Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Publicidade

Estado de Minas

Dirigida por cineasta e com bar como cenário, peça adapta Sófocles

'Tragédia', do Grupo Quatroloscinco, tem direção de Ricardo Alves Jr. e se inspira em 'Antígona'. Estreia será nesta sexta-feira (11) em BH


postado em 08/10/2019 04:00 / atualizado em 07/10/2019 18:31

Grupo Quatroloscinco convidou o cineasta Ricardo Alves Jr. para fazer a direção de seu novo espetáculo(foto: Luiza Palhares/Divulgação)
Grupo Quatroloscinco convidou o cineasta Ricardo Alves Jr. para fazer a direção de seu novo espetáculo (foto: Luiza Palhares/Divulgação)

Poder e violência, assuntos que nunca deixam a ordem do dia, movem Tragédia, primeiro espetáculo do Grupo Quatroloscinco dirigido por um convidado. No caso, o diretor e cineasta Ricardo Alves Jr. “Nos nossos processos de criação, sempre levamos para a mesa de discussão algo que estamos vivendo hoje, tanto no sentido macropolítico quanto no de nossas próprias vidas”, afirma o ator Assis Benevenuto, que divide com Marcos Coletta a dramaturgia.

No início do processo, o grupo estudou bastante a obra do filósofo coreano Byung-Chul Han, em especial o livro Topologia da violência. Foi a partir dessas leituras que atores e diretor chegaram ao tema da tragédia. Na montagem, a base é Antígona, de Sófocles.

A ação se passa em torno de uma mesa de sinuca. “Antígona quer enterrar o irmão e, para tal, tem que enfrentar o poder”, comenta Alves Jr. Na situação, três pessoas estão num bar. “A partir desse jogo, a dramaturgia se abre para questionamentos, chegando até a tragédia grega”, continua o diretor. Um quarto personagem entra em cena ao longo da montagem.

Para os integrantes do Quatroloscinco, interessava a maneira cinematográfica com que Alves Jr. trata o teatro. Tanto que, durante o espetáculo, eles próprios se filmam e projetam em cena em tempo real. “O resultado dessa filmagem corresponde a outro tempo, que é o tempo da tragédia”, diz Benevenuto.

Tragédia cumprirá temporada até 25 deste mês na Funarte. Já em novembro (6, 8 e 9), o Quatroloscinco leva para o Francisco Nunes, com apresentações gratuitas, sua montagem de estreia, É só uma formalidade, que está completando uma década.

Tragédia
Montagem do Grupo Quatroloscinco, com direção de Ricardo Alves Jr. Na Funarte –Rua Januária, 68, Centro. Temporada desta sexta-feira (11) a 25 de outubro, às 20h30 (apresentações de quarta a domingo). Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia).


Publicidade