Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas

Inhotim abre festival de fim de ano com show de Marina Lima

Pela primeira vez Instituto de Arte Contemporânea realiza programação musical na Virada do ano


postado em 27/12/2019 04:00

(foto: Rogério Cavalcanti/Divulgação)
(foto: Rogério Cavalcanti/Divulgação)

“Pra começar/Quem vai colar/Os tais caquinhos/Do velho mundo”, cantava Marina Lima lá atrás. O ano era 1986, o álbum, Todas ao vivo, seu primeiro registro do gênero. Vendeu que nem pão quente na época, foi disco de platina. Pois passado tanto tempo, 33 anos, a canção Pra começar, mais uma da histórica parceria com o irmão Antônio Cícero, ainda a representa.

É ela quem abre o novo show da cantora e compositora de 64 anos. Pra começar tour faz sua estreia neste sábado (27) em Inhotim, no Meca New Year. O evento, o quinto da plataforma Meca Love no instituto, em Brumadinho, tem uma aura de ineditismo, pois será a primeira vez que o local abrigará um festival na passagem de ano. Com programação intensa, os shows vão desta sexta (27) até quarta (1º). E vai além de Inhotim – hoje haverá uma edição em Brumadinho, para a população local, e, na segunda, no antigo restaurante Topo do Mundo.

“Minha atual empresária, Laís Sampaio, me disse uma coisa interessante: 'Marina, esse público de festival é muito jovem. Já ouviu as suas músicas, mas nunca viu você ao vivo. Por que você não faz uma apresentação musical e pessoal do seu universo?'”, conta Marina. Foi assim que o show foi montado. Além de recuperar uma parte importante de sua história – estão no repertório À francesa (1989), Criança (1991), O chamado (1993), Beija-flor (1995) –, a apresentação vai mostrar no telão imagens de destaque da trajetória da cantora.

“As imagens também me decifram. A verdade é que essa história de resistência artística, social, cultural é uma coisa cíclica. A gente está começando a toda hora”, acrescenta Marina, que vai se apresentar ao lado de Dustan Gallas (baixo e teclado, produtor do politizado Novas famílias, álbum mais recente de Marina), Arthur Kunz (bateria e programações) e Gustavo Corsi (guitarras).

DOBRADINHA 

O show terá a participação de Letrux. As duas têm dois encontros em disco – Puro disfarce, gravada no álbum de Letrux, e Mãe gentil, que compuseram juntas para Marina. Vão cantar no show três músicas. “A gente tem feito muita dobradinha, não confundir com rachadinha”, ela ri. Amigas desde a época em que Marina vivia no Rio de Janeiro – desde 2010 está radicada em São Paulo –, têm uma afinidade artística e de amizade.

A carta de apresentações para o público do Meca tem sua razão de ser. Marina está na ativa desde o final dos anos 1970. Foi a primeira mulher a despontar na música pop brasileira na prolífica geração do Rock Brasil – Rita Lee veio antes, é bem verdade, mas sua trajetória teve início com os Mutantes. Cantora, compositora, guitarrista, musa de mais de uma geração, soube atravessar a passagem dos anos e as crises pessoais (teve um grave problema na garganta, que atingiu suas cordas vocais, depois passou por uma depressão).

Renascida e buscando dialogar com os que vieram mais tarde, ainda é o centro do documentário Uma garota chamada Marina, que será lançado no próximo dia 27, às 21h35, no canal Curta!. O longa é resultado de um intenso registro feito por Candé Salles, um dos melhores amigos da cantora. “Não gosto de mostrar muito da minha intimidade. Sempre penso: por que alguém vai querer ver isto?. Mas o Candé tem um talento enorme para captar momentos. Gostei do que vi, pois não é algo que faça um culto ou me idealize. O filme mostra por que faço o que faço, penso o que penso, com quem ando. É um filme totalmente outsider, lado B”, diz ela.

Instituto monta 
estratégia antichuva

Vá saber como o tempo vai se comportar nos próximos dias. Pois se a chuva vier, que venha. Uma grande tenda será montada na Magic Square, em Inhotim, no espaço que vai receber os principais shows do Meca New Year. Mas o que se espera é que o sol dê as caras. Uma novidade para quem frequenta o Meca é que desta vez haverá uma programação de DJs na parte da tarde no entorno da obra Piscina (2009), do argentino Jorge Macchi.

O Meca já realizou cinco festivais em Inhotim, todos no meio do ano. Em seu primeiro réveillon, o evento vai enfatizar a programação musical em detrimento das oficinas e workshops – haverá alguns no sábado e no domingo, mais voltados para vivências. Serão três dias em Inhotim – o 31 terá programação somente à noite, com ceia e balada até a manhã de 1º de janeiro –, um dia em Brumadinho (com destaque para Gal Costa) e um dia no antigo restaurante Topo do Mundo, só com DJs.

“Resolvemos fazer o primeiro dia no estádio do Brumadinho Futebol Clube para promover uma integração, para que as pessoas que vêm de fora tenham uma vivência com a cidade. Mas a noite será de fato dedicada à população local”, comenta Maíra Miranda, uma das diretoras do festival. Os moradores de Brumadinho terão preço simbólico (R$ 5) para a noite desta sexta.

O Meca New Year será menor do que o Meca Inhotim – o evento vai receber até 2,5 mil pessoas por dia, contra 5 mil do festival que ocorre no meio do ano. E por falar nisto, a data da próxima edição já foi definida: de 5 a 7 de junho.

MECA NEW YEAR
Confira a programação de cada dia e os preços dos ingressos

Sexta – Estádio do Brumadinho Futebol Clube
19h – Reibatuque
20h45 – Gal Costa
22h30 – Bloco Swing Safado

Sábado – Inhotim
11h – Workshops/Atividades/DJs
17h – Bloco Chama O Síndico
18h30 – DJ Tamenpi
20h30 – Marina Lima e Letrux
21h30 – Mari Rossi
23h30 – Dicky Trisco

Domingo – Inhotim
11h – Workshops/Atividades/DJs
17h – Zaidan
19h – MC Tha e Jaloo
21h – Luedji Luna
22h – Cleu e Raquel Feu
00h – Gigios

Segunda – Topo do Mundo
15h – DJ Grace Kelly
17h – Ubunto
19h – Ruby Savage
21h – Prins Thomas
0h – Masterplano

Terça – Inhotim
20h – Rafael Cancian
22h – Marcos Valle
0h – Bloco Tarado Ni Você
1h30 – Forró Red Light
3h – Mehmet Aslan
5h – Mientras Dura
7h – Dimas Henkes

Ingressos*
Passaporte (sábado, domingo e terça) – R$ 950
Sexta – R$ 5 (moradores de Brumadinho, mediante apresentação de comprovante de endereço) e 
R$ 45 (não residentes)
Sábado ou domingo – R$ 120
Segunda – R$ 160 (com open food)
Terça – R$ 800 (com open bar e open food)
À venda no www.ingresse.com. Mais informações: www.mecanewyear.com
* Meia para estudantes, idosos e quem doar um livro.



receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade