam das palavras surgem em um momento de transformação. Diante deste novo mundo, devemos gritar, devemos criar, riscar antigos ideais e mudar o agora”, assim é anunciada a campanha, que distribuirá um total de R$ 100 mil para produções relacionadas ao terror e à fantasia em cinco diferentes linguagens: romances e contos; quadrinhos; obras de não ficção; outras narrativas, categoria que contempla audiovisual, podcasts, poesia, prosa, teatro, música, roteiros, exposições virtuais, reportagens, ensaios, jogos e outras ideias; além de uma última dedicada a conferir mentoria a projetos já iniciados, mas ainda não concluídos.

“É um momento delicado do país, no qual não temos nenhum tipo de apoio focado na cultura, no universo artístico. Neste período da pandemia, essa fragilidade é ainda maior. Esse foi um feedback que recebemos dos nossos próprios leitores. Há muita gente precisando de um estímulo para voltar a escrever e acreditar que a arte é transformadora para o ser humano. Ouvimos muitos relatos sobre a angústia do confinamento. Foi por isso que colocamos esse prêmio no ar”, afirma Christiano Menezes, diretor editorial e sócio da Darkside, sobre essa que é a primeira edição do prêmio.

As inscrições estão abertas e podem ser feitas até o dia 29 de setembro pelo site www.premiomachado.com.br. São gratuitas e devem conter o arquivo da obra concorrente completa, em PDF ou formato adequado no caso das narrativas audiovisuais, atendendo aos critérios do regulamento, disponíveis no site. Lembrando que o concurso é dedicado a obras inéditas ou em desenvolvimento, na categoria específica de projetos. O resultado sai no dia 13 de novembro, e a obra vencedora em cada categoria recebe R$ 20 mil, além de publicação pela editora no caso das já finalizadas.

“Nosso foco é bem específico e envolve terror, fantasia e suspense. Dentro desse universo que trabalhamos. A ideia é fomentar e apoiar tanto quem tem projeto mais maduro ou pronto, quanto quem não conseguiu concluir, para ter o encaminhamento final”, diz Menezes.

RETOMADA  

Segundo o diretor, o período de isolamento imposto pela pandemia do novo coronavírus foi muito frutífero para a produção literária independente, o que aumenta as expectativas em relação ao concurso. “Vi muita gente revisitando álbum da família, reativando o antigo diário, um projeto que parou, tendo contato com os antigos contos. Houve um resgate de muita coisa, todo mundo ficou confinado, mas teve a oportunidade de retomar coisas que gostaria de ter feito. Isso tudo foi se juntando nesse período e nos empolgou a fazer o prêmio.”

O nome da premiação é referência direta ao grande escritor da língua portuguesa Machado de Assis (1839-1908), que de acordo com Christiano Menezes “tem um pé no fantástico”. Ele cita que a Darkside, fundada em 2012, lançou no ano passado a coletânea Medo imortal (464 páginas, R$64,90), que reúne publicações de tom aterrorizante escritas por alguns grandes nomes da literatura nacional, como Aluísio de Azevedo, Bernardo Guimarães, Coelho Neto, Fagundes Varela, Humberto de Campos, João do Rio, Julia Lopes de Almeida, Álvares de Azevedo e também Machado de Assis. “É um recorte dos principais autores nacionais que deixavam um pouco escondido esse lado”, comenta.

Em tempos de apreensão em todo o mundo por causa do novo coronavírus, a possibilidade de um impulso à literatura dedicada ao medo é um alento para os fãs do gênero. Apostando nessa tendência, a editora Pipoca e Nanquim lançou no mês passado a antologia Fronteiras do além (132 páginas, R$ 69,90), que reúne todos os quadrinhos feitos pelo artista luso-brasileiro Jayme Cortez (1926-1987), vencedor do Prêmio Jabuti, em 1969, pela capa da obra Barro blanco.

A coleção inclui HQs publicadas em revistas de referência no estilo durante o século 20, como O Terror Negro, Calafrio e Mestres do Terror, além de capas, outras ilustrações e depoimentos de outros artistas.

Recentemente, as editoras Ex Machina, Clepsidra e o Fantasticursos anunciaram uma parceria para produzir a coletânea Contos clássicos de fantasma, que reúne 26 títulos nacionais e estrangeiros marcantes para a história desse filão literário. A campanha de financiamento coletivo está em fase final, e a edição deve chegar ao mercado em breve.

Comic Con será virtual

Maior evento dedicado ao universo dos quadrinhos, fantasia, ficção e cultura pop do Brasil, a Comic Con Experience, marcada para dezembro, em São Paulo, anunciou que a edição 2020 será totalmente on-line. A decisão se dá em função da pandemia do novo coronavírus, já que a realização do evento implica grande aglomeração em lugar fechado. Em 2019, foram 280 mil visitantes em quatro dias de feira.

No comunicado sobre a decisão, a organização da CCXP afirmou: “Torre de controle para Tardis, Enterprise, Jupiter 2, Millennium Falcon e sala de estar do apartamento 467. Previsão de partida: aproximadamente 5 meses. Destino: todos os mundos. Vem aí a #CCXPWorlds, uma CCXP com tudo o que a CCXP tem, mas 100% virtual. Novidades em agosto”.

A cada edição, a CCXP reúne em São Paulo grandes artistas de Hollywood e personalidades internacionais ligadas ao universo dos quadrinhos, para encontro com os fãs e também divulgação de novidades. Ainda será informado em quais condições isso ocorrerá na versão virtual. Porém, será possível ter uma ideia ainda neste mês, quando a San Diego Comic-Con, maior evento do mundo no gênero, ocorrerá nesse formato, com o nome Comic-Con@Home,  da próxima quarta (22) até o dia 26. A programação está disponível em www.comic-con.org.

Campanha arrecada verba para autores

Plataforma de financiamento coletivo, a Catarse lançou na semana passada uma campanha para apoiar autores, editores e livrarias durante a pandemia. Os interessados em participar da seleção podem se inscrever até o próximo dia 31, na página do projeto. No caso de editora, ela deve ter pelo menos um ano, não pode estar recebendo patrocínio de empresas e seu faturamento não pode ultrapassar R$ 300 mil por ano.
As livrarias que quiserem se inscrever também devem ter pelo menos um ano de vida, no máximo uma loja física e/ou virtual, não podem fazer parte de nenhuma rede, não podem estar recebendo patrocínio de empresa e também têm que ter um faturamento de até R$ 300 mil.
Já no caso de autores, eles devem ter se lançado no mercado há no mínimo um ano, devem ter publicado, no formato impresso ou digital, de forma independente ou por meio de uma editora também independente, pelo menos uma obra inédita nos últimos 12 meses e devem ganhar até R$ 81 mil por ano.

A meta é arrecadar R$ 750 mil até o dia 19 de agosto, quando o valor será distribuído entre aproximadamente 150 selecionados. Os contemplados vão receber doações em dinheiro (R$ 2 mil para autores e R$ 5 mil para editoras e livrarias) e em serviços de fornecedores parceiros. O +Livros já conta com o apoio de empresas como Amazon, Antofágica, TAG, Companhia das Letras, entre outras, e é lançado com R$ 430 mil na conta. Pessoas físicas também são convidadas a participar. (Agência Estado)





receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade