Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

'Border' é filmão de suspense sobre policial que fareja sentimentos

No longa sueco que estreia nesta quinta (11), protagonista tem anomalia cromossômica que afeta sua aparência, mas lhe dá habilidades incomuns


postado em 11/04/2019 05:08

Longa de Ali Abbasi estrelado por Eero Milonoff e Eva Melander venceu a mostra Um Certo Olhar no Festival de Cannes, no ano passado (foto: ARTEPLEX FILMES/DIVULGAÇÃO)
Longa de Ali Abbasi estrelado por Eero Milonoff e Eva Melander venceu a mostra Um Certo Olhar no Festival de Cannes, no ano passado (foto: ARTEPLEX FILMES/DIVULGAÇÃO)


“Farejo vergonha, culpa, raiva. Sinto essas coisas e ligo os pontos.” É assim que a policial Tina (Eva Melander) explica para sua superiora hierárquica como ela consegue, apenas observando os passageiros que circulam pela área de controle aeroportuário, encontrar o que eles tentam esconder, desde garrafas de bebida alcoólica até um pen drive com imagens de pedofilia.

Tina é a protagonista e a razão de ser do longa Border, vencedor da mostra Um Certo Olhar no Festival de Cannes 2018, que estreia nesta quinta-feira (11), no Brasil. A posição fronteiriça que a personagem central desse filme sueco do dinamarquês de origem iraniana Ali Abbasi ocupa na trama é também uma metáfora de sua própria condição.

Por fora, Tina assusta. Portadora de uma anomalia cromossômica, ela tem uma aparência que provoca reações de desprezo e asco na maioria das pessoas que a rodeiam. Para fugir do isolamento, divide sua casa com um homem que passa longe de ser um exemplo de companheirismo. Por dentro, Tina é um poço de virtudes. Embora involuntariamente enxergue toda a feiúra que as pessoas tentam camuflar,  ela não perde a capacidade de sentir empatia por aqueles que precisam de ajuda nem repugnância a comportamentos abjetos.

Quando se depara com Vore (Eero Milonoff), que ela julga ser portador da mesma anomalia cromossômica, Tina experimenta o embaralhamento dos sentidos. A policial fareja algo errado com ele, a mulher quer tê-lo cada vez mais perto. Da relação que se desenvolve entre os dois aparecerá a explicação para o fato de ambos serem fora do padrão. Tina acha que encontrou um igual, até que uma grande diferença desponte entre as semelhanças tão inéditas para ela.

CONTO

Abbasi conta essa história – que ele escreveu em parceria com John Ajvide Lindqvist, autor do conto no qual o filme se baseia, e Isabela Eklof – no tom do suspense. Há uma permanente tensão assinalada pelo diretor com seus enquadramentos e cores, com a trilha sonora e também com a incômoda posição dada ao espectador de nunca saber exatamente o que Tina vê (nos outros) ou o que ela deixa de perceber (em Vore).

Durante o Festival de Cannes, Abbasi atribuiu, não sem razão, a maior parte do sucesso do filme ao desempenho de Eva Melander. “Mesmo atuando com uma máscara de silicone, ela consegue ser mais expressiva do que muita gente sem máscara”, afirmou. Mas são evidentes também os méritos do cineasta na direção dos demais atores e na coesão que consegue dar a uma narrativa em que elementos fantásticos são tratados pelo prisma do realismo.

É também muito habilidoso o uso que Abbasi faz de elementos da natureza (larvas, insetos, alces, um lago, um bosque, uma tempestade) na trama, sublinhando o aspecto da animalidade, subjacente à “anomalia” de Tina e Vore, em contraste com a “normalidade” dos demais personagens, incluindo o pai de Tina, que ela visita frequentemente numa instituição hospitalar para idosos.

Na discussão definitiva entre o casal de protagonistas, Tina questiona Vore se “é humano não querer prejudicar ninguém”, deixando claro que Border é um conto muito bem contado sobre a origem do mal.


Publicidade