Publicidade

Estado de Minas

'Crashing', série da criadora de 'Fleabag', chega ao Brasil com atraso

A atriz e roteirista britânica Phoebe Waller-Bridge faz o papel de Lulu, versão mais jovem da desbocada Fleabag


postado em 11/10/2019 04:00 / atualizado em 10/10/2019 20:07

 
Kate (Louise Ford) tem vergonha de morar em hospital abandonado(foto: NETFLIX/REPRODUÇÃO)
Kate (Louise Ford) tem vergonha de morar em hospital abandonado (foto: NETFLIX/REPRODUÇÃO)
– Não seja chata, é só uma festa. Por favor – pede Sam.

– Não – retruca Kate.

– Sim – ele insiste.

– Não – ela responde.

– Sim. É meu aniversário – diz Sam.

– Não podemos dar festas. Seremos expulsos. Não querer ser sem-teto é ser chata? – questiona Kate.

– Só uma reunião. Convide a Jéssica para transar – ele sugere.

– Não quero que vejam onde moro. Vão me achar uma mendiga – ela continua.

– Morar em hospital abandonado é para transar – Sam explica.

– Não, Sam. É para guardar grana e comprar uma casa – diz Kate, encerrando a questão.
 
 
Depois da consagração no Emmy, com seis estatuetas para a comédia Fleabag, a estrela da atriz e roteirista britânica Phoebe Waller-Bridge não para de brilhar. No Brasil, Fleabag está em cartaz na Amazon Prime Video. Por aqui, a Netflix passou a exibir outra comédia da mesma autora.

Crashing (2016) acompanha um grupo de amigos de 20 a 30 anos que vive em um hospital abandonado de Londres. A festa sobre a qual Sam (Jonathan Bailey) e Kate (Louise Ford) discutem, logo no início do primeiro episódio, realmente acontece. A surpresa será a chegada de Lulu (Phoebe Waller-Bridge). Amiga da vida inteira de Anthony (Damien Molony), ela vem com seu ukelele embaixo do braço para tentar a sorte em Londres.

Anthony e Lulu nunca tiveram nada, mas logo descobrimos que o buraco é mais embaixo. Kate, noiva de Anthony, é a cara da amiga dele que acabou de chegar. Dá para perceber o clima entre o casal de amigos.

A Lulu de Waller-Bridge é uma espécie de versão um pouco mais jovem de Fleabag. Desbocada, um tanto senhora de si, usa o sexo como arma. Em Crashing, ela não ganhou o protagonismo da série posterior. Ainda que inferior à série consagrada, Crashing tem seus bons momentos. Que, infelizmente, passam rápido. Os seis episódios da primeira e única temporada não ultrapassam 20 minutos.




 



Publicidade