Publicidade

Estado de Minas

Luc Besson nega acusações de estupro contra atriz de 28 anos

Denúncia contra cineasta foi feita em maio de 2018. Depois, outras oito mulheres acusaram o diretor de 'gestos inapropriados" e "agressões sexuais"


postado em 07/10/2019 11:43 / atualizado em 07/10/2019 12:13

(foto: Wikimedia Commons / Stefanie LOOS / AFP)
(foto: Wikimedia Commons / Stefanie LOOS / AFP)

O diretor francês Luc Besson negou as acusações de estupro de uma atriz belga-holandesa e as chamou de mentiras em uma entrevista que será exibida na terça-feira em um canal de televisão da França.


Esta é a primeira vez que o cineasta fala sobre o tema desde que um juiz de instrução de Paris retomou a investigação sobre a acusação apresentada por Sand Van Roy, de 28 anos, depois que o caso foi arquivado em um primeiro momento.


"Esta história é uma mentira de A a la Z. Não estuprei esta mulher, nunca violentei uma mulher em minha vida. Nunca levantei a mão para uma mulher. Nunca obriguei fisicamente ou moralmente uma mulher a nada. Nunca droguei uma mulher com li em algum lugar. é uma mentira", afirmou Besson ao canal BFMTV, de acordo com trechos da entrevista divulgados nesta segunda-feira.


O diretor de Nikita, O Quinto Elemento e Valerian e a cidade dos mil planetas, filme mais caro da história do cinema francês, admite que cometeu erros e que teve uma relação de dois anos com esta atriz, que tem um papel pequeno em Taxi 5, produzido por Besson.


"Traí minha mulher e meus filhos. Não aconteceu apenas uma vez, aconteceu várias vezes em 20 anos de casamento", disse o diretor de 60 anos e casado com a produtora Virginie Besson-Silla.


Sand Van Roy o denunciou por estupro em 18 de maio de 2018, um dia após um encontro em um hotel de Paris.


Dois meses depois, a atriz denunciou outros estupros e agressões sexuais cometidas, segundo seu depoimento, durante dois anos de relacionamento com "domínio profissional" por parte de Besson.


Mais oito mulheres o acusaram posteriormente de gestos inapropriados e até agressões sexuais, em depoimentos ouvidos pelo jornal francês Mediapart e cujos fatos já teriam prescrito em sua maioria.


Publicidade