Publicidade

Estado de Minas

Parados, circos temem falência e temem falta de público na volta

Com espetáculos suspensos em meio à pandemia de coronavírus, companhias veem dívidas se acumulando e sobrevivem de ações solidárias


18/07/2020 04:00

Com o isolamento social, circos no Brasil também foram obrigados a parar desde março: sob medo de fechamento e sobrevivendo de solidariedade(foto: Leandro Couri/EM/D.A Press %u2013 5/11/18)
Com o isolamento social, circos no Brasil também foram obrigados a parar desde março: sob medo de fechamento e sobrevivendo de solidariedade (foto: Leandro Couri/EM/D.A Press %u2013 5/11/18)

 
Por muitos anos, as companhias circenses foram as únicas a levar espetáculos culturais aos mais distantes cantos do Brasil. E permanece assim para uma parte da população, ainda excluída, que não tem condições de frequentar cinemas, shows, teatros. Presente no país desde o começo do século 19, já encantou gerações e até hoje tem muitos nomes registrados na história da arte nacional, como é o caso dos palhaços Piolin, Arrelia e Carequinha. Como todas as demais áreas culturais, essa também está sofrendo com a pandemia do coronavírus, o que tem impossibilitado o trabalho desses profissionais.
 
Vivendo de forma itinerante, os circos passam por situação bem preocupante. "Cada um está tentando se virar de alguma maneira, seja vendendo maçã do amor, algodão-doce, balas, bolas, ou fazendo ações em grupo, como lives na internet ou mesmo se arriscando em apresentar espetáculo no esquema de drive-in", conta Pereira França Neto, dono do Circo Teatro Tubinho e também palhaço da companhia que tem seu nome, com mais de 50 anos de estrada, e que estava montado em Piracicaba, no interior de São Paulo.
 
Para dias de escassez de trabalho como os atuais, Tubinho descreve a situação momentânea de seu circo como a mesma enfrentada por outros grupos. Segundo ele, a companhia depende da bilheteria para sobreviver. "O governo do Estado mandou algumas cestas básicas, por meio de cooperativas, mas a despesa de uma companhia desse tamanho é grande. As dívidas se acumulam e, a cada dia, a gente vê o risco de fechar as portas", desabafa. Apesar do momento difícil, ele entende que a situação é inesperada. "Não podemos culpar ninguém."
 
Entre os profissionais estão famílias, como a de Franciele Jaqueline Machado, a Fran, de 34 anos, que se juntou ao grupo em 2012, quando o circo esteve em sua cidade, Araçoiaba da Serra. Foi lá que conheceu seu marido, José Roberto de Assis Junior, o Juninho, ator na companhia, com quem tem dois filhos. "Essa quarentena tem sido bem complicada para nós: tivemos de parar com aquilo que sabemos fazer melhor, que é fazer o público sorrir, e tivemos de nos reinventar", afirma a atriz.
  A situação vivida pelo Circo Tubinho não é diferente da enfrentada por outros grupos pelo Brasil. É o que relata também Raul Gregório Nogueira, de 51 anos, dono do Circo Kids, atualmente na cidade Peixoto de Azevedo, em Mato Grosso, e originário da quinta geração de uma família tradicional dessa arte. "Fomos o primeiro segmento a parar e, pelo que vemos, seremos os últimos a retomar nossas atividades, o que dá muito medo ao grupo", diz Nogueira.

LEI ALIVIA Em outro ponto do país, a produtora cultural Andrea Vasconcelos, que trabalha com a Associação dos Proprietários, Artistas e Escolas de Circo do Ceará, entidade que registra 57 cadastrados, diz que, em sua região, a vida dos circenses no momento não difere de outros locais. "O que temos de expectativa até o final do ano é o aporte financeiro, que se tornará disponível para o meio cultural pela Lei Aldir Blanc", projeta. Por meio de um mutirão, foram distribuídas cestas básicas e recolhidos fundos para pagar água e conta de luz.
 
Compactuando do mesmo pensamento, Marlene Querubim, gerente do Circo Spacial e presidente da União Brasileira dos Circos Itinerantes (UBCI), acredita que o retorno às atividades está próximo, mas a preocupação é com o medo do público em voltar a frequentar os espetáculos. "Creio que vai demorar muito para o público retornar, especialmente pela questão financeira, pois houve uma descapitalização das pessoas que vão ao circo", afirma. Com otimismo, crê que a retomada não atingirá nem 10%. "É um ano perdido para o circo." Ela estima que 30 mil pessoas vivem do circo no Brasil entre artistas, técnicos e funcionários. (Agência Estado)


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade