Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Publicidade

Estado de Minas

Novidades à vista em 'Amor de mãe', a próxima novela da Globo

O mineiro José Luiz Villamarim vai adotar o modelo das séries que dirigiu, com menos câmeras. Outra novidade é a 'pegada' de cinema. A equipe reúne talentos da sétima arte, como Walter Carvalho, Philippe Barcinski e Isabella Teixeira


postado em 22/11/2019 04:00 / atualizado em 21/11/2019 22:28

Villamarim orienta as atrizes Regina Casé e Adriana Esteves em cena: maternidade está no centro da trama, que estreia na segunda-feira(foto: João Cotta/TV Globo)
Villamarim orienta as atrizes Regina Casé e Adriana Esteves em cena: maternidade está no centro da trama, que estreia na segunda-feira (foto: João Cotta/TV Globo)

O ano está literalmente começando para o diretor mineiro José Luiz Villamarim. Além de ter completado 56 primaveras nesta semana, na próxima segunda (25) estreia Amor de mãe, trama das 21h da Globo e que marca sua primeira direção artística em novela. Ele já desempenhou essa mesma função em formatos menores, como séries (O canto da sereia, em 2012, Nada será como antes, em 2016, e Onde nascem os fortes, em 2018) e no folhetim das 23h, O rebu, em 2014, com 36 capítulos. “Novela é algo enorme, extenso. Tem muitas frentes, muitos atores. Acho que essa é a grande diferença. E já tinha sete anos que eu não dirigia uma (a última foi Avenida Brasil, em 2012, e que está sendo reprisada no Vale a pena ver de novo). Achei que já estava na hora de voltar”, destaca.

Estar novamente num projeto de Manuela Dias, com quem havia trabalhado na elogiada minissérie Justiça (2016), também foi uma das motivações desse retorno ao principal produto do audiovisual brasileiro. Aliás, já naquela época, a autora havia comentado com Villamarim sobre o enredo – e de cara ele se interessou.

O script tem a maternidade como eixo e mostra como o cotidiano pode ser afetado, positiva ou negativamente. A história entrelaça as vidas de três mães: Lurdes (Regina Casé), Thelma (Adriana Esteves) e Vitória (Taís Araújo). “Manuela é uma autora que admiro muito. Além de ter texto primoroso, é uma história em que acredito. Novela é uma coisa que brasileiro gosta demais, e essa temática, mãe, é universal e afeta e interessa a todo mundo. Tem tudo a ver com o próprio gênero que é o folhetim, o melodrama”, enfatiza. Outras questões atuais, como meio ambiente, educação, corrupção e luta pela sobrevivência estão presentes. “É uma novela contemporânea, com personagens e temas realistas. Todo mundo vai se identificar com alguém ou com alguma situação que já enfrentou. É uma trama que faz um recorte real da vida.”

A realidade está mais evidente até pela maneira e pelo lugar onde Amor de mãe está sendo gravada. Ela é a produção inaugural dos novos estúdios da Globo, o MG4, que fica em frente ao Projac, em Curicica, Zona Oeste do Rio de Janeiro. Desde julho, todo o complexo está tomado pelos 14 cenários da substituta de A dona do pedaço. Câmeras de alta tecnologia garantem melhor resolução e imagens de alta qualidade. Para o diretor, além dessas inovações, um dos principais ganhos são os cenários fixos. “Isso nos garante uma maior produtividade” frisa.

PERTO DO ATOR

 Para ele, o grande desafio é sair do modelo tradicional de produção de novela, o industrial, para um mais artesanal. “São muitas páginas por dia para gerar um capítulo de 50 minutos. Mas estou tentando reproduzir em Amor de mãe o mesmo jeito que fazia nas séries e superséries. Com menos câmeras, mais perto do ator”, detalha.

Com a roda-viva das gravações, Villamarim ainda não conseguiu assistir à reprise de Avenida Brasil. Para ele, não é segredo a novela de João Emanuel Carneiro ainda fazer tanto sucesso sete anos após ser exibida, e ressalta a atemporalidade da trama. “É muito bom saber que você fez um trabalho que não envelheceu, não ficou datado. E isso é difícil de acontecer. Não à toa teve e ainda tem uma grande repercussão e mexe com as pessoas.”

Os diretores José Luiz Villamarim e Walter Carvalho, da nova e da velha-guarda, retomam parceria (foto: João Cotta/TV Globo)
Os diretores José Luiz Villamarim e Walter Carvalho, da nova e da velha-guarda, retomam parceria (foto: João Cotta/TV Globo)

Time tarimbado na telona

A equipe sob o comando de Villamarim em Amor de mãe conta com profissionais que têm ligação ou migraram do cinema. A começar pelo premiado Walter Carvalho, responsável pela fotografia de filmes como Central do Brasil (1998), Lavoura arcaica (2001), Cazuza: o tempo não para (2004) – em que também dirigiu cenas –, Heleno: o príncipe maldito (2011), Chega de saudade (2008), O céu de Suely (2006), além de algumas produções da Globo, como as minisséries O canto da sereia (2012), em que assumiu a câmera pela primeira vez num trabalho de televisão. Isso se repetiu na segunda versão de O rebu (2014). Aliás, os dois trabalhos tinham direção artística de Villamarim. Pela primeira vez, o cineasta e fotógrafo paraibano dirige uma novela longa.

O time de diretores da trama de Manuela Dias também conta com Noa Bressane, filha do cineasta Julio Bressane – Cleópatra (2007) e Brás Cubas (1985). Ela trabalha ao lado do pai desde os 11 anos, atuando e produzindo em filmes como O mandarim (1995) e Dias de Nietzsche em Turim (2001). Estreou na direção de longas com Belair (2009), ao lado de Bruno Safadi. Na Globo, dirigiu projetos como Um só coração (2004), Passione (2010), O astro (2011), Gabriela (2012) e Lado a lado (2012). Já Fellipe Barbosa, que está estreando em direção na TV, ficou conhecido por seus trabalhos na telona com o celebrado Gabriel e a montanha (2017), Casagrande (2015) e Domingo, lançado no mês passado. Philippe Barcinski, responsável por filmes como Não por acaso (2007) e Entre vales (2013), teve alguma experiência dirigindo produções televisivas, como as séries Cidade dos homens (2004), Carcereiros (2019) e alguns capítulos do folhetim Velho Chico (2016). Isabella Teixeira – que tem participado de produções com o diretor mineiro, como Justiça (2016) e Onde nascem os fortes (2018), é outra com experiência cinematográfica em longas, como À beira do caminho (2012) e Olga (2004), enquanto Kiko Marques tem carreira mais centrada na própria emissora.

Villamarim exalta parceiros antigos, como Walter Carvalho e Isabella Teixeira, mas escolheu também abrir parcerias com diretores que vinha acompanhando, como Fellipe Barbosa, Noa Bressane e Philippe Barcinski. “O Walter Carvalho é grande artista. Tem um pensamento sobre o audiovisual. Nesses tempos de falta de diálogo, ter um parceiro com quem trocar/discutir ideias é um privilégio. A Isabella veio de uma carreira sólida no cinema e começou na televisão em Avenida Brasil. Tem um olhar particular, gosto muito da maneira como dirige. Já a Noa vem se destacando na televisão e, por acaso, é filha do Julio Bressane. E ainda tenho na equipe dois diretores de cinema que me procuraram com o desejo de trabalhar na TV, o Fellipe Barbosa e o Philippe Barcinski.”


Daqui para o futuro

Romance vai 
virar filme

O diretor acaba de rodar mais uma produção ao lado dos amigos e parceiros de longa data George Moura e Sérgio Goldenberg. Onde está meu coração, série da Globoplay, deve chegar à plataforma entre março e maio. Assim que Amor de mãe terminar, ele vai adaptar para o cinema o romance Crônica da casa assassinada, do escritor e dramaturgo Lúcio Cardoso, de Curvelo, com roteiro de Moura. Mesmo com carreira praticamente dedicada à TV – seu único longa é Redemoinho (2016), inspirado no livro O mundo inimigo – Inferno provisório, vol. II, do mineiro Luiz Ruffato – Villamarim é apaixonado pela sétima arte. “O cinema tem outro tempo, outra concentração, outra audiência. Sempre quis fazer cinema e ainda quero muito fazer”, avisa. De Três Marias, ele se formou em economia na PUC-Minas nos anos 1980, época do boom dos videomakers. Foi um documentário de ficção para a PM que o levou a essa área. “Eu era amigo da Marilene Gondim (então empresária de Milton Nascimento) e ela conhecia o Dennis Carvalho, que viu e gostou. Acabei indo trabalhar com ele na minissérie Anos rebeldes (1992)”.


Publicidade