Publicidade

Estado de Minas VIDA DE ARTISTA

'Sempre vivi de altos e baixos', diz atriz Marcélia Cartaxo

Protagonista do longa inédito 'Pacarrete', ela está em sua casa na Paraíba, atravessando com preocupação a pandemia, mas também com esperança de dias melhores


postado em 01/07/2020 04:00 / atualizado em 30/06/2020 22:51

Refinada e sensível, Pacarrete é uma mulher incompreendida em sua pequena cidade natal, onde procura reproduzir o glamour da vida na metrópole (foto: Luiz Alves/Divulgação)
Refinada e sensível, Pacarrete é uma mulher incompreendida em sua pequena cidade natal, onde procura reproduzir o glamour da vida na metrópole (foto: Luiz Alves/Divulgação)
“Três ou quatro (personagens) são especiais. O resto é mais para a sobrevivência.” São 35 anos, desde que a atriz paraibana Marcélia Cartaxo, de 56, debutou no cinema. Ainda que seu rosto já tenha sido visto em diversas produções na televisão, é na tela grande que a figura mignon, de 1,50m, fica gigante.

“O cinema é o grande milagre na minha vida. Mas tu percebe as coincidências?”, ela pergunta. Pouco tempo depois de estrear, no longa A hora da estrela (1985), de Suzana Amaral, veio o governo Collor (1990-1992) e, com ele, o fim da Embrafilme, que era o motor da produção e distribuição de filmes nacionais. Ficou difícil fazer longas. A produção caiu quase a zero. “E agora estamos vivendo o ciclo de novo”, diz ela, que neste momento está à espera de ver um dos personagens especiais que interpretou encontrar seu público.

ADAPTAÇÃO No passado, Marcélia viveu Macabéa, a jovem nordestina simplória de vida trágica que vai para a cidade grande na adaptação que Suzana Amaral fez do cultuado romance de Clarice Lispector. Mais recentemente, Marcélia interpretou Pacarrete, a mulher idosa que teve um passado de glória na cidade grande e tenta revivê-lo, a despeito da incompreensão dos outros, no interior do Ceará.

Pacarrete, ao contrário de Macabéa, é fruto da vida real – houve realmente uma senhora de Russas que tinha nome margarida em francês, dançava balé e era considerada louca pela população local. Também título do primeiro longa-metragem do cineasta Allan Deberton, Pacarrete, assim como Macabéa, é uma personagem que exigiu muito da atriz e já recebeu os devidos reconhecimentos da crítica.

Macabéa deu a Marcélia o Urso de Prata de melhor atriz no Festival de Berlim de 1985. Pacarrete garantiu a ela alguns troféus de melhor intérprete, incluindo o Kikiko no Festival de Gramado de 2019. Tanto Suzana Amaral quando Allan Deberton estrearam em longas protagonizados por Marcélia.

Pacarrete, que circulou por festivais, deveria ter entrado em cartaz nos cinemas no último dia 29 de abril. Por ora, em decorrência do fechamento das salas imposto pelas medidas de contenção da epidemia do novo coronavírus, o futuro do longa-metragem é incerto.

Logo depois de anunciada a morte de Suzana Amaral, na quinta-feira passada (25), aos 88 anos, Marcélia fez um agradecimento público à cineasta por ter entrado em sua vida. E não foi uma entrada comum, conforme conta a atriz.

"Moro num bairro distante da praia e do Centro da cidade. Não fiz muito dinheiro e minhas reservas estão acabando (na pandemia). Sempre vivi de altos e baixos, mas me apego muito na questão espiritual. Acredito que amanhã será outro dia, e que ele vai ser diferente"

Marcélia Cartaxo, atriz



Nascida em Cajazeiras, distante 470 quilômetros de João Pessoa, Marcélia era uma garota do interior que, nos anos 1970,  começou a fazer teatro com os amigos da rua. Tinha 12 anos e com mais 15 crianças criou o grupo do Mickey. Apresentavam-se nos quintais, na rua. A criação da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Cajazeiras (Fafic) mudou o cenário.

“Juntavam todas as artes: cinema, feira na rua, artesanato, teatro e o grupo da gente fazia apresentações no são-joão, Paixão de Cristo, as festas oficiais da cidade”, ela conta. O próprio grupo, com Eliezer Filho, começou a intensificar os trabalhos e os temas. Até que, um dia, o ator Luiz Carlos Vasconcelos, também paraibano, chegou à cidade com o Grupo Piolim.

Fortemente influenciado pelo trabalho desenvolvido por Vasconcelos, a primeira coisa que o grupo fez foi mudar o nome de Mickey para Terra (a canção de Caetano Veloso havia acabado de ser lançada). Por causa de Vasconcelos, o grupo Terra não só deixou sua cidade natal como chegou ao Sul e ao Sudeste.

CONVITE Foi com o espetáculo Beiço de estrada (beiço, no caso, quer dizer beira) que o Terra chegou a São Paulo. “Quando terminou a peça, a Suzana ficava atrás de mim. Era meu primeiro dia em São Paulo, nunca tinha saído para um lugar tão distante. Estávamos todos deslumbrados, eu não conseguia dormir. E ela atrás de mim, e eu querendo dispensar”, conta Marcélia.

A cineasta falou que estava procurando uma atriz para um filme e perguntou para Marcélia se ela conhecia A hora da estrela. Marcélia nunca tinha ouvido falar nem mesmo de Clarice Lispector. “A Suzana era elétrica, falava muito rápido, eu disse tudo bem, outro dia. E, no dia seguinte, ela foi ver a peça de novo, levou o livro, pediu para eu ler, pediu endereço, telefone, que eu nem tinha. Era filha de costureira e agricultor, não tinha perspectiva de ir para lugar nenhum.”

Marcélia voltou para Cajazeiras e passou a receber cartas de Suzana. Foram oito, durante oito meses. “Lindas, que já não tenho mais, e estou tentando reproduzir para um projeto futuro”, conta a atriz. Na última, a diretora mandou a passagem para São Paulo. “Mas de ônibus, porque ela queria que eu fosse pensando no caminho da personagem.”

Para se preparar para o papel, Marcélia tinha outras missões. Uma delas era costurar a camisola da personagem, de algodão grosso. “Ela me disse para deixar suja”, relembra. Macabéa é conhecida pela sujeira e o mau cheiro. Marcélia fez tudo isso às escondidas; só um amigo do grupo de teatro sabia. Até o dia de embarcar, a mãe não queria deixá-la ir. Até o prefeito de Cajazeiras teve que intervir. A atriz tinha 19 anos – quando A hora da estrela foi lançado, já havia feito 21.

TESTE “A Suzana tinha falado que a filha ia me pegar na rodoviária de São Paulo. Cheguei meia hora antes, e a menina nada. Eu, sentada em cima da mala, só tinha visto Suzana aquela vez... Quando apareceu a Cacá com meu nome escrito, foi um alívio.” Chegando na casa da diretora, Marcélia ficou sabendo que teria que fazer um teste.

Eram ela e mais cinco atrizes pelo papel de Macabéa. “Quando terminou meu teste, parecia que o Brasil tinha ganho a Copa. Não voltei, caí dentro do filme.” A hora da estrela foi rodado em 28 dias, em película de 35mm, um material caro. Os atores não podiam errar, pois a cena que era filmada era a que iria valer. Como não havia som direto, seis meses depois das filmagens Marcélia voltou a São Paulo para dublar o filme.

“Na dublagem, a Suzana olhava e dizia: ‘Meu Deus, quem é que vai gostar do filme? Só tem gente feia.’ Eu adorava, pois nunca tinha me visto fotografar assim. Nem muitas fotos de criança tenho, pois a gente não tinha condição. Comecei a viajar, pensar que meu caminho era esse, idealizava o futuro.”

E ele veio junto com outros grandes personagens. Dos filmes passados, Marcélia destaca a prostituta Laurita de Madame Satã (2002, de Karim Aïnouz) e as participações nos filmes A história da eternidade (2014, de Camilo Cavalcante) e 16060 (1995, de Vinicius Mainardi). Coincidentemente, todos esses também foram os primeiros longas de ficção dos respectivos realizadores.

Até que veio Pacarrete, personagem que Marcélia esperou 12 anos para fazer – o diretor falou da intenção de fazer o longa quando a dirigiu em seu primeiro curta, Doce de coco. Pacarrete, personagem que viveu na cidade de Russas, era na verdade Maria Araújo Lima, uma bailarina idosa.

Quando o projeto começou a se concretizar, Marcélia viu que teria um problemão nas mãos. Na verdade, no corpo inteiro. “Nunca toquei piano, nunca fiz balé. A Pacarrete falava francês. Achava que não era para mim.” Deberton convocou um casal de bailarinos mais velhos de Fortaleza, uma professora de francês e outro de piano para a atriz.

Foi uma dificuldade, ela conta. “Além do corpo dolorido, eu tinha que ficar na cabeça com a história do francês. Eu não tinha aquela cultura toda. Comecei a pesquisar bailarinas mais antigas, gente que não tinha mais o movimento perfeito. Fui mais por aí. Eu ficava hospedada na casa do Allan, e ele me dizia (nos ensaios) que não estava vendo a Pacarrete. E se deslumbrava com a professora dançando. Eu ficava com ódio, ciúme, me acabei, com o corpo todo doendo. Haja remédio.”

Até que Deberton se saiu com esta para Marcélia: “Pense que, a cada dia, você resolve uma coisa.” E ela vem levando isso a cabo. Vive intensamente cada dia, sem saber como vai ser o amanhã. “Quando sai da fantasia e cai na realidade, é difícil”, comenta a atriz, que há anos voltou para a Paraíba.

Atualmente, Marcélia vive em João Pessoa, numa casa que herdou da mãe. “Moro num bairro distante da praia e do Centro da cidade. Não fiz muito dinheiro e minhas reservas estão acabando (na pandemia). Sempre vivi de altos e baixos, mas me apego muito na questão espiritual. Acredito que amanhã será outro dia, e que ele vai ser diferente.”

ONDE ASSISTIR MARCÉLIA CARTAXO

» A HORA DA ESTRELA (1985)
O filme de Suzana Amaral está disponível gratuitamente na plataforma Spcine Play (www.spcineplay.com.br)

» MADAME SATÃ (2002)
O longa de Karim Aïnouz está disponível no catálogo do Canal Brasil

» A HISTÓRIA DA ETERNIDADE (2014)
O título está disponível para aluguel no Now e no Looke


Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade