Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Dicas de português


postado em 19/06/2019 04:10



Recado

“Dizem que só se pode filosofar em alemão, cantar rock em inglês e samba em português.”
. Francis Scott Key Fitzgerald



Por aqui, ó

Ninguém acreditou. Mas a cena foi tantas vezes repetida na tevê que as dúvidas se dissiparam. O presidente da República, diante de câmeras e microfones, fez o gesto da guilhotina decapitando a pessoa ao mesmo tempo em que dizia “estou por aqui com o Levy”. Referia-se ao presidente do BNDES. Joaquim Levy não teve alternativa. Pediu demissão. Em nota, anunciou: “Solicitei ao ministro da Economia Paulo Guedes meu desligamento do BNDES”. Acertou na saída. Mas tropeçou na língua. “Cadê a vírgula?”, perguntaram leitores sabidos. Com razão. Sem o sinalzinho, torna-se restritivo um termo explicativo.

Explicativo e restritivo

Compare as frases:

*O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, deixou Joaquim Levy sem saída.

*O ex-presidente do Brasil José Sarney mora em Brasília.

Por que Jair Bolsonaro vem entre vírgulas e José Sarney não? O segredo reside no que vem antes dos nomes. No primeiro caso, é presidente do Brasil. Quantos existem? Só um. Jair Bolsonaro é termo explicativo. Funciona como aposto. Daí as vírgulas. Há mais de um ex-presidente – Lula, Fernando Henrique, Collor. Se não digo a quem me refiro, deixo o leitor numa enrascada. Pode ser qualquer um. Aí só há um jeito: dar nome ao boi. José Sarney é termo restritivo. Vem soltinho da silva.

Dispensável

O termo explicativo é velho conhecido. Chama-se aposto. Os professores ensinam que ele não faz falta. Verdade? Sim. A ausência da ilustre criatura não causa prejuízo ao entendimento da frase. Por isso, ela vem obrigatoriamente separada por vírgula ou travessões:

O ministro da Economia, Paulo Guedes, aceitou a demissão de Joaquim Levy.

Percebeu? Se apagarmos o nome do ministro, o leitor saberá de quem estamos falando. Na dúvida, consulta o Google. A resposta será uma só — Paulo Guedes.

Mais exemplos

A capital do Brasil, Brasília, localiza-se no Planalto Central. (O Brasil só tem uma capital.)

A ex-capital do Brasil Salvador tem um carnaval animadíssimo. (O Brasil tem mais de uma ex-capital.)

Donald Trump – presidente dos Estados Unidos – trava guerra comercial com a China. (Os EUA só têm um presidente.)

Clareza

Meu filho Marcelo estudou na UnB.

Ops! Marcelo é termo restritivo ou explicativo? Depende do antecedente. Eu tenho um filho ou mais de um filho? Se um, é termo explicativo. Separa-se por vírgula. Se mais de um, restritivo. Aparece sem lenço nem documento.

Mais

Minha mãe, Rosa, mora em São Paulo. (Só tenho uma mãe.)

Minha tia Maria chega amanhã do Rio. (Tenho mais de uma tia.)

Os sobrinhos de Carla Rogério e Daniel estudam na Suíça. (Carla tem mais de dois sobrinhos.)

Meus netos, Rafael e João Marcelo, são adolescentes. (Só tenho dois netos.)

Meus netos Rafael e João Marcelo são adolescentes. (Tenho mais de dois netos. Só dois são adolescentes.)

Teste

Esta questão caiu no Enem. A meninada considerou-a pra lá de difícil. E você? Leia a frase e marque a resposta correta:

Os três filhos de Maria, Carlos, Beto e Luís, estão gripados.

a. Maria só tem três filhos.
b. Maria tem mais de três filhos.

Nota 1000

Marcou a letra a? Acertou. Carlos, Beto e Luís são termos explicativos. Daí as vírgulas.

Leitor pergunta

Garage ou garagem? Ora vejo escrito de um jeito. Ora de outro. Fiquei confusa. Pode me ajudar?
. Nilma, Brasília

Garage é a grafia francesa. A portuguesa da silva é garagem. Como nesta alegre Pindorama falamos a língua de Camões, Pessoa e Machado, fiquemos com garagem.


Publicidade