Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Atualizando os Tempos modernos


postado em 09/07/2019 04:06

DJ Memê, Fernanda Abreu e Toni Garrido regravaram a canção de Lulu Santos, 37 anos depois de seu lançamento(foto: Marcos Hermes/Divulgação)
DJ Memê, Fernanda Abreu e Toni Garrido regravaram a canção de Lulu Santos, 37 anos depois de seu lançamento (foto: Marcos Hermes/Divulgação)
 
Tempos modernos, a canção em que Lulu Santos anunciou, em 1982, “um novo começo de era/ de gente fina, elegante e sincera/ com habilidade pra dizer mais sim do que não” ganhou nova versão nas vozes de Toni Garrido e Fernanda Abreu com arranjos do DJ Memê. O projeto de relançar a música nas plataformas digitais foi uma estratégia da Musickeria para atingir um público acima dos 50 anos.
 
Na opinião de Garrido, versos da canção, como “vamos nos permitir”, reforçam a ideia de que meio século é pouco para quem tem sede de realizar. “Sou supertranquilo com a questão da idade. Hoje, com 51 anos, tenho tanto desejo de viver quanto tinha com 30 e poucos. E com um benefício, menos ansiedade e cobranças da minha parte.” Garrido define sua geração como cheia de atitude, inquieta, muito ativa, responsável por grandes mudanças de comportamento e também pela quebra de inúmeros paradigmas. “Penso que os cinquentões estão mudando de profissão, voltando para as salas de aula, criando empresas, se divorciando e se casando novamente. Talvez, o recomeço seja a palavra de ordem para essa geração”, diz o líder do Cidade Negra.
 
Garrido conta que sua proximidade com Fernanda Abreu e Memê vem de longe. “Ela é um ídolo que vi brilhar na Blitz e ele, um amigo de infância. Conheço Memê desde que ele tinha uns 12 anos. Estudamos juntos na mesma escola. Eu o conheci muito antes de ele se tornar um DJ famoso. Na adolescência, ele já tinha todo um envolvimento com a música.”
 
O cantor aponta que “a responsabilidade de Memê foi muito grande, uma vez que não podíamos 'estragar' a canção, que é um clássico”. Cheio de planos e projetos, Garrido afirma que “um dia com 24 horas é pouco” para ele. “Entre família, exercícios e compromissos, o dia parece menor”, lamenta. Ele deve lançar em breve um CD com o Cidade Negra e um filme do qual participou. Além disso, diz que vem compondo há dois anos e já pensa em um novo álbum.
 
Paralelamente a essas atividades, ele toca o projeto Noites de Orfeu, cujo repertório conta exclusivamente com músicas de Vinocius de Moraes, Tom Jobim e Baden Powell e no qual ele se apresenta ao lado de um quarteto de cordas. “Estou louco para levar esse show a Minas Gerais, pois os mineiros sempre me recebem bem. Enfim, o pique continua o mesmo. Mas está leve e suave honrar com os compromissos, porque tenho muito prazer em cumpri-los”, afirma. A versão do trio para Tempos modernos está disponível no YouTube.


Publicidade