Publicidade

Estado de Minas

Música de Brumadinho vence 49ª edição do Fenac

Pequeno grão de areia, composta pelos músicos Marcos Aranha do Brasil e Sanrah, é a grande campeã do Festival Nacional da Canção


postado em 09/09/2019 04:00

Ao lado de outros premiados, Sanrah levanta o troféu por Pequeno grão de areia, em Boa Esperança(foto: fotos: Walber Mizael/Divulgação)
Ao lado de outros premiados, Sanrah levanta o troféu por Pequeno grão de areia, em Boa Esperança (foto: fotos: Walber Mizael/Divulgação)

A música Pequeno grão de areia, composta pelos músicos Marcos Aranha do Brasil e Sanrah, de Brumadinho, foi a grande campeã do 49º Festival Nacional da Canção (Fenac). A composição também conquistou o cobiçado troféu Lamartine Babo, além de R$ 25 mil em prêmios. Em 2º lugar, ficou Impressão sua, da banda Devonts, de São Paulo, que levou R$ 19 mil. E, pela primeira vez, uma música que foi inscrita pela modalidade on-line também foi premiada e ficou entre as três primeiras. Trata-se de No meio do mundo, da banda Paradush, com músicos da Ucrânia, embolsando R$ 13 mil. A final foi realizada sábado (7), em Boa Esperança, no Sul de Minas.

O quarto lugar coube à música Grama azul, da banda Duas Casas, de São Paulo, que recebeu R$ 8 mil e, finalmente, em 5º lugar, a canção Espada ligeira, do grupo belo-horizontino Caldêra, que levou R$ 6 mil. O Fenac ainda premiou a cantora baiana Laís Marques como a melhor intérprete e a música Contramão, interpretada por Bilora, de Contagem, como a canção mais comunicativa.

Não é a primeira vez que Sanrah participa do Fenac, pois ele esteve na 39ª edição, quando ficou em 2º lugar com a música Clara. “Dez anos depois, volto a participar e, felizmente, saímos vencedores. Quero dedicar o troféu a todos da minha cidade, que está precisando de muito carinho e afeto. O Fenac recebeu com muito carinho a nossa música e foi maravilhoso expressar esse sentimento que a gente tem de tudo que aconteceu em Brumadinho”, ressalta o vencedor.

Sanrah diz que, em virtude tragédia, as pessoas de Brumadinho estão necessitando de muito carinho. “Noto também que todos querem retribuir. Vimos na plateia ovacionando a nossa música com muito amor. Esta canção foi composta há 10 anos, ou seja, antes da tragédia, mas ela veio a calhar com toda essa situação que a nossa cidade está vivendo. Levantamos essa bandeira do carinho, do amor e da esperança para as pessoas. A letra fala disso muito bem e a emoção que ela transmite transcende isso que queremos dizer.”

Pedro Nunes é um dos integrantes da banda paulista Devonts, que ficou em 2º lugar com a canção Impressão sua. “Se não fosse o Fenac, não teríamos como tocar nas várias cidades nas quais tocamos. A letra da música fala de casos de violência e abusos que as pessoas sofrem. Gente como professores, artistas, pessoas de classes mais pobre, enfim é um tema muito atual”, garante.

A cantora baiana Laís Marques ganhou como a melhor intérprete. “Na verdade são seis anos de Fenac e esta é a primeira vez que sou premiada. Foi especial, pois em nenhum momento me senti sozinha, a plateia vibrou o tempo inteiro comigo.” 

SUCESSO

Guilherme Arantes embalou o público com os clássicos Deixa chover e Cheia de charme
Guilherme Arantes embalou o público com os clássicos Deixa chover e Cheia de charme
Para o idealizador do Fenac, Gleizer Naves, o balanço do festival foi “fantástico”, um aperitivo para o ano que vem, quando serão comemorados 50 anos do Festival Nacional da Canção. “O festival mostrou um pouco do que a gente quer que seja o evento, ou seja, incentivar talentos por meio da arte. Foi um encantamento durante 45 dias, em sete cidades, e terminou de uma forma sensacional, inclusive para quem organiza. A letra da música ganhadora é de Brumadinho, e feita por um pessoal envolvido com a tragédia. A canção fala deste sofrimento, dessa volta por cima”, afirmou Naves.

Gleizer Naves revela ainda que uma das meninas que ajudaram na interpretação de Pequeno grão de areia  é também de Brumadinho e órfã da tragédia, quando perdeu o pai. “Então, a letra fala desse sofrimento, mas a música é maravilhosa e o público adorou. Quando junta o gosto do público com o parecer técnico dos jurados, tudo fica sensacional e até me relembrou aqueles tempos antigos dos grandes festivais, com todos vibrando, torcendo, pulando e aplaudindo. Outra coisa que me tocou foi a música da Ucrânia que ficou em 3º lugar. É a primeira vez na história do Fenac que teve estrangeiros participando, ainda mais com premiados”, orgulha-se o idealizador.

show Logo após a divulgação dos vendedores da 49º edição do Fenac, o cantor e compositor Guilherme Arantes entrou em cena com sua banda e interpretou, durante cerca de 1h30, seus principais sucessos. O público se agitou ao ouvir clássicos como Deixa chover, Cheia de charme e Lindo balão azul, entre outros.


Publicidade