Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Publicidade

Estado de Minas

Netflix aposta no Brasil e investe R$ 350 milhões em conteúdo local

Plataforma de streaming anuncia que vai apoiar criadores brasileiros. 'Sintonia', assinada por KondZilla, é a segunda série da empresa mais assistida no país.


postado em 05/11/2019 04:00

Rafael Morse/divulgação
KondZilla (D) no set da série Sintonia, sucesso da Netflix no país (foto: Rafael Morse/divulgação)

O serviço de streaming Netflix vai investir R$ 350 milhões em produções originais brasileiras ao longo de 2020. O anúncio foi feito por Greg Peters, diretor global de produto da empresa, em palestra na Futurecom, feira de telecomunicações e tecnologia realizada em São Paulo.

Os recursos serão investidos em novas séries e temporadas de títulos já existentes, bem como filmes e documentários – cerca de 30 produções entre 2019 e 2020. O diretor da Netflix reafirmou a importância de motivar os criadores de conteúdo locais, citando casos como os de KondZilla, à frente de Sintonia, que estreou em agosto. “É nosso segundo programa brasileiro mais popular”, lembrou. “Isso não se faz com criadores separados numa sala, no escritório em uma cidade distante, mas com a vida local.”

A atividade também movimenta a economia local. Desde que começou a produzir conteúdo no país, em 2016, a Netflix ajudou a gerar 40 mil empregos, entre vagas diretas e indiretas. Greg Peters lembrou o esforço da empresa para oferecer conteúdo para ser consumido em qualquer país. De acordo com ele, os lançamentos da Netflix chegam ao serviço aptos a serem assistidos em 30 línguas diferentes, com legendas e dublagens.

“Recentemente, adicionamos húngaro, tcheco e vietnamita. Queremos que cada vez mais pessoas do mundo todo tenham acesso a grandes histórias. Para nós, a arte pode ajudar a reduzir o preconceito", informou Greg Peters. (Estadão Conteúdo)


Publicidade