Publicidade

Estado de Minas CINEMA

Revelações de uma guerra


postado em 11/11/2019 04:00

Segredos oficiais, de Gavin Hood e em cartaz em BH, conta a história de Katharine Gun, que vazou documentos mostrando que o ataque ao Iraque, liderado pelos EUA, era forçado 

Em 2003, o mundo estava na expectativa de uma guerra com o Iraque – Saddam Hussein, diziam, tinha armas de destruição em massa. Katharine Gun era tradutora no Quartel-General de Comunicações do Governo, serviço de inteligência britânico, quando recebeu, como todos os seus colegas, um e-mail da Agência de Segurança Nacional (NSA) americana, pedindo a interceptação de mensagens secretas que pudessem servir para pressionar os países do Conselho de Segurança da ONU a aprovar a guerra.

Gun resolveu, então, vazar o documento, que acabou nas mãos de Martin Bright, do jornal britânico The Observer. E, claro, sofreu as consequências disso. Essa é a história contada em Segredos oficiais, de Gavin Hood, com Keira Knightley no papel de Gun, Matt Smith como Bright e Ralph Fiennes fazendo Ben Emmerson, advogado de Gun. Em BH, o longa é exibido na sala Ponteio 2, às 13h45 e às 18h40.

Em entrevista durante o Festival de Zurique, Katharine Gun conta que já desconfiava da justificativa para a guerra desde antes. "Em setembro de 2002, fui aos Estados Unidos para uma conferência e visitei uma base naval em San Diego. Eles estavam em plena preparação e descobri que tiravam navios da aposentadoria para ir para o Golfo Pérsico para, nas palavras de um dos militares, ‘chutar o traseiro de uns iraquianos’. Ninguém desloca equipamento e pessoal se não for para usar. A partir dali, comecei a questionar tudo."

Para Gun, os momentos mais difíceis foi quando ela viu o e-mail publicado na capa do jornal e quando seu marido, curdo, foi levado pelas autoridades – segundo ela, por razões que não tinham a ver com seu caso, mas com seu status de refugiado. Ver sua história na tela não foi difícil. "Tive 16 anos para processar. Se fosse mais recente, não estaria pronta", conta. Em geral, acredita ter sido muito mais bem tratada do que os whistleblowers americanos, como Chelsea Manning, que foi presa. Gun sofreu o estresse de um processo, mas foi liberada pela Justiça britânica. "Todo o mundo foi muito correto, até a imprensa, à exceção de um ou outro veículo mais de direita. Mas quase todo o mundo me apoiou bastante."

Katharine Gun ponderou muito antes de vazar o documento. "Eles estavam querendo forçar uma guerra, e isso ultrapassava meu limite, porque os iraquianos estavam lá tentando viver sua vida, e de repente tudo ia ser destruído", diz. Para ela, as motivações dos informantes importam. "Acho que qualquer pessoa que revela informações precisa pensar o que vai revelar."

Mas Martin Bright acrescenta que, para o jornalista, a razão pela qual alguém está querendo apresentar dados confidenciais não interessa. "Trabalhei com whistleblowers de todas as formas e tamanhos e todo tipo de moralidade", diz.

"Para mim, o importante é a pureza dos fatos. Acredito que as coisas tenham de mudar. É muito conveniente para os poderosos que os whistleblowers sejam uma exceção, em vez da regra. Deveríamos ir na direção de normalizar essa atitude de acionar o alarme quando algo está errado", afirma.

No fim, Katharine Gun estava correta. Não havia armas de destruição em massa, e os governos americano e britânico forçaram uma guerra que se estende até hoje, destruindo o Iraque e contribuindo para desestabilizar ainda mais a região.

PÓS-VERDADE

Para Martin Bright, as mentiras contadas pelos governos de George W. Bush e Tony Blair foram a semente para o descrédito nas instituições e a atual situação da política da pós-verdade em que os líderes mentem sistematicamente para o povo. "Todos nos decepcionaram, certamente nos Estados Unidos e no Reino Unido. As instituições que deveriam nos proteger não o fizeram – a ONU saiu enfraquecida, assim como o processo diplomático, os militares, o Congresso, o sistema Judiciário", afirma o jornalista.

"Acho que o crescimento do populismo, em certa medida, teve sua origem a partir da Guerra do Iraque." Até porque, como frisa Gun, ninguém foi punido. "Quem sofreu foi a população do Iraque, os soldados feridos ou com problemas de saúde mental, suas famílias, gente como eu e Chelsea Manning e jornalistas", diz. "Os membros do governo que fizeram isso foram promovidos. Tony Blair e George W. Bush estão livres, e suas reputações, de certa forma, estão sendo redimidas." 


Publicidade