Publicidade

Estado de Minas CINEMA

Festival Finos Filmes apresenta curtas e debates virtuais

Evento adota o sistema on-line, por causa da pandemia, e será aberto com debate que reunirá o ator Lázaro Ramos e a escritora Ana Maria Gonçalves


postado em 30/06/2020 04:00

Sem asas, filme de Renata Martins, abre a sessão de debates nesta terça-feira (foto: Caroline Lima/divulgação)
Sem asas, filme de Renata Martins, abre a sessão de debates nesta terça-feira (foto: Caroline Lima/divulgação)
Quando teve início o processo de seleção dos curtas-metragens que entrariam na sétima edição do Festival de Finos Filmes, realizado em São Paulo, o período de isolamento social não havia começado. Assim que o mundo “parou” por causa da doença, o evento teve de ser repensado.

Diante disso, a edição 2020 tem início, nesta terça-feira (30), em novos moldes, ganhando o mundo virtual. E com foco maior no debate do que na exibição de filmes. Até domingo (5), o festival promove seis debates on-line que dialogam com a seleção de curtas (13 foram escolhidos de um total de 200 trabalhos enviados).

PLATAFORMA Os filmes estão disponíveis gratuitamente na plataforma Spcine Play.  São produções que tocam em temas caros a estes tempos, como racismo, memória, tecnologia, corpo. E cinema, claro.

Abrindo a mesa virtual de debates estão o ator Lázaro Ramos e a escritora Ana Maria Gonçalves, que nesta noite, por meio do canal do Museu da Imagem e do Som (MIS-SP) no YouTube, conversam sobre o tema “Resgatar o passado, construir o futuro”, a partir dos filmes Sem asas (Renata Martins) e A morte branca do feiticeiro negro (Rodrigo Ribeiro).

“A gente acredita na presença coletiva do cinema, o festival sempre foi mais de debates do que de filmes. A partir da experiência do (festival) É Tudo Verdade, que abriu as portas do on-line para os eventos de cinema, fizemos as adaptações”, comenta Felipe Poroger, idealizador do Finos Filmes.

Poroger diz que o formato on-line do evento não é definitivo. “Até então, o festival era todo em cinema (as edições passadas foram realizadas em vários espaços da capital paulista). O virtual é um caminho sem volta, pois ele certamente muda o modo como se relacionam os eventos culturais.”

É a primeira vez que o evento leva suas produções para a Spcine Play. Desde outubro de 2018 no formato atual, com média de 250 produções via streaming, a plataforma assistiu a um crescimento enorme durante a quarentena. Em comparação com 2019, houve, nos seis primeiros meses de 2020, aumento de 430% de visualizações.

Até o início do isolamento, a Spcine Play funcionava da seguinte forma: havia filmes ligados a mostras e festivais de São Paulo exibidos gratuitamente e também produções brasileiras licenciadas que eram pagas (R$ 3,99 o aluguel por 48 horas).

“Em março, no início da pandemia, conseguimos renegociar os filmes pagos para que fiquem gratuitos até o fim do ano. Isso, naturalmente, já abre espaço para que produtores independentes, que não têm filmes em festivais ou plataformas digitais, tragam suas produções para a gente. É bom para nós e para eles, pois atrai uma maior visibilidade”, comenta Dilson Neto, coordenador da Spcine.

Em maio, os filmes mais acessados da plataforma foram o mineiro Vaga carne, de Grace Passô e Ricardo Alves Jr., São Paulo em hi-fi, de Lufe Steffen, e Carandiru, de Hector Babenco.

7º FESTIVAL DE FINOS FILMES
Desta terça-feira (30) a domingo (5), em youtube.com/missaopaulo. Os filmes selecionados estarão disponíveis no Spcine Play (www.spcineplay.com.br) até 8 de julho.

PROGRAMAÇÃO

Terça (30) – Às 20h. Ana Maria Gonçalves, Lázaro Ramos e Isabela Reis debatem o tema “Resgatar o passado, construir o futuro”, a partir dos filmes Sem asas (Renata Martins) e A morte branca do feiticeiro negro (Rodrigo Ribeiro)

Quarta (1º/7) – Às 18h. Dina Alves, Helena Ignez e Alice Marcone e Sarah Oliveira falam sobre corpo e liberdade a partir dos filmes Carne (Camila Kater), Liberdade é uma palavra (Stephanie Ricci) e Bonde (Asaph Luccas)

Quinta (2/7) – Às 18h. Eliane Caffé, Eugênio Bucci, Sthefany de Paula e Yasmin Santos falam sobre produção de imagens e filmes como instrumento de resistência a partir de Imagens de um sonho (Leandro Olímpio) e Conte isso àqueles que dizem que fomos derrotados (Aiano Bemfica, Camila Bastos, Cristiano Araújo, Pedro Maia de Brito)

Sexta (3/7) – Às 18h. Christiane Jatahy, Michel Laub, Silvana Bahia e Rita Mattar discutem arte, memória e tecnologia a partir dos filmes Recoding art (Bruno Moreschi, Gabriel Pereira), Luis Humberto: O olhar possível (Mariana Costa, Rafael Lobo) e Sangro (Tiago Minamisawa, Bruno Castro e Guto BR)

Sábado (4/7) – Às 15h. João Paulo Miranda e Antônio Pitanga, diretor e ator do longa Casa de antiguidades, conversam com Laís Bodanzky sobre a situação do cinema brasileiro

Domingo (5/7) – Às 15h. Pastor Henrique Vieira e Felipe Poroger conversam sobre tempo e política a partir dos filmes Aos cuidados dela (Marcos Yoshi), Baile
(Cintia Domit Bittar) e Guaxuma (Nara Normande)



*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade