Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Série Dilema repete a fórmula do thriller erótico Proposta indecente

Renée Zellweger interpreta a vilã Anne Montgomery, que paga US$ 80 milhões a um casal sem grana em troca de uma noite de sexo com o jovem barman Sean


postado em 31/05/2019 04:09

Renée Zellweger é a inescrupulosa Anne Montgomery em Dilema (foto: NETFLIX/DIVULGAÇÃO)
Renée Zellweger é a inescrupulosa Anne Montgomery em Dilema (foto: NETFLIX/DIVULGAÇÃO)

A década de 1990 foi prolífica em thrillers eróticos que hoje soam um tanto datados. Proposta indecente (1993) ainda se propôs a uma discussão ética: até onde se pode ir por dinheiro? O mote era simples: milionário sedutor (Robert Redford) oferecia U$ 1 milhão para a mocinha interpretada por Demi Moore passar uma noite de amor com ele. Só que ela era casada e apaixonada por um então jovem Woody Harrelson.

O primeiro episódio de Dilema (Netflix) faz menção ao filme de Adrian Lyne. Casal jovem de São Francisco, Lisa (Jane Levy) e Sean Donovan (Blake Jenner) fazem de tudo para sair do vermelho. Ele, um ex-jogador em ascensão, paga as contas como socorrista durante o dia e barman à noite. Ela capitaneia uma startup médica que necessita desesperadamente de dinheiro. Lindos, jovens e apaixonados, eles se deparam com a implacável empresária Anne Montgomery (Renée Zellweger).

A proposta é semelhante à do filme de 25 anos atrás, mas com juros e correção monetária. Anne vai investir US$ 80 milhões na startup de Lisa, caso a moça libere o maridão para uma noite com ela. Noite que acontecerá logo no início da série, suscitando consequências para lá de graves. Na verdade, Anne armou uma teia para o casal Donovan.

Dilema chegou à plataforma de streaming com dois trunfos. A participação de Renée Zellweger, aqui em sua primeira série, é um chamariz e tanto. O outro é o fato de a produção vir de Mike Kelley, o criador do novelão Revenge (2011-2015), sucesso mundial. Para quem gosta do misto drama/suspense com uma boa dose de inverosimilhança, Dilema é um prato e tanto.

Mas a série, é bom avisar, tem graves problemas, a começar por seu elenco. Renée Zellweger teve seu grande momento na franquia Bridget Jones, comédia sobre a inglesa gordinha às voltas com problemas amorosos. Como mulher fatal ela parece um arremedo de Kim Bassinger, canastrona a perder de vista. Jane Levy, a protagonista, tampouco empolga. À medida que os episódios se sucedem, ela perde cada vez mais o brilho (em dado momento, beira a chatice).

Afora isso, a série, para conseguir chegar a 10 episódios, tem que se ancorar em subtramas com personagens secundários (o irmão de Lisa, Marcos Ruiz, tem outro segredo escondido). O enredo vai se arrastando até o final, que traz uma reviravolta, marca dos trabalhos de Mike Kelley. No fim das contas, Dilema nos deixa com a sensação de algo já visto em outro lugar. Só que pior.

DILEMA
. 10 episódios
. Disponível na Netflix


Publicidade