Publicidade

Estado de Minas CULT...

Sara Não Tem Nome bate papo com o público no Memorial Vale

Artista vai falar sobre o que inspirou a criar os trabalhos da mostra 'Situações' e fará performance nos corredores do espaço cultural


postado em 08/02/2020 04:00 / atualizado em 08/02/2020 07:50

(foto: Victor Galvão/divulgação)
(foto: Victor Galvão/divulgação)

A multiartista Sara Não Tem Nome (foto) participa, às 15h deste sábado (8), de bate-papo sobre reflexões e inquietações que a levaram à elaboração da exposição Situações, aberta ao público no Memorial Vale até 21 de fevereiro. Ela fará performance colaborativa com o público no Corredor das Artes, homenageando artistas brasileiros. A entrada é gratuita, sujeita à lotação. Dos debates participam também o curador da exposição, Júlio Martins, a professora de artes Maria Angélica Melendi e Gabriela Brasileiro, artista e educadora do Memorial, que fica na Praça da Liberdade, 640, esquina com Rua Gonçalves Dias.

FEIRA TEXTURA
LANÇAMENTO E BATE-PAPO

Editoras e autores independentes estão confirmados para a Feira Textura, que receberá o público das 11h às 17h deste sábado (8), no Palácio das Artes (Avenida Afonso Pena, 1.537, Centro), com entrada franca. O evento integra a programação do Verão Arte Contemporânea 2020. Realizada trimestralmente, busca abrir espaço para a literatura produzida não só em Minas Gerais. Além de exposição de livros, haverá lançamentos e relançamentos de obras e performances, como o Recital Passarinho Loque, com o poeta JoMaKa (das 14h às 14h30). Às 15h, tem bate-papo com autores sobre o tema “A vontade da literatura: potencialidades e vida”, com as participações de Amanda Ribeiro, Flávia Péret, Miguel Javaral e Pedro Bomba, com mediação de Flávia Denise de Magalhães.

(foto: Paulo Oliveira/divulgação)
(foto: Paulo Oliveira/divulgação)

SARAU LIBERTÁRIO
OLHAR MÚLTIPLO SOBRE ARTE

O tema Culturas pelo mundo vai reunir neste domingo (9), na Casa Kubitschek, o poeta, compositor, artista visual e arte-educador Renato Negrão; a cantora, compositora e percussionista Elisa de Sena (foto); o cantor, compositor e instrumentista Sérgio Pererê; e o grupo de teatro Mulheres Míticas. O evento, gratuito, começa às 14h e faz parte da programação do Sarau Libertário. Em 2019, foram realizadas oito edições entre os meses de abril e novembro em aparelhos culturais da Região da Pampulha. “A arte tem um papel crucial na construção e no fortalecimento de identidades individuais e coletivas”, observa Elisa de Sena. “O mesmo tema visto por perspectivas diferentes, por pessoas que operam em linguagens diferentes, é sempre algo muito instigante, muito salutar”, reforça Renato Negrão.

CARNAVAL
JHÊ DELACOIX

Um carnaval nada convencional, com arranjos inéditos e folia brasileira até a última gota. É o que promete a cantora carioca Jhê Delacoix para a apresentação às 20h deste sábado (8), no Baile do Grande Hotel Ronaldo Fraga. O espetáculo Eletrojhê e os foliões, segundo ela, tem repertório escolhido a dedo. “Canto composições minhas, do Thiago Amud e Iara Ferreira, assim como canções célebres de Assis Valente, Ary Barroso, Chico Buarque, Capiba e por aí vai”. A festa começa às 12h, com participação do Bloco Cordão do Bola Preta. Ingressos à venda no site Sympla. O Grande Hotel fica na Rua Ceará 1.205, Funcionários.

(foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press)
(foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press)

REVISTA OLYMPIO
EDITOR E CONTISTA

Um dos editores da Olympio, o jornalista mineiro José Eduardo Gonçalves (foto) também assina um texto ficcional no segundo número da revista literária. Gorilas é um dos contos inéditos da publicação da Tlon Edições e Miguilin, que será lançada neste sábado (8), a partir do meio-dia, na Livraria da Rua, na Savassi. “No meu conto, os gorilas são egressos de uma realidade que os expulsou e os deixou à margem, vieram dos espaços de entretenimento, como circos e zoológicos. Como se fossem os escravos libertos de 1888, eles ganharam a liberdade – sem amparo, sem iniciativas de inclusão, sem indenizações, sem nada. Meus gorilas também estão à cata de empregos e de um lugar ao sol”, explica. “Tenho escrito muitos textos tendo bichos como protagonistas – gatos, lobos, tigres, ratos, cachorros. Como se eles quisessem nos dizer algo”, revela.

• • •

Gonçalves foi editor de outra revista cultural, Palavra, no final dos anos 1990. “Os tempos são radicalmente outros. Naquele momento, sentíamos a necessidade muito forte de falar de novos eixos de produção cultural. Hoje, nossa responsabilidade como editores é maior e mais complexa. A cultura está no epicentro de uma guerra ideológica e muitas conquistas da sociedade civil estão em risco. Portanto, uma revista literária não pode ignorar este contexto”, acredita.

• • •

Olympio, que conta com colaborações de Ignácio de Loyola Brandão, Ricardo Aleixo, Sérgio Sant'anna, Veronica Stigger e Guilherme Mansur, tem como destaque um depoimento de 30 páginas de Ailton Krenak. O líder indígena comparecerá ao lançamento. A Livraria da Rua fica na Rua Antônio de Albuquerque, 913, Savassi. O número 2 da edição tem 280 páginas e custa R$ 54.   


Publicidade