Publicidade

Estado de Minas

Pandemia muda jeito de produzir videoclipes

Com produção remota na quarentena, artistas passam a ter maior conexão com fãs e divulgação dos clipes ajuda a instituições de caridade


postado em 07/07/2020 04:00

Gravado com celular na quarentena, clipe da canção A voz do coração, do Jota Quest, já soma mais de 2 milhões de visualizações(foto: FOTOS: YOUTUBE/REPRODUÇÃO )
Gravado com celular na quarentena, clipe da canção A voz do coração, do Jota Quest, já soma mais de 2 milhões de visualizações (foto: FOTOS: YOUTUBE/REPRODUÇÃO )
O YouTube fez um estudo sobre a produção de clipes durante a quarentena em decorrência da pandemia do novo coronavírus. No material, foram analisados vídeos de pouco mais de uma centena de artistas de todo o mundo que produziram material remoto de março a maio.

“Por causa da COVID-19, o objetivo do videoclipe mudou. No passado, eles eram usados principalmente para fornecer entretenimento e também como uma ferramenta promocional. Agora, eles têm proporcionado aos artistas a chance de colaborar, conectar-se com fãs, arrecadar dinheiro para instituições de caridade”, destaca a análise.

O vídeo com tela dividida, com os músicos se apresentando separadamente, cada um em sua casa, é o modelo mais popular da produção do gênero durante a quarentena. Publicado na plataforma em 22 de março, o vídeo da canção Das coronalied, da dupla de pop-rock alemã Das Lumpenpack, um dos primeiros exemplos do modelo, foi também dos mais simples. O que Max Kennel e Jonas Meyer fizeram foi se apresentar juntos via FaceTime e depois editar as duas telas.

Já em 16 de abril, o Jota Quest lançou o clipe de uma canção inédita, A voz do coração. Gravado com celular com cada um dos cinco integrantes da banda mineira em suas respectivas casas, cada segmento de vídeo conta com uma cor diferente. O rapper Rael, que participa da música, também participou remotamente do clipe, que já atingiu a casa dos 2 milhões de visualizações.

Os vídeos de tela dividida são chamados pelo estudo do YouTube de produtos da “primeira onda” de conteúdo musical gerado durante a quarentena. Na segunda onda, destaca o estudo, os vídeos se tornaram mais complexos.

A cantora americana indie Soccer Mommy divulgou a canção Crawling in my skin através de turnê virtual. Na impossibilidade de fazer shows presenciais, ela lançou em 7 de maio vários clipes em 8bits (imagens geradas em computador, com baixa resolução, como os dos antigos videogames). Cada clipe mostra a canção em uma cidade diferente – aquelas que ela passaria com a turnê, não fosse a pandemia. Há vídeos em Minneapolis, Austin, Chicago, Seatlle e Toronto.

Também fizeram parte da segunda onda os vídeos de multidão, ou seja, aqueles em que houve participação dos fãs depois que os artistas pediram que enviassem vídeos. Um dos mais impressionantes, destaca a análise, veio de Fynn Kliemann, músico e youtuber alemão.

Cinquenta mil pessoas enviaram em menos de 10 horas fotos para o artista. Todas as imagens foram editadas para formar o vídeo da música Schmeiß mein Leben auf den Müll,  que fala sobre desperdício. A edição é tão rápida que não dá para ver direito quem está ali.

Outros estilos de vídeo que o estudo detectou foram aqueles produzidos com ênfase em lugares, não em pessoas. Um exemplo é I want to see the bright lights together, do produtor Mark Ronson com a cantora Raissa. Em 24 de abril, os dois pediram aos fãs que enviassem imagens noturnas da quarentena.

Com tela dividida, vídeo da canção Das coronalied, da dupla de pop-rock alemã Das Lumpenpack, foi um dos primeiros exemplos do modelo que se popularizou
Com tela dividida, vídeo da canção Das coronalied, da dupla de pop-rock alemã Das Lumpenpack, foi um dos primeiros exemplos do modelo que se popularizou
NO TOPO DAS PARADAS 

Por outro lado há também os vídeos que exploram o artista de todas as maneiras. A cantora japonesa Aimyon mostra seu cotidiano na quarentena durante o vídeo de Naked heart. Você a vê de todas as maneiras: comendo, pintando as unhas e até tomando banho.

A produção de vídeos na quarentena fez vários desses trabalhos atingirem os topos das paradas mundiais. O clipe de Stuck with u, de Justin Bieber e Ariana Grande, traz imagens dos dois artistas em suas casas e de fãs, anônimos e famosos, durante o período de isolamento social. Entre eles estão os atores Ashton Kutcher, Mila Kunis e Gwyneth Paltrow. Com um mês desde o lançamento, o vídeo já atingiu 75 milhões de visualizações.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade