Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Publicidade

Estado de Minas

Rodrigo Teixeira rodará longa com a Filmes de Plástico em BH em 2020

Parceria entre a RT Features e a produtora de Contagem foi anunciada nesta terça (17). 'Vicentina pede desculpas' é sobre mãe cujo filho motorista se envolve em acidente em que todos os passageiros morrem


postado em 17/09/2019 19:36 / atualizado em 18/09/2019 15:26

Rodrigo Teixeira, da RT Features, ao centro, e os mineiros Maurílio Martins, Thiago Macedo Correia, Andre Novais e Gabriel Martins, da Filmes de Plástico, em BH(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A.Press)
Rodrigo Teixeira, da RT Features, ao centro, e os mineiros Maurílio Martins, Thiago Macedo Correia, Andre Novais e Gabriel Martins, da Filmes de Plástico, em BH (foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A.Press)
 

A Cine BH - Mostra de Cinema de Belo Horizonte abriu na noite desta terça-feira (17/9) sua 13ª edição com o anúncio de uma parceria entre dois convidados ilustres: a produtora mineira Filmes de Plástico e o carioca radicado em São Paulo Rodrigo Teixeira, da RT Features, vão produzir juntos o longa Vicentina pede desculpas, no ano que vem, com filmagens na capital mineira.


O projeto começou a ser desenvolvido em 2015, em um núcleo criativo criado pela produtora mineira com sede em Contagem, envolvendo seus quatro integrantes, os diretores e roteiristas Gabriel Martins, André Novais de Oliveira, Maurílio Martins e o produtor Thiago Macêdo, além dos diretores convidados Thiago Ricarte, Karine Teles e Thais Fujinaga.

 

A versão final do roteiro, assinado por Gabriel Martins, que também será o diretor, conta a história de um grave acidente de ônibus, ocorrido no Centro de Belo Horizonte, no qual o veículo cai da Alameda da Avenida Bias Fortes sobre a Avenida do Contorno. Todos a bordo morrem, gerando grande repercussão midiática, sobretudo pela hipótese de o motorista ter provocado o acidente intencionalmente.

 

“O filme não é sobre o motorista Wesley, mas sobre sua mãe, a Vicentina, em seu processo de procurar as famílias das vítimas, conversar e pedir desculpas, para tentar entender algo que talvez nem ela saiba o que é”, explica Gabriel, que recentemente lançou No coração do mundo, codirigido por Maurílio Martins.

 

''Essa troca é natural, se a gente não colaborar entre praças, fica um cinema muito restrito no Brasil. Há uma concentração injusta em São Paulo e no Rio de Janeiro e não necessariamente o melhor resultado vem de lá. Então é até uma forma de chamar atenção para que esses centros voltem a valorizar talentos que talvez estejam marginais ao acesso''

Rodrigo Teixeira, produtor e proprietário da RT Features

 

A entrada da RT Features no projeto ocorreu em junho deste ano, no Olhar de Cinema - Festival Internacional de Curitiba. Em BH para a exibição em pré-estreia nacional de A vida invisível, representante brasileiro na corrida pelo Oscar de Melhor Longa Internacional, que ele produz, Rodrigo Teixeira explica que a aproximação com a Filmes de Plástico é anterior a isso.

 

“Já tínhamos uma parceria. O Gabriel escreveu o roteiro de Alemão, que é nosso maior sucesso em termos de público no Brasil. Eu também já tinha trabalhado com o André, que é roteirista de O sol na cabeça, do Karim Aïnouz. Então naturalmente essa conversa fluiu para um novo projeto junto”, diz o produtor que também participa de produções norte-americanas, como Frances Ha, de Noah Baumbach, A bruxa e The lighthouse, de Robert Eggers, além do vencedor do Oscar de Melhor Roteiro Adaptado Me chame pelo seu nome (2018), e Port Authority, de Danielle Lessovitz, no qual dividiu a produção com Martin Scorsese, e Ad astra, ficção espacial estrelando Brad Pitt, que estreará em breve.

 

''O filme não é sobre o motorista Wesley, mas sobre sua mãe, a Vicentina, em seu processo de procurar as famílias das vítimas, conversar e pedir desculpas, para tentar entender algo que talvez nem ela saiba o que é''

Gabriel Martins, roteirista e diretor da Filmes de Plástico

 

Segundo Teixeira, a cooperação “é fruto de uma grande admiração”. “Essa troca é natural, se a gente não colaborar entre praças, fica um cinema muito restrito no Brasil. Há uma concentração injusta em São Paulo e no Rio de Janeiro e não necessariamente o melhor resultado vem de lá. Então é até uma forma de chamar atenção para que esses centros voltem a valorizar talentos que talvez estejam marginais ao acesso”, afirma.

 

Teixeira ainda afirmou que Vicentina pede desculpas, que será rodado na capital mineira e Região Metropolitana, já tem financiamento garantido, sem divulgar publicamente a origem e os valores, mas dizendo que “talvez não precise depender de recursos públicos”. Segundo ele, a expectativa é realizar as filmagens ainda em 2020 e chegar ao circuito de festivais em 2021, “mesmo com todas as crises que estamos atravessando”.

 

Em fase inicial de pré-produção, o projeto ainda não tem nomes definidos para o elenco, mas, segundo Gabriel Martins, “existe uma intenção para continuar trabalhando com nomes que já fazem parte de outras produções da Filmes de Plástico, além de descobrir novos talentos em Belo Horizonte”. “Será possível unir fortemente a expertise das duas produtoras”, avalia Thiago Macêdo.


Publicidade