Publicidade

Estado de Minas

Ira! lança o primeiro disco de inéditas em 13 anos

Com 10 faixas, o álbum 'Ira' traz letras feministas, canta o amor e dialoga com o passado, mas sem nostalgia. 'Não procuramos coisas moderninhas', avisa Nasi


postado em 11/06/2020 04:00

Edgard Scandurra e Nasi lançam o disco Ira, com 10 faixas, desafiando a era do single (foto: Ana Karina Zaratin/divulgação)
Edgard Scandurra e Nasi lançam o disco Ira, com 10 faixas, desafiando a era do single (foto: Ana Karina Zaratin/divulgação)

Quando o Ira! lançou Invisível DJ (2007), até então seu último álbum de estúdio, não havia serviços de streaming de música – o Spotify, a plataforma mais popular do gênero, entrou no ar no fim de 2008. Ira, primeiro disco da banda de Nasi e Edgard Scandurra (remanescentes da formação clássica) só com faixas inéditas, vem a público 13 anos mais tarde.

Os modos de fazer, lançar e divulgar música mudaram totalmente (e definitivamente). A banda também. Ainda naquele 2007, o cultuado grupo paulista se desfez da pior forma possível. Brigas e acusações públicas, ações na Justiça, o imbróglio durou muito tempo e só acabou sete anos mais tarde, quando Nasi e Scandurra refizeram a banda, agora sem André Jung (bateria) e Ricardo Gaspa (baixo).

“É a mesma alma do Ira!. O Edgard não gosta que falo, mas, para mim, é a melhor formação instrumental da banda. O Johnny Boy (baixista) é o quinto Ira!. Tirando o Acústico (2000), ele fez todos os teclados do grupo a partir da década de 1990. E o Evaristo (Pádua, baterista) tem as características de um John Bonham (Led Zeppelin) e Keith Moon (The Who). Na verdade, mesmo com formação diferente, este trabalho remete à sonoridade áurea do Ira!. Não procuramos coisas moderninhas, é uma coleção de músicas boas, à altura das melhores que lançamos”, diz Nasi, de 58 anos.

DIÁLOGO

O cantor não está exagerando, vale dizer. Ira, o álbum, é Ira!, a banda, como há muito ela não era. São 10 faixas que dialogam com o passado, mas mostram também que o grupo não ficou parado no tempo. Mais: nesta época de singles descartáveis, o disco vai contra o padrão da música pop. Duas das melhores faixas são longas, com derivações instrumentais, sem aquele começo, meio e fim óbvio de três minutos e meio.

O retorno do Ira! às inéditas já vale pela baladona estradeira Efeito dominó (Scandurra/Virginie Boutaud). São quase oito minutos de uma canção de acento folk, em que Nasi divide os vocais com Virginie (para os menores de 40: ela capitaneou com sua voz doce a banda Metrô nos anos 1980). Ele, em português, ela em francês (à la Jane Birkin), os dois cantam a dor de amor. A canção é fruto do trabalho que Scandurra vem desenvolvendo com Virginie, que hoje vive na França, em torno da chanson française.

Com o lançamento do álbum, chegou também o vídeo da canção. Assinado por Gustavo von Ha e realizado durante o período de isolamento social, ele traz, além de imagens dos integrantes da banda (atuais e de arquivo), uma colagem de imagens célebres – de Audrey Hepburn a Betty Boop, passando por filmes (O gabinete do Dr. Caligari, de 1920, é um deles) e obras famosas de Rembrandt, Malevich e Van Gogh, entre outros.

Relacionamentos amorosos estão em outras canções, como O amor também faz errar (Scandurra), com sotaque roqueiro e talvez aquela que mais dialogue com o espírito mod da banda. Ira! é, essencialmente, um grupo de rock. E ele se faz presente em Respostas (Scandurra/Silvia Tape), que traz a característica guitarrista (canhota, sempre) do músico. Outras faixas em alta propulsão são Eu desconfio de mim (Scandurra), aqui com bateria bem marcada, e A torre, em que a assinatura da guitarra de Scandurra fica latente.

''Nosso tesão é lançar disco, uma coleção de músicas que conversem entre si''

Nasi, cantor


MULHERES

Como sempre, Edgard Scandurra assina as faixas. Algumas em parceria, sempre com mulheres, como Chuto pedras e assobio, composta com Bárbara Eugênia. A mais forte delas, com mensagem atualíssima, é Mulheres à frente da tropa, a segunda canção em tamanho (seis minutos). Aqui, Scandurra assume as vozes em letra feminista – “Elas não temem o covarde e opressor/ Elas não fogem do perigo e da dor” – com coro de vozes femininas e um belo arranjo de cordas.

Tanto tempo juntos – e separados – permite que cada um faça sua própria leitura de canções que podem (ou não) versar sobre a relação Nasi/Scandurra. A nossa amizade fala de “cumplicidade especial”, enquanto O homem cordial morreu trata de mudança, envelhecimento e da dificuldade de aprender.

“Só as bases foram gravadas com todo mundo junto. Até pelas circunstâncias, pois cada um tem sua vida particular, gravei quase todas as vozes sozinho com o produtor. O Edgard já compõe pensando na minha voz. É bem diferente de quando lanço disco solo (foram quatro quando esteve fora do Ira!), pois soa mais blues. No Ira! é mais lírico. Então, como a gente se conhece muito, sabe o que esperar um do outro”, diz Nasi.

O cantor comenta que sabia que a banda teria de lançar um novo disco, “por nós mesmos e também para mostrar que não voltamos só por motivo profissional, para fazer show”. O momento de “surto criativo”, como ele diz, veio no segundo semestre de 2019. Produzido por Apollo 9, Ira só ficou pronto neste ano.

“Somos artistas da época do álbum, então nosso tesão é lançar disco, uma coleção de músicas que conversem entre si. Tanto que este trabalho tem projeto de CD e vinil, são 10 músicas, como se fossem cinco de um lado e cinco de outro. Essa sequência está nas plataformas de streaming. Além do mais, se você lança só uma ou duas músicas, quando vai para o show, ele não muda praticamente nada. Quando lanço um álbum, tenho de fazer tudo novo”, diz Nasi.

No caso, o “tudo” será diferente. Às vésperas de lançar o primeiro single, O amor também faz errado, teve início o período de isolamento social em decorrência da pandemia do coronavírus. Originalmente, o álbum chegaria em abril. “Estamos tentando entender o que está acontecendo. Geralmente, quando lançamos um disco, na semana seguinte já estamos divulgando nas capitais. Inclusive, o show em Belo Horizonte já estava marcado, seria uma das primeiras cidades onde a gente ia mostrar o disco novo.”


AGENDA

Tentando manter o otimismo, Nasi comenta que quando a banda conseguir sair para fazer shows, o público, pelo menos, já vai conhecer as novas canções. Quando isso ocorrerá são outros quinhentos. “Sou bem pragmático. Temos requisições de show para setembro. O meu escritório acredita nisso, são shows em praça pública. Se eles se concretizarem, vou ser surpreendido positivamente. Para mim, outubro é um mês viável. Espero, mas há ainda o temor da segunda onda (do coronavírus)”, pondera.

Seja como for, o cantor revela estar “trancadão” em casa há dois meses. O último show do Ira! ocorreu em 14 de março, no interior de São Paulo. Nasi saiu para se vacinar, outras poucas vezes para ir à farmácia. “Tomo os meus cuidados. A cada dois anos vou para a Nigéria. Então, quando tenho de tomar vacina de febre amarela, tomo de tudo: sarampo, rubéola, caxumba, H1N1. E peço ao meu orixá para não pegar. Se pegar, que não tenha a doença. E se ficar doente, que não morra.”
(foto: Mayla Goerisch/Guilherme Pacola)
(foto: Mayla Goerisch/Guilherme Pacola)

IRA
•  De Ira!
•  Independente
•  10 faixas
•  Disponível nas plataformas digitais


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade