Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Publicidade

Estado de Minas PODCAST QUEM É

Quem é Marcelo Veronez: mais 'olho no olho' e o Youtube 'que se exploda'

Neste segundo episódio do podcast do Estado de Minas e do Culturadoria, um papo com o artista que propõe olhar autoral para a figura do intérprete


postado em 16/10/2019 13:45 / atualizado em 16/10/2019 13:50


Criança ‘timidíssima’, o menino Marcelo Veronez descobriu, porque gostava de ler enciclopédias: teatro é uma palavra que vinha do termo grego teathron. Significa "lugar onde se vai para ver". Alguns anos depois, esse artista realiza na música esse encontro, e prefere justamente o olho no olho das apresentações à frieza das métricas do Youtube ou do Spotify. 

OUÇA O PRIMEIRO EPISÓDIO
Quem é Marina Sena: o 'ombrim' do Norte de Minas
que você precisa conhecer

Neste segundo episódio do Quem é Fred Bottrel, do Estado de Minas, e Carol Braga, do Culturadoria, conversam com Veronez. Nascido em Belo Horizonte, ele passou a infância em uma roça a 52 quilômetros de Itamarandiba, próximo a Diamantina. Dessas raízes veio a obsessão pelo estar de verdade e pela conexão verdadeira.



“A virtualidade é uma coisa horrível, uma fraude. Não vai dar certo e se insistir nisso, vai dar mais errado ainda. Eu vim da roça, gente! Meu contato era com pessoas que se abraçavam, se davam as mãos. As pessoas estavam ali, olhando uma para a outra, reconhecendo a existência uma da outra, na parte prática. Para mim, esse encontro é isso”, defende o artista.

Do começo no teatro, Veronez traz para a música mais do que o corpo performático em cena. Debate, com sua obra, o que chama de autoralidade do intérprete. “Acredito em autoralidade como uma questão artística, não exatamente de criação. Como a gente aprende no teatro: pode montar Shakespeare e ser autoral. Trazer isso para o campo da música é pegar obra que é reconhecida nacionalmente e criar uma leitura em cima dessa obra”. 

Foi justamente o que ele fez com o show Não sou nenhum Roberto, a partir da obra de Roberto Carlos, com que se apresenta desde 2008. Os caminhos do próximo show também passam por essa mesma investigação.

Quinzenalmente às quartas-feiras, o podcast Quem é mostra o trabalho de um nome da cena cultural de Minas Gerais. Quem canta, atua, pinta, borda e cria arte neste estado pode passar por aqui. O Quem é está disponível nos tocadores de podcast.

Este episódio teve produção de Fred Bottrel, Rafael Alves e Luiza Rocha, trabalhos técnicos e edição de áudio de Luiza Rocha.


Publicidade